Adolescência

Filha adolescente pode se tornar rival da mãe; saiba lidar

Getty Images
Para minimizar conflitos, a mãe deve entender que é saudável a filha querer ser autônoma Imagem: Getty Images

Rita Trevisan e Suzel Tunes

Do UOL, em São Paulo

13/11/2014 07h15

A adolescência pode ser um divisor na relação entre mãe e filha. É nessa fase que a garota, que até então tinha na mãe o seu modelo, torna-se contestadora. Os desentendimentos podem se tornar rotina. A adulta se ressente de não ser mais ouvida; a filha sente-se criticada o tempo todo. E uma mal disfarçada tensão –que, muitas vezes, explode em aberta hostilidade– pode se prolongar por anos.

É claro que um quadro como esse não ocorre, obrigatoriamente, em todas as famílias, mas é bastante comum. “O conflito está presente em todas as relações humanas”, diz Elizabeth Brandão, professora da Faculdade de Psicologia da PUC (Pontifícia Universidade Católica) de São Paulo.

Entre pais e filhos, conforme explica a psicóloga, a relação de dependência é um complicador –um é pequeno e frágil; o outro, grande e forte. E toda relação desigual, por definição, tende a ser conflituosa.

“Os filhos, um a um, vão representando aspirações, desejos e expectativas de seus pais. Muitas vezes, os adultos têm a intenção –consciente ou inconsciente– de resolver, por meio dos filhos, questões pendentes com seus próprios pais ou com seu passado”, afirma a psicóloga e psicanalista Sheila Skitnevsky Finger, cofundadora do Instituto Mãe Pessoa, organização que oferece atendimento psicoterápico e oficinas para mulheres. No caso de mães e filhas, essa expectativa pode ser ainda maior, pela identificação que existe entre as duas.

Identidades e fronteiras

É fundamental considerar, no entanto, que esses desentendimentos podem cumprir uma valiosa função: a de ajudar as filhas a se desprenderem dos laços maternos. “Esse processo é necessário, a filha precisa descobrir sua individualidade”, afirma a psicóloga Marina Ribeiro, professora do Instituto Sedes Sapientiae, de São Paulo, autora do livro “De Mãe em Filha: a Transmissão da Feminilidade” (Editora Escuta). 

A especialista explica que o estabelecimento de “fronteiras psíquicas” entre pais e filhos, pelo reconhecimento de diferenças, é saudável para todos, mas é uma meta nem sempre fácil de ser alcançada.

“Pais com dificuldades emocionais sérias tendem a dispor dos filhos como extensões deles mesmos, para o melhor e para o pior. Para exemplificar, são pais que, diante do sucesso do filho, comentam: ‘esse é meu filho’. E diante do fracasso ou das dificuldades: ‘nem parece ser meu filho’.”

A resolução desse conflito passa pelo fim da idealização, de ambas as partes. A filha não é uma extensão da mãe nem tampouco aquela bonequinha com a qual ela brincava de casinha na infância. É uma pessoa com ideias e vontades próprias. A mãe, por sua vez, não é um ser infalível.

“Se nunca teremos a filha ideal ou a mãe ideal, teremos a filha ou a mãe real, possível. As expectativas nunca se cumprem, o outro é o outro”, afirma a psicopedagoga Georgia Vassimon, professora do Instituto Sedes Sapientiae.

Rainhas, madrastas e princesas

Outro componente pode tornar essa relação ainda mais delicada: a existência de sentimentos de ciúme e inveja entre mulheres vivendo diferentes fases da vida. Uma menina que se torna mulher e uma mulher que envelhece podem se tornar rivais no espaço doméstico. 

Essa disputa é retratada de forma bastante clara, ainda que simbólica, pelo papel da madrasta dos contos de fadas. Tomando como exemplo a história de Branca de Neve, a madrasta é a rainha-mãe vista, anos depois, pela filha que cresceu. A menina que idealiza a mãe na primeira infância –aquela rainha que tomava por modelo– agora a enxerga como uma madrasta invejosa. Já a mulher que assume os papéis de madrasta (e bruxa) sente-se inferiorizada ao olhar para o espelho. E quem é esse espelho? A própria filha.

“Quando a menina se torna uma jovem mulher, bonita e inteligente, ela se transforma no espelho que diz à mãe que ela já não é a mulher mais bela do mundo”, afirma Marina, professora do Instituto Sedes Sapientiae.

Modelos humanos

Negar ou abafar a existência desses sentimentos não resolve o problema. “O ideal seria, de fato, que a mãe conseguisse enxergar, aceitar e admirar as mudanças e conquistas da filha. Mas ela também é uma pessoa que tem sentimentos, às vezes contraditórios, às vezes indesejados”, diz a psicanalista Sheila Finger.

O primeiro passo para superar a delicada questão é, portanto, reconhecê-la. É o que também diz a psicóloga Elizabeth. “Externar sentimentos como raiva, inveja e ciúme é meio caminho andado para superá-los. Quando surgir um sentimento negativo, tente encontrar a origem. Conversar com uma amiga ou mesmo com um terapeuta também ajuda”.

A psicopedagoga Georgia adverte que o conflito pode durar muito tempo ou mesmo a vida toda, se as pessoas envolvidas não fizerem a lição de casa –geralmente árdua– de buscar o autoconhecimento e a aceitação das diferenças entre os membros da família. Essa é uma tarefa de todos, mas, quando a relação envolve adolescentes e crianças, são os pais que devem apresentar maior maturidade do que seus filhos.

Segundo a psicanalista Sheila, as mães podem contribuir de diversas maneiras para minimizar os conflitos com suas filhas. “É preciso aceitar e reconhecer que faz parte do crescimento e do amadurecimento da garota essa busca por independência e autonomia. Também é necessário desvencilhar-se de suas próprias questões mal resolvidas e expectativas idealizadas para tentar ver e admirar a filha como ela é. E, na medida do possível, tente colocar-se à disposição para ajudar e acolher, principalmente nos momentos de dificuldades.”

E tudo isso sem perder de vista os próprios limites. Afinal, se nessa história existem rainhas e princesas, não há lugar para super-heróis. “As mães podem servir de modelo como pessoa que falha, mas que não desiste nem se desespera, que busca ajuda quando a situação está muito difícil. Elas devem ser exemplos de pessoas que se aceitam com seus talentos e habilidades, mas também com suas inseguranças e limitações”, declara Sheila.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
Comportamento
ESPNW
Redação
Redação
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Gravidez e Filhos
do UOL
Vya Estelar
do UOL
do UOL
Revista Ana Maria
BBC
UOL Cinema
Folha de S. Paulo
UOL Educação - BBC
do UOL
Folha de S. Paulo
Folha de S. Paulo
Folha de S. Paulo
Disney Babble
BBC
do UOL
Folha de S. Paulo
do UOL
Redação
UOL Notícias - Educação - Enem
do UOL
Redação
do UOL
do UOL
Guia do Bebê
BBC
Estadão Conteúdo
Disney Babble
do UOL
Topo