Gestação

Ingerir menos carboidratos e tomar sol podem turbinar a fertilidade

Getty Images
Quando a mulher não está conseguindo engravidar, qualquer detalhe é importante Imagem: Getty Images

Fernanda Carpegiani

Do UOL, em São Paulo

Sabia que é possível dar uma forcinha para o organismo feminino e aumentar as chances de ter um bebê? Segundo especialistas em fertilidade, fazer acupuntura, dar preferência a alimentos orgânicos e ingerir menos carboidratos podem ajudar. "Quando a mulher não está conseguindo engravidar, tudo vale a pena e qualquer detalhe é importante", afirma Arnaldo Schizzi Cambiaghi, especialista em medicina reprodutiva e diretor do centro de reprodução humana do IPGO (Instituto Paulista de Ginecologia e Obstetrícia). Veja a seguir quatro maneiras de turbinar a fertilidade.

Dieta balanceada

Equilíbrio é a palavra-chave da alimentação. Um estudo do Instituto de Medicina Reprodutiva Delaware, em Nova Jersey, nos Estados Unidos, avaliou a dieta de 120 mulheres que estavam fazendo tratamento de fertilização in vitro e concluiu que, quando a ingestão de proteína era superior a 25% da dieta e a de carboidratos inferior a 40%, a taxa de gravidez clínica subia para 80%. Mas, cuidado, cortar totalmente os carboidratos também não é saudável.

"Uma dieta balanceada é o ideal. Reduzir carboidrato e gordura pode ajudar aquela mulher com obesidade e sobrepeso a ovular melhor e engravidar", afirma Alfonso Massaguer, ginecologista e obstetra, professor responsável pelo curso de reprodução humana da FMU (Faculdades Metropolitanas Unidas) e diretor clínico da Clínica Mãe, ambas em São Paulo.

Estar em dia com a balança é importante para quem quer engravidar. "Existe uma relação entre quantidade de alimento disponível e fertilidade. Quando há excesso ou falta de alimento, há um desequilíbrio do organismo, e os hormônios da ovulação não são produzidos adequadamente. Perder 5% de peso já gera um impacto positivo", afirma Gustavo Arantes Rosa Maciel, ginecologista do laboratório Fleury Medicina e Saúde.

Alimentos orgânicos

Quanto mais natural melhor, porque alimentos que contêm agrotóxicos e outras substâncias químicas e industrializadas podem piorar a fertilidade. Um estudo da Escola de Saúde Pública da Universidade Harvard, nos Estados Unidos, feito com mais de 18 mil mulheres, mostrou que, para cada 2% de aumento no consumo de gorduras trans, houve um aumento de 73% no risco de infertilidade ovulatória.

No caso dos produtos com agrotóxicos, o problema são as dioxinas, presentes em herbicidas e inseticidas. "A dioxina afeta a fertilidade, isso é comprovado cientificamente. Os alimentos orgânicos têm um espaço interessante, porque não contêm substâncias presentes naqueles produzidos em larga escala com agrotóxicos", diz Gustavo Arantes Rosa Maciel. O preço desse tipo de produto ainda é elevado no Brasil, mas uma boa alternativa é comprar diretamente dos produtores.

Acupuntura

Usada de rotina em outros países, essa terapia complementar ajuda a aliviar as tensões de quem está tentando engravidar e, consequentemente, tem um impacto positivo na fertilidade. "A ansiedade e o estresse aumentam a quantidade de cortisol no sangue, o que prejudica o perfil ovulatório", declara Gustavo Arantes Rosa Marciel. Uma pesquisa do Instituto Christian Lauritzen, na Alemanha, acompanhou 160 mulheres em tratamento de reprodução assistida e constatou que 42,5% das que fizeram acupuntura conseguiram engravidar. No grupo das que não fizeram, apenas 26,3% engravidaram.

A prática também pode melhorar a vascularização do útero. "Estudos clínicos demonstraram que pacientes portadoras de infertilidade primária, com síndrome de ovários policísticos e com aumento do nível de testosterona, após o tratamento de três meses com acupuntura, tiveram melhora do fluxo menstrual e aumento da espessura do endométrio, demonstrando o efeito da técnica no eixo hipotálamo-hipófise-ovário", afirma Arnaldo Schizzi Cambiaghi em seu livro “Fertilidade Natural” (LaVidapress).

Sol (vitamina D)

Muitas pesquisas já mostraram que a vitamina D, presente nos raios solares, tem uma função importante na concepção. Um estudo feito no Hospital Maggiore Policlinico, na Itália, neste ano, avaliou o sucesso da fertilização in vitro em 181 mulheres com níveis bons de vitamina D e 154 mulheres com níveis baixos da vitamina e concluiu que o primeiro grupo tinha quase o dobro de chance de engravidar do que o segundo.

"A vitamina D é necessária para a produção de hormônios responsáveis pela ovulação e por isso  afeta a fertilidade", diz Gustavo Arantes Rosa Maciel.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Folha de S. Paulo
BBC
Folha de S. Paulo
BBC
do UOL
Maternar
It Mãe
Guia do Bebê
AFP
Guia do Bebê
BBC
do UOL
Folha de S. Paulo
Me Poupe
Maternar
Disney Babble
Opera Mundi
do UOL
Gizmodo
Viagem
do UOL
BBC
Erratas
NE10
Topo