Adolescência

Adolescente nem sempre percebe que vive namoro violento

Getty Images
A violência no namoro tem impactos para a saúde física e emocional do adolescente Imagem: Getty Images

Marina Oliveira e Maísa Correia

Do UOL, em São Paulo

13/01/2015 07h25

A violência nas relações amorosas já foi tema de novela, de programas de TV e, frequentemente, é assunto dos noticiários, mas se engana quem pensa que esse tipo de problema atinge apenas adultos. Estudos apontam que a violência também é frequente nas relações entre adolescentes.

Segundo pesquisa divulgada no livro “Amor e Violência: Um Paradoxo das Relações de Namoro e do Ficar entre Jovens Brasileiros” (editora Fiocruz), 86,9% dos entrevistados com idade entre 15 e 19 anos declararam ter sido vítimas de violência. O estudo foi feito em 2011, com 3.200 jovens de escolas públicas e particulares, em dez capitais brasileiras. No grupo, 86,8% assumiram que foram responsáveis por algum tipo de agressão durante o relacionamento.

No mesmo levantamento, 76,6% das garotas entrevistadas declararam sofrer e praticar algum tipo de violência simultaneamente, o que indica que o comportamento agressivo em jovens independe do gênero.

“O nosso grau de tolerância se dá de acordo com o ambiente em que vivemos. Nossos índices de violência são assustadores e isso está espelhado na forma como nos relacionamos”, declara o psicólogo Armando Ribeiro, docente no Ambulatório de Ansiedade do Instituto de Psiquiatria da USP (Universidade de São Paulo).

Em 2014, uma pesquisa feita pelo Instituto Avon e o Data Popular, com 2.046 jovens de 16 a 24 anos, de todas as regiões do país, mostrou que, muitas vezes, os jovens não percebem atitudes violentas no namoro.

Thinkstock

Quando questionados se já praticaram ou sofreram algum tipo de violência a dois, apenas 8% responderam que sim. No entanto, depois que a pesquisa listou os comportamentos considerados agressivos, 66% das mulheres responderam que sofreram algum deles e 55% dos homens assumiram ter praticado um ou mais dos atos citados no estudo.

O dado é importante para esclarecer que, embora a violência seja mais associada a agressões físicas, um namoro violento não é somente aquele em que tapas, puxões de cabelo, empurrões, socos e chutes são frequentes.

“A violência na relação existe quando uma pessoa exerce poder e controle sobre a outra, com o objetivo de obter o que deseja”, diz a psicóloga Dilma Cupti de Medeiros, porta-voz da campanha Gentileza no Namoro, promovida pela Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro.

Ofender, xingar, humilhar, ameaçar ou intimidar o par são formas de exercer violência psicológica. Forçar carícias ou precipitar uma relação sexual, principalmente quando um dos jovens é virgem, é considerado violência sexual.

Há, também, a violência moral, que se tornou bastante comum em tempos de internet e redes sociais. “É quando o jovem denigre a imagem do outro socialmente, envergonha-o em público ou, ainda, proíbe-o de sair ou de conviver com determinados amigos”, afirma a psicóloga Triana Portal, especializada em psicologia clínica pela USP.

Todas essas formas de violência podem coexistir em um namoro entre jovens e, pior, tendem a evoluir. Isso significa que o grito de hoje pode se tornar o tapa de amanhã. No entanto, o adolescente pode não perceber esse processo e, como consequência, não saber se proteger adequadamente.

“Muitas das atitudes violentas são confundidas com manifestações de amor. E, se para os adultos é difícil romper com o ciclo de violência, imagine para um casal de adolescentes iniciando uma relação amorosa, em uma fase em que ser aceito pelo grupo é fundamental para a formação da identidade”, afirma Dilma, da Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro.

Sinais da violência

A violência no namoro tem impactos para a saúde física e emocional dos jovens e pode resultar em baixa autoestima, ansiedade, depressão, estresse, perda de cabelo, problemas digestivos, entre outros. No entanto, algumas ações dos adolescentes indicam que a relação amorosa está saindo do controle, o que permite a intervenção dos pais.

“Os pais precisam ficar atentos se o filho apresentar tristeza, isolamento, se ficar calado, distante, incomunicável, começar a evitar falar do relacionamento, demonstrar dificuldades na escola ou se já não for mais ativo como antes", diz o psicólogo Ribeiro, da USP. Oscilações de humor, comportamento explosivo e mudanças de padrão de sono e de apetite também devem chamar a atenção.

Ao perceber que o filho pratica algum tipo de agressão ou é agredido, é preciso chamá-lo para uma conversa. “O filho agressor também tem problemas. A agressividade é um sintoma, a expressão de um conflito. Esse jovem precisa de ajuda, às vezes, não só dos pais, mas de profissionais”, diz a psicóloga.

O nível de interferência dependerá da gravidade da situação. Em alguns casos, é aconselhável envolver a escola e também os pais da pessoa com quem o filho está se relacionando.

"Desfazer o tabu e conversar sobre as diversas formas de violência que podem ocorrer nos relacionamentos é a melhor forma de prevenir e enfrentar o problema. Os pais devem promover reflexões sobre a importância da gentileza para a construção de relações pessoais mais saudáveis”, declara Dilma.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
Comportamento
ESPNW
Redação
Redação
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Gravidez e Filhos
do UOL
Vya Estelar
do UOL
do UOL
Revista Ana Maria
BBC
UOL Cinema
Folha de S. Paulo
UOL Educação - BBC
do UOL
Folha de S. Paulo
Folha de S. Paulo
Folha de S. Paulo
Disney Babble
BBC
do UOL
Folha de S. Paulo
do UOL
Redação
UOL Notícias - Educação - Enem
do UOL
Redação
do UOL
do UOL
Guia do Bebê
BBC
Estadão Conteúdo
Disney Babble
do UOL
Topo