Gravidez e filhos

Tema tabu entre homens, depressão pós-parto atinge um em cada dez pais

Getty Images
Segundo estudo de 2010, um em cada dez pais apresenta depressão pós-parto Imagem: Getty Images

Cintia Baio

Colaboração para o UOL

13/10/2015 07h15

 

Assim que a mulher fica grávida, toda a atenção da família e dos médicos se volta para ela e para o bebê. Enquanto isso, o pai, na maioria das vezes, passa a desempenhar papel de coadjuvante na história e tende a lidar sozinho com os medos e a insegurança da paternidade. Nessa circunstância, não é incomum que o homem desenvolva um quadro de depressão pós-parto. O tema, no entanto, ainda é tabu. Contactados pelo UOL Gravidez e Filhos, homens que sofreram com o problema não se sentiram à vontade para darem seus depoimentos. A seguir, veja seis perguntas e respostas sobre o tema.

1 - É comum o homem desenvolver depressão pós-parto?

Um dos estudos mais consistentes sobre o tema, publicado pelo “The Journal of the American Medical Association”, em 2010, apontou que um em cada dez pais no mundo apresenta depressão pós-parto. Se considerarmos os quadros de tristeza e ansiedade, o número aumenta para 25%. Para ter uma ideia, apenas 5% dos homens sem filhos apresentam quadro depressivo na mesma fase da vida.  Existem ainda outros fatores que contribuem para a depressão. Se a mulher desenvolveu depressão pós-parto, se o homem teve um quadro de tristeza anteriormente ou se é o primeiro filho, por exemplo, as chances aumentam de três a quatro vezes. O levantamento foi conduzido pela Eastern Virginia Medical School, nos Estados Unidos, e teve 28 mil participantes.

2 - Quais são os sintomas?

Alterações de sono e apetite, problemas de concentração, falta de interesse, ansiedade, irritabilidade, dor de cabeça, dor de estômago, dores crônicas, insegurança e medo exagerado do que pode acontecer com o filho são alguns dos principais sinais da depressão. “Além dos sintomas clássicos, o homem pode ter um comportamento diferente do apresentado pela mulher. Ele passa, por exemplo, a trabalhar mais, a assumir tarefas em excesso. Muitas vezes, começa um curso ou uma faculdade nova. Tudo isso é uma maneira de tentar fugir da situação”, explica Vera Iaconelli, psicanalista e doutora em psicologia pela USP (Universidade de São Paulo).

3 - Existe alguma alteração hormonal que explique a depressão no homem?

De acordo com o psiquiatra Sérgio Tamai, sabe-se que, assim como nas mulheres, os homens sofrem alterações hormonais ao longo do primeiro ano da paternidade. A principal delas é uma baixa na testosterona. Também pode haver aumento de cortisol, estrogênio, vasopressina e prolactina. “As alterações desses hormônios ajudam o homem, do ponto de vista biológico, a dar atenção à criança. Quando tais substâncias se alteram demais, há um impacto no desenvolvimento do seu papel de pai, mas é óbvio que existem outros fatores externos que contribuem para o quadro”, fala o psiquiatra.

4 - Por que a depressão acontece mais tardiamente no homem?

Enquanto  na mulher, a depressão pós-parto se manifesta já nos primeiros meses após o nascimento do filho, no  homem, a doença se intensifica entre o terceiro e o sexto mês da criança, podendo se estender até um ano. Segundo a psicanalista Vera Iaconelli, isso acontece porque o pai passa a ser mais solicitado a partir do terceiro mês do filho. “A mulher começa sua experiência materna no processo de gestação, mas a ‘ficha’ do homem começa a cair quando o bebê se volta mais para ele.”

5 - Quais são os principais fatores externos que contribuem para o quadro depressivo?

Existem muitas mudanças na vida do casal que contribuem para o quadro depressivo. “Por uma questão cultural, o homem passa a se ver muito mais como provedor da casa e começa a se preocupar com os gastos. Também temos a questão do desgaste físico por conta dos cuidados com o bebê. Nesse período, ele é deixado de lado, já que a atenção está muito mais voltada para a mãe e a criança”, diz o psiquiatra Sérgio Tamai.

Para Lúcio Moreno, pesquisador da USP, existem questões pessoais muito profundas que vêm à tona com a paternidade. “Antes, o homem depositava todos os seus ideais no filho. Ele seria tudo aquilo que o pai não conseguiu ser. Hoje, vemos uma mudança de visão. Alguns homens passam a culpar o filho por não terem mais tempo para fazer as coisas e acabam projetando seu fracasso nele.” Moreno diz ainda que é muito comum o pai revisitar sua relação com a família e encontrar situações que o afligem e o fazem questionar seu próprio papel de pai.

6 - É possível evitar a depressão?

Evidentemente, a depressão não é algo que se possa evitar seguindo uma cartilha de regras, mas os especialistas chamam a atenção para alguns comportamentos saudáveis durante a gravidez e o pós-parto. Acompanhar a mulher no pré-natal e discutir a paternidade com os amigos e familiares são algumas das estratégias para se sentir mais confortável com a chegada do bebê.

“Também é interessante que os profissionais que acompanham o casal, como o ginecologista e o pediatra, observem o comportamento do pai e reconheçam os sintomas. Como a atenção está muito voltada para a mãe e o bebê, o homem fica de lado em diversas situações, e a paternidade é tão difícil quando a maternidade”, diz Vera Iaconelli.

Já Nelson Pedro, psicólogo e professor da Unesp (Universidade Estadual Paulista), chama a atenção para a relação do casal. “É preciso entender que, quando nasce um filho, o casal muda completamente. É como se nascesse também uma nova mulher e um novo homem, que precisam se apaixonar novamente, dessa vez com a presença de uma terceira pessoa na história, o filho.”

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Gravidez e Filhos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo