Gravidez e filhos

Aos seis meses de gravidez e treinando, atleta do vôlei sonha com Rio 2016

Divulgação/Praia
Já no início da gravidez, Tandara em ação em jogo da Superliga Feminina deste ano Imagem: Divulgação/Praia

Por Amanda Sandoval e Carol Salles

Do UOL, em São Paulo

03/06/2015 07h10

A primeira filha da jogadora de vôlei Tandara Caixeta, que jogou a última Superliga Feminina pelo Dentil/Praia Clube, de Uberlândia (MG), deve nascer em setembro, mas a ponteira quer estar de volta às quadras o mais rápido que puder. "Estou tentando não engordar muito para voltar logo, porque pretendo jogar a Superliga 2015/2016 (que começa em outubro e termina em abril) e  estar na seleção brasileira para jogar as Olimpíadas de 2016, no Rio." A atleta, que está no sexto mês de gestação, segue com seus treinos físicos (musculação combinada a exercícios aeróbicos) e até o quarto mês entrou em quadra para defender seu time. 

Arquivo pessoal
Tandara pretende voltar às quadras no fim do ano para se preparar para as Olimpíadas Imagem: Arquivo pessoal

Em um primeiro momento, a ideia de uma atleta seguir competindo pode parecer incompatível com a gravidez, mas não há nada que impeça Tandara de seguir com sua rotina, como em qualquer outra profissão. “Ao descobrir que está grávida, a maioria das mulheres, inclusive as atletas, não tem de mudar a rotina totalmente. Muitas vezes, pequenas adaptações bastam”, diz o ginecologista e obstetra Eduardo Zlotnik, do Hospital Israelita Albert Einstein, doutor em ginecologia pelo Departamento de Obstetrícia e Ginecologia do Hospital das Clínicas da Faculdade Medicina da USP (Universidade de São Paulo).

Por coincidência, uma colega de equipe da ponteira engravidou quase na mesma época e também de uma menina. A levantadora Karine Guerra, 35, está no sétimo mês. Afastada das quadras desde o quarto mês, ela também segue se exercitando para manter o condicionamento físico. “De modo geral, não há nenhum motivo para preocupação em relação a atividades físicas na gravidez de atletas de ponta. O corpo tem as condições ideais para se adaptar sem dificuldades às alterações fisiológicas que surgem e conciliá-las com o esporte, sem perder em performance”, diz a ginecologista e obstetra de Tandara, Silvia Helena Caires de Oliveira.

Francine Guerra / Divulgação
A levantadora Karine Guerra espera uma menina para meados de agosto Imagem: Francine Guerra / Divulgação

A principal modificação tanto na rotina de Tandara quanto na de Karine, desde que se descobriram grávidas, foi principalmente a diminuição dos treinos com bola até a restrição total. “Embora a musculatura do útero e o líquido amniótico garantam uma importante proteção contra impactos, é preciso tomar cuidado com traumas fortes sobre o abdômen”, declara Silvia.

Já a diminuição do esforço entre o segundo e o terceiro trimestre de gestação é considerada normal. “A partir daí, o ganho de peso e o risco de trauma pelo tamanho da barriga podem predispor a quedas e acidentes. O ideal é diminuir  ou suspender temporariamente as atividades até o parto”, diz a ginecologista e obstetra Camila Massutani, também do Hospital Israelita Albert Einstein.

Dieta menos restritiva

Outra mudança importante que as duas atletas fizeram foi com relação à alimentação. Elas já tinham uma dieta regrada, mas também restritiva, para a manutenção do peso. Por isso, ambas precisaram comer mais no início da gestação. “Nos primeiros três meses, o objetivo é aumentar a ingestão de nutrientes, não necessariamente com mais calorias. Para Tandara, também aumentei o consumo de fibras, que ajudam no funcionamento do intestino. Além disso, recomendei que bebesse muita água. Aliás, em qualquer gestação, a hidratação adequada é muito importante”, diz Melissa Antoun, obstetra e nutróloga que acompanha a jogadora.

“Já no segundo trimestre, aumentamos o consumo de calorias saudáveis, de alimentos ricos em gorduras boas. Também incluí no cardápio dela algumas especiarias, como canela e açafrão, que regulam a liberação de insulina e diminuem a vontade de comer doces”, explica a nutróloga. A dieta de Karine seguiu mais ou menos pelo mesmo caminho. “Também tenho procurado evitar industrializados e comer de maneira mais saudável”, fala a atleta.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Gravidez e Filhos
Redação
do UOL
Redação
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Erratas
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Gravidez e Filhos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo