Gestação

Kate não teme ultrapassar as 40 semanas de gravidez; ela está certa

Mark Cuthbert/Getty Images
Na imagem, Kate Middleton comparece a evento em Westminster no mês de março Imagem: Mark Cuthbert/Getty Images

Thamires Andrade

Do UOL, em São Paulo

28/04/2015 15h12

A imprensa e os fãs já acampam em frente da maternidade St. Mary's, no oeste de Londres, à espera do nascimento do segundo filho de Kate Middleton e do príncipe William. De acordo com a imprensa internacional, o bebê real está "atrasado", pois a duquesa de Cambridge teria completado 40 semanas de gestação, na semana passada, e entraria na 41ª semana, nesta quinta-feira (30). Kate optou por esperar pelo parto, para ter o bebê por via natural –assim como aconteceu com o primogênito, George, em julho de 2013.  

De acordo com a OMS (Organização Mundial de Saúde), a gestação a termo (duração saudável e esperada para o período gestacional) varia de 37 a 41 semanas. "Antes, a recomendação era esperar até a 42ª semana, no entanto, observou-se que os problemas com a diminuição do líquido amniótico eram mais recorrentes", afirma Patricia de Rossi, professora da Universidade Uninove e obstetra e ginecologista do hospital do Mandaqui, ambos em São Paulo.

A despeito da recomendação da OMS, há médicos que, dependendo do caso, esperam até a 42ª semana. Segundo Patricia, no entanto, é preciso avaliar os riscos e as condições tanto da gestante quanto do bebê. "A diminuição do líquido amniótico mostra que a placenta não está funcionando da forma correta, portanto, a nutrição desse feto pode ser comprometida", diz a obstetra.

No caso de Kate, que ainda estaria no período de gestação considerado seguro pela OMS, os médicos devem iniciar um controle de vigilância fetal a partir desta semana. "Esse controle é feito para monitorar o bem-estar do feto por meio do exame de cardiotocografia, que registra os batimentos cardíacos do bebê, além de uma ultrassonografia para medir o nível de líquido amniótico e o funcionamento da placenta", declara Patricia.

A indicação é que esses exames sejam feitos, em média, a cada dois dias. "Essa é a recomendação para uma gestante saudável. Caso a mulher tenha alguma doença de risco, como diabetes e pressão alta, os médicos não recomendam ultrapassar a 40ª semana nem com todo esse acompanhamento."

O resultado dessas avaliações ajudará a descobrir se o bebê está em sofrimento fetal. "Isso acontece quando a criança não está recebendo nutrientes e oxigênio na quantidade necessária. A situação é séria, mas gradativa, portanto, com acompanhamento adequado, fica mais fácil evitá-la", declara Patricia.

Interrupção da gestação

Para interromper a gestação e induzir o parto, são levados em consideração a saúde do bebê, da paciente e seu histórico obstétrico. "A forma menos invasiva é induzir o parto normal. Para isso, o especialista fornece, via injeção venosa, a dose adequada de ocitocina (hormônio produzido durante o trabalho de parto) para estimular as contrações e seguir o trabalho de parto", afirma a obstetra.

Patricia avalia que essa seria a melhor forma de interrupção para Kate, caso seja necessário. "Ela, provavelmente, é uma grávida saudável e já teve parto normal. Esse seria o melhor modo para que o bebê dela nascesse."

Já para as gestantes que tiveram um parto anterior via cesárea, Patricia não indica a indução do parto normal com ocitocina. Ela destaca que a recomendação não é um consenso entre a classe médica, mas reitera que a maioria dos protocolos das sociedades médicas brasileiras segue essa diretriz. "O risco é que as contrações possam forçar a cicatriz da cesárea e provocar uma rotura (rompimento) uterina", afirma a ginecologista.

Outra situação que também pode acontecer, segundo a obstetra, é a falha na indução do trabalho de parto. "O médico pode fornecer o hormônio para a gestante e ele não desencadear o trabalho de parto. Nesse caso, a opção passa a ser o parto via cesárea", afirma.

 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

do UOL
Blog Lado B
do UOL
do UOL
Blog Lado B
Redação
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Estilo
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Estilo
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Estilo
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Especiais
do UOL
do UOL
UOL Estilo
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo