Gestação

Consumir vitaminas e minerais em cápsulas é essencial na gestação

Getty Images
Antes de usar suplementação, a mulher deve ser avaliada pelo médico que a acompanha Imagem: Getty Images

Maria Laura Albuquerque

Do UOL, em São Paulo

16/11/2014 08h05

Quando a mulher está grávida, por mais saudável e balanceada que seja sua alimentação, é importante que ela siga a orientação médica de consumir suplementos de vitaminas e minerais. Não se trata de excesso de zelo. É praticamente impossível garantir para ela mesma e para o bebê tudo o que eles precisam durante os nove meses.

Especialistas ainda reforçam que, se possível, enquanto planeja a gravidez, já é válido iniciar a suplementação. No período pré-concepcional e até os três primeiros meses de gestação, é recomendada a ingestão de vitamina B9 (ácido fólico).

“Ela previne defeitos no tubo neural no bebê, como anencefalia e espinha bífida (fechamento incompleto do tubo neural)”, afirma Roseli Nomura, professora-adjunta do departamento de obstetrícia da Escola Paulista de Medicina da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo) e professora-associada da FMUSP (Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo).

A carência de vitamina B9 pode provocar também maior chance de deslocamento de placenta, nascimento precoce, morte neonatal, baixo peso ao nascer, prematuridade e anemia megaloblástica (diminuição de glóbulos vermelhos, que se tornam grandes, imaturos e com funcionamento anormal). Já durante a lactação, fase com muito desgaste para a mãe, todas as vitaminas e os minerais passam pelo leite materno para o bebê, então, seguir com as cápsulas é essencial.

“Estudos indicam que demora cerca de dois anos após o parto para que a mãe consiga recuperar seus estoques de nutrientes”, diz Lenycia Neri, nutricionista do Instituto da Criança do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP, coautora do livro “Nutrição e Estilo de Vida Saudável da Gestante” (Instituto Girassol).


Em geral, todas as gestantes costumam consumir a mesma lista de vitaminas e minerais na forma de cápsulas. Porém, o ideal é que cada futura mãe seja avaliada por seu médico. Conhecendo a dieta alimentar de cada mulher individualmente, o profissional pode observar o que está faltando e orientar uma complementação personalizada.

Conheça alguns dos itens que não podem faltar nos multivitamínicos para gestantes:

Ferro

Essencial, pois participa da síntese de hemoglobina e mioglobina e, durante a gravidez, vários processos fisiológicos fazem com que a demanda por esses micronutriente tenha um incremento significativo, o que torna necessária uma maior ingestão e absorção do componente.

De acordo com Paula Crook, nutricionista da PB Consultoria em Nutrição, em São Paulo, durante a gestação, a quantidade de ferro absorvida nos intestinos aumenta, mas, mesmo assim, a maioria das gestantes não ingere quantidade satisfatória desse mineral.

Cálcio

Mineral importante porque contribui para a formação da estrutura óssea e dentária do feto. A substância ainda previne a hipertensão arterial e a pré-eclâmpsia (hipertensão arterial específica da gravidez) na mulher. A deficiência faz com que ocorra a retirada do cálcio dos ossos da mãe para suprir as necessidades de formação do feto e também para a produção de leite. Com isso, a mulher pode desenvolver, no futuro, problemas como osteoporose e cáries.

Vitamina A

Para prevenir defeitos congênitos, morte fetal, parto prematuro, retardo de crescimento intrauterino e baixo peso ao nascer. É importantíssimo que o médico acompanhe a dosagem consumida, já que o excesso pode provocar malformações fetais.

Vitamina D

Atua na regulação do metabolismo do cálcio e do fósforo, necessários ao bom desenvolvimento dos sistemas nervoso, muscular e imunológico da criança. 
Outro componente importante da suplementação é o ômega 3.

“A dieta ocidental padrão é severamente deficiente nesse nutriente”, diz a nutricionista Paula Crook. É um lipídio considerado essencial, já que não é sintetizado no organismo. Entre os ácidos graxos da família ômega-3, o mais importante para a gestação é o DHA (ácido docosahexaenóico),  segundo Roseli, da Unifesp. “Ele atua na composição dos tecidos do sistema nervoso central e da retina da criança”, afirma.

Paula também ressalta que o aumento da ingestão de ômega 3 tem revelado uma redução no risco de alergias em crianças e diminuição do risco de pré-eclâmpsia. Por outro lado, a deficiência desse componente aumenta a chance de a mãe desenvolver depressão.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Comportamento
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Estilo
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Folha de S. Paulo
BBC
Folha de S. Paulo
BBC
do UOL
Topo