Gravidez e filhos

Cesárea não é sinônimo de violência obstétrica; mães contam experiências

Arquivo pessoal
Cristina Afonso posa com o marido, Marcelo, e o filho Gabriel na maternidade Imagem: Arquivo pessoal

Andrezza Czech

Colaboração para o UOL

04/12/2015 07h05

 

A gerente comercial Cristina Afonso, 38, francesa que vive há 15 anos no Brasil, queria que a primeira filha, Amanda, hoje com quatro anos, nascesse de parto normal, mas o médico insistiu na cesárea e ela acabou concordando com o procedimento. “Foi algo frio, como uma cirurgia qualquer. Logo após o parto, levaram minha filha e só fui vê-la horas depois.” Por isso, ela decidiu que, na segunda gravidez, teria parto normal. O problema é que, depois de 15 horas desde o momento da primeira contração, sua dilatação parou e ela teve de partir para a cesárea. Mas, dessa vez, tudo foi diferente. “A equipe conversava comigo, avisava o que estava fazendo, o Gabriel ficou mais de uma hora no meu colo logo após o parto. Foi uma experiência fantástica.”

Assim como aconteceu no primeiro parto de Cristina, muitas mães acabam vivenciando o nascimento dos filhos na frieza de uma sala de cirurgia. Não é raro, entretanto, que essa a essa frieza se some uma pura falta de respeito. Por isso, muitas campanhas têm sido realizadas sobre a violência que acontece contra a mãe e o bebê durante a cesárea.

“Cumpre ao obstetra atenuar os desconfortos e dores da mãe e poupar a criança do terror ao chegar no nosso mundo. Esse é o papel do profissional que entende o ritual do nascimento e a cerimônia de acolhida do bebê”, afirma o ginecologista e obstetra Claudio Basbaum, do Hospital e Maternidade São Luiz Itaim, de São Paulo, e responsável por introduzir no Brasil, em 1974, a filosofia e a metodologia de parto humanizado idealizada pelo médico francês Frédérick Leboyer.

Cleber Massao
Ellen Faria fica sozinha com seu filho, Miguel, logo após a cesárea Imagem: Cleber Massao

A publicitária Vanessa Delpy, 33 anos, passou por duas cesáreas e sabe muito bem a diferença entre o procedimento “comum” e o com mais respeito à mãe e ao bebê. Na primeira, no nascimento do filho Eduardo, hoje com três anos, ela mal pôde ficar com o menino no colo após o nascimento. Em menos de 15 minutos, o bebê foi levado embora da sala de parto e ela só foi vê-lo novamente três horas depois.

No segundo, quando Joaquim, hoje com seis meses, nasceu, o tratamento foi outro. “Ele foi colocado no meu colo ainda sujinho. Depois, tomou banho ao meu lado. Podia tocar nele enquanto a enfermeira o limpava e logo ele mamou", conta. Vanessa também afirma que a equipe foi muito mais atenciosa com ela, explicando tudo o que estava acontecendo durante o procedimento.

O ideal é que toda cesárea seja realizada dessa forma: com médicos atenciosos, um acompanhante ao lado, luz baixa, trilha sonora escolhida pela mãe e --o principal-- tendo o bebê no colo para ser amamentado antes da primeira hora de vida.

“A equipe médica não pode falar de jogo de futebol, do final de semana. É preciso ter respeito por esse momento da mulher. Não é um ato médico operatório, é a acolhida de uma criatura em nosso mundo”, diz Basbaum.

Segundo ele, depois que o bebê é retirado do útero, o médico deve avaliar se respiração, tônus muscular e batimentos cardíacos estão adequados e esperar que o cordão umbilical pare de pulsar antes de cortá-lo. Logo em seguida, o recém-nascido deve ser colocado no colo da mãe para que ela possa tentar amamentá-lo.

“Esperamos de 40 segundos a um minuto para cortarmos o cordão umbilical, que é quando ele para de pulsar, e, se estiver tudo bem com o bebê, a gente logo o coloca no colo da mãe”, diz a ginecologista e obstetra Rita Sanchez, especialista em medicina fetal e coordenadora da maternidade do Hospital Israelita Albert Einstein --hospital que está no projeto “Parto Adequado”, parceria com a ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar) e o IHI (Institute for Healthcare Improvement), com objetivo de reduzir o percentual de cesáreas desnecessárias. 

Com o maior índice de cesáreas do mundo, o Brasil já recebeu um alerta da OMS (Organização Mundial da Saúde) sobre o uso excessivo do procedimento. Em 2011, 53,7% de todos os partos no país foram cesárea, enquanto a entidade recomenda que o número não ultrapasse 15%. Considerados apenas os hospitais privados, o número é superior a 80%.

Segundo Rita, a mãe não deve ficar amarrada na maca e, se preferir, pode-se abaixar o campo cirúrgico (tecido colocado abaixo dos seios da mulher) para que ela veja a saída do bebê. O corte, segundo a médica, deve ser pequeno.

“O ideal é que precisemos fazer uma forcinha para retirar o bebê, o que ajuda muito a expelir os líquidos do tórax dele, como em um parto normal”, diz Rita. E, depois que a criança for retirada, ela jamais deve receber aquele tapinha no bumbum.

Para o obstetra Julio Elito Jr., professor do departamento de Obstetrícia da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), é preciso sempre ter uma atitude muito humana e compreensiva. “Devemos estimular o contato do bebê com a mãe após o nascimento, deixando-o no colo dela para ser amamentado”, afirma.

Segundo a OMS, o recomendado é que o bebê sempre mame na primeira hora de vida, o que, muitas vezes, é adiado em partos cesárea. “É comprovado que os bebês que são amamentados na primeira hora de vida têm índices maiores de sobrevivência”, afirma Basbaum.

Para os especialistas, o ideal é que, mesmo em uma cesárea, seja possível esperar pelos sinais de parto antes de começar a cirurgia. “A natureza é muito sábia. A mulher sofre um processo de transformação durante a gravidez, que é finalizado por volta do nono mês. É importante que ela chegue para o parto dessa forma, pois seu organismo responderá com mais equilíbrio”, diz Basbaum.

Se isso não for possível, deve-se, ao menos, realizar a cesárea após 39 semanas. “O ideal é esperar a paciente entrar em trabalho de parto ou, se for preciso, agendá-lo entre a trigésima nona e quadragésima semanas, porque o bebê já está bem preparado, e os riscos são menores”, afirma Elito Jr. 

Cleber Massao
Ellen Faria fica sozinha com seu filho, Miguel, logo após a cesárea Imagem: Cleber Massao

Mesmo já tendo decidido pela cesárea, a estilista Ellen Faria, esperou entrar em trabalho de parto do filho, Miguel, hoje com dois anos. “Queria parto natural, mas como seria um risco, tentamos transformá-lo no mais natural possível. Não foi uma cirurgia agendada. Entrei em trabalho de parto, tive contrações e, no último momento, fizemos a cesariana. Isso prepara o bebê e a mãe para o nascimento”, diz.

Ellen conta que ficou em uma sala pré-parto esperando o momento ideal para a cirurgia, até a bolsa romper. E, durante a cesárea, os médicos explicavam tudo o que acontecia. “Quando o Miguel nasceu, ele foi pesado, limparam-no e logo o deixaram comigo. Quando terminaram os pontos, ele já estava no meu colo. Fiquei uns 40 minutos com ele com a luz apagada e ele pertinho do meu peito. Foi um parto muito feliz.” 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Gravidez e Filhos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo