Gravidez e filhos

Técnica usada para procurar gás natural aumenta chance de partos prematuros

Jim Wilson/The New York Times
Exploração de xisto por meio de fratura hidráulica na Califórnia Imagem: Jim Wilson/The New York Times

Nicholas Bakalar

Do The New York Times

22/10/2015 16h57

 

Pesquisadores constataram que morar nos arredores de locais próximos a operações de fratura hidráulica --técnica usada para procurar petróleo e gás natural-- está associado a partos prematuros. Ainda que o estudo tenha sido realizado na Pensilvânia, nos Estados Unidos, o Brasil também conta com esse tipo de exploração, ainda que em pequena escala, por conta de um leilão feito pela ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis) em 12 Estados (Amazonas, Acre, Tocantins, Alagoas, Sergipe, Piauí, Mato Grosso, Goiás, Bahia, Maranhão, Paraná e São Paulo).

Cientistas estudaram registros de 10.496 partos de 9.384 mães de 2009 a 2013, na Pensilvânia, onde ocorre a fratura hidráulica. Eles registraram o tempo de gestação, peso ao nascer, escala de Apgar após cinco minutos e tamanho em relação à idade gestacional.

Publicado no periódico "Epidemiology", o estudo usou controles para fatores ambientais, sanitários, comportamentais e socioeconômicos. Também foram utilizadas datas e profundidade da perfuração, volume de produção e distância da casa da mãe à exposição estimada.

Os 25% de mães mais expostas ao fraturamento hidráulico tinham probabilidade 40% maior de dar à luz antes da hora (antes de 37 semanas de gestação) do que os 25% menos expostos. Não se constatou associação com a escala de Apgar ou com o tamanho reduzido para a idade gestacional.

"Nosso estudo não nos diz nada sobre o mecanismo", disse a autora principal, Joan A. Casey, pesquisadora de pós-doutorado da Universidade da Califórnia, campi de Berkeley e de San Francisco. "E não afirmamos que este seja o fim da conversa. Porém, havia diversos sinalizadores de que poderia haver problemas. Antes de continuarmos, devemos levar as condições de saúde pública em consideração."

O "Energy in Depth", grupo do setor energético, afirmou em seu site que o estudo "tenta vincular a fratura hidráulica a partos prematuros, mas os dados disponíveis não sustentam essa conclusão".

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Moda
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Beleza e maternidade
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo