Gravidez e filhos

Mulher relata parto com menos dor após uso de técnicas de hipnose

Arquivo Pessoal
Clarissa (na foto com o marido) aprendeu hipnose e usou as técnicas no parto da filha Imagem: Arquivo Pessoal

Cintia Baio

Colaboração para o UOL

23/10/2015 07h05

O trabalho de parto da advogada Clarissa Homsi, 44, durou pouco mais de três horas e foi, nas palavras da própria, “tranquilo”, em grande parte por causa das técnicas de auto-hipnose.

“Fiquei boa parte do tempo ouvindo um CD de relaxamento e fazendo as visualizações que aprendi no curso. Pari praticamente sozinha, no banheiro de casa, e tive umas seis contrações fortes. Estava completamente consciente e me sentia no controle de tudo. Doeu, mas nada que me fizesse ir para o hospital ou pedir anestesia, como foi na primeira gravidez.”

No sétimo mês de gestação, uma amiga de Clarissa sugeriu que ela lesse um livro e fizesse um curso sobre hipnose. A obra em questão era “Hypnobirthing – the Mongan Method” (“Hipnonascimento - o Método Mongan”, em livre tradução do inglês), escrito pela hipnoterapeuta americana Marie Mongan, criadora da técnica que busca, por meio da auto-hipnose, visualizações e respirações, deixar a mulher relaxada, concentrada e confiante para o parto.

“O objetivo é fazer a gestante perceber que parir é algo totalmente natural e que o corpo sabe fazer isso muito bem”, afirma Lúcia Junqueira, fisioterapeuta, doula e responsável pelos cursos de “hypnobirthing” no Brasil.

A técnica, ainda tímida no Brasil, mas bastante utilizada em outros países desde 1880, está longe de ser como a que costumamos ver na TV, com alguém em transe, inconsciente e executando ordens de quem a hipnotizou.


“Isso é clichê. A mulher fica completamente consciente e controla todo o trabalho de parto. O que fazemos é ensinar a auto-hipnose para a gestante”, diz o obstetra e hipnoterapeuta Osmar Ribeiro Colás, especialista no assunto.

Segundo Colás, durante o pré-natal, a grávida frequenta sessões ou faz um curso breve no qual são ensinadas técnicas de respiração, relaxamento e visualização, que induzem à auto-hipnose.

“É possível usar o recurso apenas no momento do parto, em vez das sessões no pré-natal, mas existe um número muito pequeno de profissionais capacitados. Por isso, o mais comum é a auto-hipnose. A ideia é a gestante aprender sozinha a controlar sua dor, que continua a existir, mas que pode ser menor e interpretada de outra maneira”, fala o obstetra.

Um curso do tipo dura 12 horas e meia, geralmente é feito em grupo e custa R$ 990 (gestante e acompanhante). Nele, a mulher aprende as técnicas de controle para cada momento do parto e como encará-lo de maneira positiva. De acordo com Lucia, o ideal é que ele seja feito a partir da 14ª semana de gestação.

Eficiência varia

Segundo especialistas consultados, a mulher é quem decide se quer ou não a presença do profissional na hora do parto. Eles afirmam que, na maioria das vezes, a participação não é necessária. “Nosso trabalho é deixar a mulher confiante para fazer sozinha”, diz o psicanalista Luciano Sampaio, de Fortaleza. Para ele, em alguns casos, a hipnose pode reduzir a dor pela metade. “O importante é conversar com alguém do corpo clínico, como o obstetra, anestesista ou enfermeira para que eles estejam cientes das técnicas.”

No Brasil, a prática de hipnose é reconhecida pelo Conselho Federal de Medicina, de Odontologia, de Psicologia, de Fisioterapia e de Terapia Ocupacional.

Para a anestesista Monica Siaulys, o grau de eficácia da técnica depende muito de características individuais de cada paciente e de cada gestação. “O que funciona para uma paciente não necessariamente funcionará da mesma forma para outra ou até mesmo para mesma paciente, em uma outra gestação.”

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
Blog Lado B
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
Topo