Gravidez e filhos

Cócegas? Bebês menores de 6 meses não sabem de onde veio o toque

Getty Images
O cérebro do bebê começa a amadurecer aos seis meses Imagem: Getty Images

Do UOL, em São Paulo

21/10/2015 12h24

 

Quando o bebê ri ao receber cócegas, muitos pais acreditam que estão criando um vínculo com as crianças. No entanto, a realidade é que o filho não faz ideia de quem o fez gargalhar.

Segundo um novo estudo, publicado na revista científica "Current Biology", os bebês muito pequenos não sabem de onde o toque veio. Só depois que eles atingem os seis meses de idade é que aprendem a perceber o corpo e o espaço ao redor.

Para chegar à conclusão, pesquisadores da Universidade de Londres fizeram testes em bebês de quatro e seis meses para verificar a percepção de mudanças sensíveis ao toque. As crianças tiveram campainhas que provocavam cócegas amarradas aos pés. Elas eram ativadas quando as pernas estavam cruzadas e descruzadas. Os estudiosos avaliaram qual dos pés as crianças mexeram.

Quando as pernas dos bebês estavam descruzadas, os dois grupos se saíram bem e mexeram o dedo do pé que tinha recebido as cócegas. Mas, quando as pernas estavam cruzadas, as crianças de seis meses mexeram o pé correto apenas 50% das vezes. As de quatro meses moveram o pé correto 70% do tempo.

Embora isso possa parecer contraditório, os pesquisadores britânicos afirmam que o pior desempenho dos bebês mais velhos é, na verdade, sinal de um cérebro mais maduro.

Isso ocorre porque quando o nosso corpo é tocado, pensamos sobre de que local o toque veio. Se nossos braços estão cruzados, o cérebro fica confuso. Assim, se a mão direita recebe cócegas quando os braços estão cruzados, um adulto pode pensar que a mão esquerda é que foi tocada, pois ele percebe a sensação no lado esquerdo do corpo.

O fato de os bebês mais jovens não cometerem esse erro revelou que o cérebro deles estava fazendo um cálculo mais básico.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Gravidez e Filhos
Redação
do UOL
Redação
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Erratas
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Gravidez e Filhos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Estilo
do UOL
BBC
do UOL
Topo