Gravidez e filhos

Após parto normal no SUS, mulher cria vaquinha para parir em casa

Reprodução/Facebook
Everton, Flora e Thais posam para divulgar a campanha de financiamento coletivo Imagem: Reprodução/Facebook

Thamires Andrade

Do UOL, em São Paulo

29/09/2015 12h39

 

Após um parto normal em um hospital público paulistano, a pedagoga Thais Silva Rodrigues, 25, resolveu criar um financiamento coletivo para que pudesse dar à luz sua segunda filha, Luna, em casa. "Depois de tudo o que aconteceu no nascimento da minha primeira filha, começamos a nos informar sobre parto humanizado domiciliar e decidimos que nosso próximo filho viria ao mundo assim, pois eu e meu marido, Everton, acreditamos muito nessa nova forma de nascer", conta.

A decisão de parir longe do hospital veio pelas diversas intervenções que a pedagoga sofreu há um ano e seis meses no nascimento da primogênita, Flora. "Meu marido não participou do pré-parto, fiquei por duas horas sozinha lá dentro e as enfermeiras falavam que ele estava nervoso, o que acabou me deixando tensa também. Eles estouraram a minha bolsa e injetaram ocitocina sintética (hormônio) para acelerar o trabalho de parto", fala.

Além disso, segundo Thais, a enfermeira obstétrica aplicou a anestesia mesmo contra a vontade do casal. "Ela disse que tinha de dar para o caso de haver necessidade de uma episiotomia (corte entre a vagina e o ânus, que teria função de facilitar a passagem da criança), e nós sabemos que esse procedimento não é necessário", afirma.

"Só fui ver minha filha cinco horas depois do parto, ela não veio para mamar e descobri que os médicos a puxaram com tanta força que ela quebrou a clavícula ", diz Thais.

"Queria ter a Flora na casa de parto do hospital Sapopemba (na zona leste de São Paulo), que é referência em parto humanizado, mas como testei positivo para a bactéria Streptococcus B, eles precisaram me transferir para outra instituição, que foi onde tudo isso aconteceu."

De acordo com Sérgio Peixoto, presidente da Comissão Pré-Natal da Febrasgo (Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia), 5% das mulheres são portadoras dessa bactéria, que pode ser transmitida para o bebê quando ele passa pelo canal vaginal. "A identificação desse microrganismo deve ser feita na 35ª semana de gestação e, caso o teste dê positivo, a mãe deverá receber tratamento com penicilina uma hora antes da cesárea ou durante todo o trabalho de parto normal", explica.

A administração do medicamento previne a contaminação da criança e diminui o risco que ela desenvolva uma brônquio pneumonia neonatal. "Geralmente, o recém-nascido nasce bem e a bactéria vai se multiplicando. Vinte e quatro horas depois do parto, acontece a manifestação clínica, que é a brônquio pneumonia, uma doença infecciosa que aumenta o risco de morte do bebê", diz Peixoto.

Orçamento e custo da "vaquinha"

Ao buscar informações para ter um parto domiciliar, Thais percebeu que essa forma de nascer ainda é muito cara e elitizada. "Só quem tem muito dinheiro pode pagar e consegue ter o parto em casa. Como nós não dispomos de recursos, resolvemos criar uma vaquinha para que os amigos e familiares pudessem nos ajudar. Já que queremos esse parto, temos de lutar por ele", afirma a pedagoga.

O orçamento do procedimento é de R$ 5.500. "Esse é apenas o valor do parto, fora o material (como gaze ou piscina inflável, para alívio das contrações) que precisa ser comprado e as consultas pré-natais com a parteira. Tudo fica em torno de R$ 7.000", fala Thais, que está com 31 semanas de gestação (Luna deve nascer em novembro). Até o fechamento desta reportagem, o financiamento coletivo tinha arrecadado R$ 1.350. A previsão é alcançar o montante necessário até 25 de outubro.

Segundo Thais, a partir do compartilhamento dos familiares, amigos e da doula que a acompanha, várias pessoas que eles nem conhecem começaram a ajudar na causa. "Tem gente ajudando por causa da nossa história", fala.

Para dar destaque à campanha, Thais e o marido tiveram a ideia de criar o debate on-line "Existe Nascimento Ideal?", que será realizado nesta terça-feira (29), às 19h. "Vão participar duas doulas, uma psicóloga e o cantor Leone", conta.

Cheia de esperança, Thais diz acreditar que eles atingirão a meta. "Vou fazer um plano de parto domiciliar e hospitalar e, se não conseguirmos o dinheiro necessário, a opção será alguns dos hospitais próximos de casa que estou pesquisando."

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
Blog Lado B
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Blog Lado B
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo