Gravidez e filhos

Embora assuste os pais, desmaio em bebês costuma ser normal e inofensivo

Getty Images
Desmaios são comuns em bebês de seis meses a três anos Imagem: Getty Images

Do UOL, em São Paulo

01/10/2015 11h32

 

A jornalista Juliana Bussab, de São Paulo, mãe de Mariana, 2 anos, ficou bastante assustada ao presenciar uma série de desmaios da filha. Tanto que chegou a fazer uma postagem no Facebook alertando outros pais sobre o problema. 

“Quando está nervosa, ela começa a chorar forte, perde o fôlego, fica roxa e desmaia.” O primeiro episódio aconteceu quando a bebê tinha um ano e um mês. “Por sorte, meu irmão, que é clínico geral, estava em casa no momento, ele levantou as pernas dela e, em poucos segundos, ela voltou.”

Preocupada, Juliana levou a filha a uma consulta com a pediatra para fazer alguns exames, mas nada de anormal foi constatado. Segundo sua médica, desmaios em bebês são comuns e não há tratamento. “Mesmo assim, eu e minha família decidimos fazer um curso de primeiros socorros para saber como agir quando acontece. Desde então, sempre que minha filha desmaia, nós a colocamos deitada no chão, levantamos suas pernas e seu queixo, assopramos sua boca e logo ela acorda.”

Segundo o pediatra Hany Simon Junior, membro do Departamento de Emergência e Cuidados Hospitalares da SBP (Sociedade Brasileira de Pediatria), os desmaios costumam acometer bebês de seis meses a três anos. “Podem acontecer episódios com crianças de até seis anos. Em 90% dos casos, após essa idade, cessam naturalmente.”

O médico explica que o desmaio é um quadro clínico bem definido, no qual, por algum motivo, há diminuição da oxigenação no cérebro. Ele orienta que o primeiro episódio seja investigado a fundo -- com avaliações cardiológica e neurológica-- para descartar a existência de um problema mais grave. Doenças metabólicas e endocrinológicas também podem causar desmaios, porém esses quadros são mais complexos, gerando outros sintomas.

“Normalmente, olhamos o contexto em que o desmaio aconteceu. Se a criança estava chorando muito ou em uma crise de birra, pode ter perdido o fôlego e a consciência por alguns instantes. Nesses casos, ela fica roxa, mas também pode ficar pálida”, fala Simon Junior.

Apesar do susto que provoca nos pais, o pediatra afirma que se trata de um evento absolutamente benigno, do qual a criança se recupera totalmente em questão de segundos, sem a necessidade de ser reanimada. “Nesse tipo de evento, a criança não corre risco de morte, de sofrer atraso no desenvolvimento ou convulsão”,  declara.

O fator desencadeante é, portanto, comportamental. “Quando a criança percebe que obtém ganho afetivo, começa a provocar o desmaio e manipula a família para ter atenção. Por isso, é importante que os pais estejam bem orientados e evitem dar uma importância excessiva aos episódios”, diz o pediatra.

Quando completou um ano e dez meses, Mariana passou a ter desmaios com mais frequência, normalmente, de 15 em 15 dias. A pediatra, então, recomendou que ela passasse por um acompanhamento psicológico para dar mais segurança aos pais.

A família toda está empenhada em ajudar a menina a superar os desmaios. “Além de aprender os primeiros socorros, procuramos acalmá-la e distraí-la quando percebemos que corre o risco de desmaiar, e isso tem sido bastante eficaz”, conta Juliana. 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Moda
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Beleza e maternidade
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo