Gestação

Desejo sexual pode oscilar durante a gestação; confira depoimentos

Getty Images
Sexo na gravidez é saudável, desde que o médico autorize Imagem: Getty Images

Rita Trevisan e Simone Cunha

Do UOL, em São Paulo

26/12/2014 07h07


Na gravidez, uma série de transformações fisiológicas e emocionais ocorre e o casal precisa adaptar-se a elas. No entanto, o período não exige abstinência e, assim como o desejo não cessa, as relações sexuais também podem continuar acontecendo durante os nove meses.

"Não há contraindicações, exceto se o médico der um diagnóstico de gravidez de risco. Cada caso é único e o obstetra deve orientar se as relações sexuais podem ou não ser mantidas e com quais cuidados", afirma a psiquiatra Carmita Abdo, coordenadora do ProSex (Projeto Sexualidade), do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (Universidade de São Paulo).

De acordo com Carmita, o período gestacional pode ser dividido em três etapas. Nos primeiros três meses, a mulher sente-se menos interessante e, em geral, fica mais vulnerável, por conta de náuseas, cólicas e sono excessivo. “O sexo pode acontecer nessa fase, mas a libido tende a diminuir”, explica. Isso ocorre, inclusive, pela questão hormonal. Afinal, há uma produção excessiva de progesterona, que causa sintomas muito semelhantes aos da tensão pré-menstrual. "A gestante pode sentir desconforto, o que faz com que fique menos disposta para o sexo", diz.

A zootecnista Suellen Sobrinho França Mattos, de 26 anos, está com 22 semanas de gestação e conta que, nos primeiros meses, sentiu-se menos desejada. "Mas entendo que foi coisa da minha cabeça. Nessa fase, o desejo continuou existindo, mas a regularidade diminuiu um pouco", lembra.

A ideia de se sentir menos sexy aos olhos do parceiro é algo comum, por causa das mudanças que ocorrem no corpo da mulher. Além disso, com a instabilidade hormonal, a gestante pode ficar ainda mais sensível.

"Considere o fato de que a maioria das pacientes desconhece sua própria anatomia, o que as leva a acreditar que a relação sexual poderá machucar o bebê", afirma Newton Eduardo Busso, obstetra e professor da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo. O médico esclarece que vagina e útero são órgãos vizinhos e que a penetração não interfere no desenvolvimento do bebê.

Segundo trimestre: a fase boa

Passado o turbilhão de emoções do início, a gestante entra em uma etapa mais tranquila, até mesmo para o sexo. “É a melhor fase, em que a mulher geralmente está se sentindo bem, mais segura com a gestação e, consequentemente, mais relaxada. A relação sexual costuma fluir melhor”, diz Eduardo Slotnik, obstetra do Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo.

Nesse período, a variação de posições tende a diminuir, porque a grávida vai, pouco a pouco, reduzindo sua mobilidade. “Uma das melhores posições é a de lado, com um travesseiro como apoio”, diz Slotnik. Suellen concorda: “As posições de lado ou por cima são as mais confortáveis para mim”.

Segundo Carmita, tentar manter o vínculo, por meio da relação sexual, é bem positivo ao casal, em todas as fases. “No entanto, 1/3 dos homens costumam sofrer uma perda temporária de interesse pela grávida”, afirma. Nesse caso, o marido passa a enxergar sua parceira com um olhar mais maternal e ele próprio pode abdicar do sexo, para não perturbá-la. “Em uma situação assim, se a mulher mantém o desejo, deve procurar dialogar e tentar um acordo", diz a psiquiatra.

Com a desempregada Jacqueline Campos dos Santos, de 24 anos, ocorreu o inverso. "Fui muito desejada na gravidez inteira, meu marido dizia que eu estava linda com a barriga crescendo", conta ela, que, atualmente, está na 36ª semana de gestação.

A supervisora administrativa Tatiane Marques Angelini Matos, de 30 anos, que está na 34ª semana, também não sentiu diferença no tratamento recebido por parte do marido. E relata ter percebido o próprio desejo aumentar durante a gravidez. Porém, como ela já tem histórico de abortos anteriores, a relação sexual não foi liberada, como uma precaução. “Mesmo assim, buscamos outras formas de nos satisfazer, sem a penetração. Eu e meu marido lidamos bem com a situação”, afirma.

Terceiro trimestre: novos desafios

Com o barrigão, a dificuldade de se movimentar diminui ainda mais. “A relação sexual continua liberada até o final da gestação, exceto se houver algum risco, como a possibilidade de um parto prematuro. O difícil é encontrar posição confortável”, comenta Busso. 

Foi exatamente por esse motivo que Jacqueline suspendeu as relações sexuais, há poucos dias. “Continuo com desejo, só que agora que a minha barriga está grande demais, fica difícil encontrar uma boa posição e curtir”, afirma. 

A ansiedade pela chegada do parto também pode atrapalhar. No entanto, é preciso considerar que, se o sexo for prazeroso e ambos estiverem envolvidos, a experiência poderá ajudar a relaxar.
 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Estilo
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Estilo
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Especiais
do UOL
do UOL
UOL Estilo
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Comportamento
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Estilo
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo