Gravidez e filhos

Crianças e adolescentes também podem ter TOC; saiba identificar os sintomas

Getty Images
Excesso de ordem ou limpeza e medo de contaminação são alguns dos sinais da doença Imagem: Getty Images

Andrezza Czech

Do UOL, em São Paulo

28/07/2015 08h00

Comportamentos repetitivos, como querer levar sempre o mesmo brinquedo para o banho ou preferir que os alimentos sejam organizados no prato, são característicos de algumas fases do desenvolvimento infantil. Mas, se a não realização de certos rituais do dia a dia começar a causar sofrimento, interferir nas atividades ou tomar muito tempo do dia da criança, pode ser que ela tenha TOC (transtorno obsessivo-compulsivo), um distúrbio psiquiátrico de ansiedade, que se manifesta pela presença de obsessões e/ou compulsões.

O aparecimento do transtorno na infância e na adolescência é mais comum do que se imagina, principalmente entre o sexo masculino. Segundo a psiquiatra Roseli Shavitt, coordenadora do Protoc (Programa Transtornos do Espectro Obsessivo-Compulsivo) do IPq-HCFMUSP (Instituto de Psiquiatria da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo), cerca de 80% dos casos de TOC tratados na fase adulta se iniciaram antes dos 18 anos, mesmo que de forma mais leve.

"Essa doença começa a aparecer quando a pessoa é muito jovem. No caso dos meninos, o início, normalmente, acontece antes dos dez anos. Entre as meninas,  é mais comum no final da adolescência e início da vida adulta", afirma a especialista.

Pesquisas indicam que o transtorno atinge entre 1,9% e 4% das crianças e adolescentes, mas o psiquiatra Vladimir Bernik, coordenador da equipe de psiquiatria do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, de São Paulo, diz ser muito difícil precisar quantos têm a doença, pois os pais costumam perceber os sintomas tardiamente.

De acordo com a psiquiatra Renata Bataglin, do Hospital e Maternidade São Luiz Anália Franco, também na capital paulista, não há um consenso sobre como determinar quando se dá o aparecimento do TOC. "A maioria dos estudos considera o surgimento dos sintomas como a idade de início do transtorno. Outros consideram o começo a partir do incômodo causado pelos sintomas ou da primeira vez em que o paciente procurou ajuda profissional."

Quais as causas?

O TOC acontece devido a alterações autônomas no funcionamento de algumas regiões do cérebro. Um estudo, publicado em 2000 no jornal "Archives of General Psychiatry", mostrou que, enquanto o índice da população com o transtorno é de 2,7%, entre pessoas que têm familiares com a doença, o nível sobe para 11,7%. A pesquisa mostra, ainda, que o período de maior risco para que o TOC surja começa na infância e vai até meados da fase adulta.

De acordo com Bernik, além da hereditariedade, a incidência dos sintomas pode aumentar quando a criança recebe, desde cedo, uma educação muito rígida. Fatores traumáticos, como a separação dos pais, casos de abusos, bullying na escola ou a ocorrência de alguma doença grave na família, podem desencadear a doença, se a criança tiver um fator genético associado, explica Renata.

Getty Images

Como saber se o filho tem TOC?

A psiquiatra afirma que rituais e superstições são normais em algumas fases do desenvolvimento infantil. "É importante reconhecer se eles interferem no comportamento da criança, aumentam de frequência ou de intensidade e se tornam patológicos", diz Renata.

Para saber se seu filho pode ter algum transtorno obsessivo-compulsivo, a psiquiatra Roseli Shavitt recomenda a utilização de três critérios. O primeiro é observar o tempo que ele gasta com isso ou o quanto se queixa de ter pensamentos obsessivos ou repetitivos. O segundo ponto a analisar é a interferência desse problema na vida dele, por exemplo, verificar se deixa de fazer algo por conta dos sintomas. E o terceiro critério é tentar notar se esses comportamentos repetitivos lhe trazem sofrimento.

De acordo com Bernik, alguns sinais desse tipo de distúrbio são: tiques, excesso de ordem ou limpeza, medo de contaminação, hábito de arrancar os cabelos, repetição de atos e excesso de preocupação com o próprio corpo, o que leva a encontrar nele anomalias que não existem.

"Crianças e adolescentes apresentam, mais frequentemente, obsessões de contaminação, sexuais, de religiosidade e o medo de se ferir ou de machucar os outros. Já as compulsões mais comuns nessas fases são as de lavagem, repetição, checagem e rituais de tocar em objetos ou pessoas", conta Renata Bataglin.

De acordo com a psiquiatra, a diferença entre obsessão e compulsão é que, no primeiro caso, ocorrem pensamentos, ideias, impulsos e imagens vivenciados como intrusivos e incômodos. As compulsões são os comportamentos ou atos mentais repetitivos, realizados para diminuir o sofrimento causado pelas obsessões ou para evitar que uma situação temida ocorra. "Na infância, as compulsões comumente antecedem o início das obsessões", afirma.

É preciso ficar muito atento para identificar o TOC nas crianças e adolescentes. Segundo Bernik, é comum que o diagnóstico só aconteça dez anos após a doença ter começado a se manifestar, pois os pais acabam levando os filhos ao médico apenas quando os sintomas já estão muito fortes.

Como é o tratamento?

É essencial levar o filho com suspeita de TOC a um psiquiatra, para que ele possa indicar o tratamento mais adequado. A forma com que os pais lidam com os sintomas também é fundamental para a melhora do transtorno. É comum que, na tentativa de ajudar o filho a sofrer menos com o problema, a família acabe embarcando nos rituais. "Eles não podem ser cúmplices, precisam desencorajar a criança ou o jovem de fazer os rituais, ou o prognóstico da criança piora", diz a psiquiatra Roseli Shavitt.

O tratamento do TOC não é rápido e leva, pelo menos, 12 semanas para trazer sinais de melhora. Dá-se prioridade para a psicoterapia, mais especificamente para a terapia cognitivo-comportamental. Também é necessário o uso de medicamentos, como os antidepressivos do tipo ISRS (inibidores seletivos de recaptação de serotonina). "A medicação deve ser usada na dose certa e pelo tempo indicado. É comum encontrarmos resistência da própria criança e dos familiares, e isso influencia no sucesso do tratamento", explica Renata Bataglin.

Ela afirma que a doença pode prejudicar o desenvolvimento do paciente. “Crianças e adolescentes com TOC podem ter problemas para se relacionar com as pessoas, sentem-se inseguros longe da família e não conseguem se tornar independentes. A associação do tratamento medicamentoso com a psicoterapia traz uma grande melhora dos sintomas e, consequentemente, da qualidade de vida do paciente”, diz.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Gravidez e Filhos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo