Gravidez e filhos

Após adotar menino de nove anos, gay solteiro ganha licença de seis meses

Arquivo pessoal
Peterson dos Santos e seu filho Lucas Imagem: Arquivo pessoal

Melissa Diniz

Do UOL, em São Paulo

15/01/2016 12h42

 

O vendedor Peterson Rodrigues dos Santos, 34 anos, de Gravataí, região metropolitana de Porto Alegre (RS), acaba de quebrar diversos tabus. Solteiro e homossexual, ele conseguiu tirar licença-paternidade de seis meses após adotar o menino Lucas, de nove anos.

A história dos dois começou em 2013, quando Peterson começou a frequentar uma ONG que, por coincidência, chama-se Amigos de Lucas, e promove o apadrinhamento de crianças que vivem em abrigos.

“Procurei a instituição para fazer um trabalho voluntário, participei de oficinas e depois de uma festa para conhecer as crianças que poderiam ser apadrinhadas”, conta.

Para surpresa de Peterson, durante a comemoração, Lucas se aproximou pedindo a ele que segurasse seu agasalho para poder brincar. “A psicóloga da ONG me alertou que aquilo era um sinal de empatia, pois ele não costumava falar com ninguém. Então perguntei: tu já tem dindo? E ele respondeu, tenho sim, é tu.”

Em geral, crianças que participam do projeto não estão disponíveis para adoção porque ainda não perderam o vínculo com a família de origem. Além disso, elas são maiores de cinco anos, perfil que não costuma ser procurado por candidatos a pais adotivos.

“Ao conseguirem um padrinho, as crianças passam a ter uma referência da vida fora do abrigo. Elas podem sair aos finais de semana para passear e passar férias com os padrinhos”, diz.

Foi aí que o vínculo entre os dois se fortaleceu. “Inicialmente, as visitas eram a cada 15 dias, mas logo passei a vê-lo toda semana, e o amor foi crescendo.” Um ano depois, Lucas foi destituído da família, tornando-se adotável.

“Contratei um advogado e entrei com um pedido de guarda em outubro de 2014, mas não contei a ele para não criar expectativas. Sei que o mundo é preconceituoso e temia ser barrado nas entrevistas por ser gay e solteiro.”

Levou quase um ano para que a decisão do juiz – favorável a Peterson – saísse. “Brinco que minha gestação durou 11 meses. Em setembro de 2015, Lucas tornou-se meu filho.” 

Mas a vida ainda reservava outra surpresa a eles. “Imediatamente, avisei o departamento de RH (recursos humanos) da Livraria Cultura, empresa em que sou funcionário, em Porto Alegre, que havia adotado uma criança.”

Inicialmente, a empresa ofereceu a ele uma licença-paternidade de 15 dias. “Eles não sabiam que, em 2014, havia entrado em vigor uma nova lei que dá direito a 120 dias de licença para pais adotivos, sejam homens ou mulheres, independentemente da idade da criança.”

Assim que tomou conhecimento da lei, a diretora de RH da empresa, Juliana Brandão, decidiu ir além. “Nós oferecemos às funcionárias licença-maternidade estendida de seis meses, não havia motivo para não conceder o mesmo benefício a ele, afinal, a história dos dois é muito bonita. Esperamos que sirva de incentivo para que outras empresas brasileiras façam o mesmo.”

Em abril, Peterson retornará ao trabalho e está aproveitando cada minuto com o filho para fortalecer a relação. “Ele viveu em abrigo quase a vida inteira, é a primeira vez que tem uma casa e uma família. Estou aprendendo a colocar limites e a dizer não, ser padrinho é bem mais fácil do que ser pai.”

Durante o período de apadrinhamento, Peterson aproveitou para explicar a Lucas sobre sua homossexualidade. “Na época, estava passando a novela 'Amor à Vida' (Globo) e havia dois personagens que formavam um casal gay, Félix e Niko (interpretados por Mateus Solano e Thiago Fragoso). Falei que eles se amavam e iam adotar uma criança, formando uma família.”

Lucas disse a ele que havia ouvido na escola que aquilo era errado. “Eu expliquei que não existe amor errado, mas preconceito sempre é errado. Sou consciente de que ele sofrerá bullying, porque ainda há muita ignorância no mundo, e a melhor maneira de protegê-lo é falando a verdade. Não vamos deixar que alguns ‘haters' (termo em inglês usado normalmente para pessoas que, na internet, postam comentários de ódio e/ou crítica) estraguem nossa felicidade.”

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
Redação
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
Redação
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Gravidez e Filhos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Gravidez e Filhos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo