Bebês

Estudo revela que bebês prematuros superam a asma

Thinkstock
Imagem: Thinkstock

Nicholas Bakalar

Do The New York Times

24/02/2015 08h23

Os pais de recém-nascidos prematuros se preocupam com muitas questões, inclusive com o aumento do risco de asma. Todavia, um estudo dinamarquês descobriu que a asma, doença comum entre os bebês prematuros, desaparece quando eles ficam mais velhos. Quando essas crianças atingem a fase adulta, o risco de terem asma se iguala em relação aos que nasceram de uma gestação a termo (bebês nascidos entre a 39ª e a 41ª semana).

Os pesquisadores avaliaram dados de nascimento e saúde de 1,8 milhão de pessoas nascidas entre 1980 e 2009 e examinaram a idade gestacional e os problemas respiratórios na fase neonatal.

Publicado no periódico "PLOS One", o estudo descobriu que 27% dos recém-nascidos que nasceram com menos de 27 semanas precisaram de medicação contra a asma na infância em comparação com 18% das crianças nascidas de 28 a 31 semanas, 13% das nascidas de 32 a 36 semanas e 9% das nascidas a termo.

Todavia, após considerar os fatores nível socioeconômico, asma materna, nascimentos múltiplos, entre outros, os pesquisadores descobriram que a associação tinha diminuído durante a adolescência. Além disso, na fase adulta, os prematuros que precisavam de medicamentos eram 2,4% em comparação com 2,1% dos nascidos a termo – diferença considerada desprezível do ponto de vista clínico.

"Cada vez mais bebês nascem prematuros e não sabemos o que realmente ocorre quando ficam mais velhos. Todavia, seus pulmões são bastante saudáveis até os 31 anos. É possível que as diferenças fiquem mais evidentes com o avanço da idade", afirmou Anne Louise Damgaard, principal autora do estudo e pesquisadora da Universidade de Copenhague.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
UOL Estilo
UOL Estilo
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
Gravidez e Filhos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Estadão Conteúdo
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Gravidez e Filhos
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Gravidez e Filhos
do UOL
do UOL
ItMãe
Topo