Bebês

Leite materno facilita transição para alimentos sólidos, diz estudo

Getty Images
Bebê que só mama no peito tem organismo mais preparado para alimentação sólida Imagem: Getty Images

Do UOL, em São Paulo

12/03/2015 17h20

 

Além de colaborar para a formação do sistema imunológico do bebê, o leite materno facilita a transição da dieta líquida para a sólida. É o que concluiu um novo estudo realizado por pesquisadores da UNC (Universidade da Carolina do Norte), nos Estados Unidos, e que foi publicado no periódico americano "Frontiers in Microbiology Cellular and Infection".

Segundo os pesquisadores, a alimentação nos primeiros meses de vida influencia profundamente na composição, diversidade e estabilidade do microbioma (conjunto de bactérias) intestinal dos bebês, o que tem relação direta com a capacidade das crianças de se adaptarem aos alimentos sólidos com facilidade.

Para esse estudo, a equipe coletou amostras de fezes e informações sobre a alimentação e a saúde de nove bebês, desde que eles tinham duas semanas de idade até 14 meses. A partir da análise desse material, descobriu-se os tipos e as funções das bactérias no intestino.

O estudo revelou que, durante os primeiros meses de vida, havia diferenças claras entre os microbiomas dos bebês que foram amamentados, exclusivamente, com leite materno e os que receberam leite materno e fórmulas artificiais.

De acordo com a professora-assistente do Departamento de Biologia Celular da UNC e principal autora do estudo, Andrea Azcarate-Peril, os bebês que são alimentados somente com leite materno têm comunidades microbianas que os deixam mais prontos para a introdução de alimentos sólidos.

Como a transição para os alimentos sólidos é muito mais difícil para os bebês que também se alimentam com fórmulas, os pesquisadores concluíram que os microbiomas deles contribuem para que tenham mais dores de estômago e cólicas.

A descoberta reforça a recomendação da OMS (Organização Mundial da Saúde) para que a mãe amamente seu filho, exclusivamente, até os seis meses de vida. Com base nos dados, os pesquisadores constataram que a inclusão da fórmula na alimentação pode ser responsável por alterar as bactérias do intestino.

O que surpreendeu os estudiosos foram as diferenças genéticas drásticas em amostras de fezes colhidas depois que esses bebês começaram a comer alimentos sólidos. Eles descobriram que os microbiomas dos amamentados exclusivamente por leite materno tendiam a ser menos diversificados e foram dominados pela Bifidobacterium, um tipo de bactéria probiótica benéfica para a digestão, enquanto as crianças alimentadas com leite materno e fórmula tinham uma proporção menor desse probiótico.

A descoberta do estudo sugere que o microbioma intestinal desempenha papel importante na capacidade do bebê de digestão dos alimentos. Ele também é capaz de influenciar a saúde a longo prazo.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
UOL Estilo
UOL Estilo
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
Gravidez e Filhos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Estadão Conteúdo
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Gravidez e Filhos
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Gravidez e Filhos
do UOL
do UOL
ItMãe
Topo