Gravidez e filhos

Baba, vômito ou regurgitação? Entenda o que há com seu bebê

Getty Images
Entre três e 12 meses, bebês salivam muito por fatores do desenvolvimento Imagem: Getty Images

Melissa Diniz

Do UOL, em São Paulo

21/01/2016 07h20

Diversos fatores contribuem para que os bebês babem, principalmente entre os três e 12 meses de vida. O médico José Gabel, membro do Departamento de Pediatria Ambulatorial da SBP (Sociedade Brasileira de Pediatria), afirma que babar é normal e, em geral, não representa problema de saúde.

Segundo o pediatra, a salivação excessiva é causada pelo próprio desenvolvimento neurológico e bucal da criança, que baba por ainda não ter coordenação para deglutir a quantidade de saliva produzida.

Chamado de sialorreia ou ptialismo, o aumento da quantidade de saliva também pode ser causado pela erupção dental. Gabel explica que, preparando-se para o nascimento dos dentes, a gengiva do bebê produz uma reação inflamatória, ficando inchada, o que predispõe a uma maior salivação.

Problemas como refluxo gastroesofágico (doença digestiva em que os ácidos estomacais voltam pelo esôfago), aftas, resfriados, caxumba, amidalites e outras infecções, e ingestão de alimentos ácidos também provocam aumento da saliva.

Em casos mais graves, distúrbios neurológicos, funcionais e anatômicos podem aumentar a propensão para babar, causando a alteração no controle dos músculos orofaciais.

Refluxo natural ou patológico?

Diferentemente da baba, em que a criança expele apenas saliva, na regurgitação ou golfada há a eliminação do conteúdo gástrico, mas sem esforço nenhum dos músculos e, principalmente, sem sintomas. “As golfadas são muito comuns para a grande maioria dos bebês nos primeiros quatro meses de vida e não alteram o crescimento nem o ganho de peso."

Segundo o médico, não é necessário alterar a rotina da criança por conta da regurgitação nem dar de mamar novamente.

“O refluxo fisiológico deve ser tratado somente com medidas posturais e dietéticas, a fim de controlar a quantidade de vezes que a criança regurgita, evitando complicações.”

De acordo com Gabel, regurgitações frequentes podem levar a lesões erosivas dos dentes (desgaste do esmalte dentário pela diminuição do pH bucal). Em raros casos, podem provocar tosse ou náuseas e vômitos.

Como medidas preventivas, o especialista sugere fazer uma elevação da cabeceira da cama em um ângulo de 30º a 45º e colocar o bebê deitado do lado esquerdo.

Também contribuem para evitar a regurgitação o aleitamento materno exclusivo e o fracionamento das mamadas, que devem realizadas com a criança em posição semielevada.

Além disso, é importante fazer o bebê arrotar após mamar, evitar balançá-lo ou mesmo andar de carro.

De acordo com o pediatra, quando o refluxo esofágico é patológico, mesmo com fome, o bebê não consegue mamar. “Ele ganha pouco peso e tem dificuldade para dormir ou tem o sono interrompido por engasgos e dor.”

Nesse caso, durante a amamentação, a criança pode “brigar com o peito”, ou seja, mama apenas alguns minutos e depois se arqueia para trás e começa a chorar.

“Acontece também de o bebê querer mamar o tempo todo, porque o leite materno alivia o desconforto e a azia. Às vezes, a criança não elimina o leite que, no entanto, volta até uma parte do esôfago, causando dores e falta de apetite.”

Gabel explica que o diagnóstico de doença do refluxo gastroesofágico é complexo e não pode ser feito com apenas um exame. “Todos esses sintomas podem aparecer em conjunto ou isoladamente.”

Vômitos

Getty Images
Vômito, febre e dores são sinais de alerta Imagem: Getty Images

Se na regurgitação a criança elimina o conteúdo gástrico com facilidade, no vômito, há esforço e desconforto. “Ele vem acompanhado de náuseas, sudorese, mal-estar e, em algumas vezes, de febre. Precisamos ficar atentos porque nem todo bebê que vomita tem refluxo, no entanto, muitos bebês com refluxo vomitam.”

Vômitos são eventuais e não devem acontecer frequentemente. “Casos recorrentes devem ser avaliados pelo pediatra para verificar a existência de doenças orgânicas e alterações anatômicas na criança.”

Após o vômito, o médico sugere aguardar 30 minutos e oferecer líquidos frios em pequenos volumes, aos poucos, à criança. “Depois disso, pode-se voltar à dieta habitual, oferecendo alimentos em pequenas quantidades.”

Os pais devem ficar atentos à existência de febre alta, manchas na pele, fortes dores abdominais, prostração, vômitos com sangue e sinais de desidratação, como língua e lábios secos, choro sem lágrimas, e ausência de urina por mais de seis horas. Na presença desses sintomas, é preciso procurar um pronto-socorro.
 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

do UOL
BBC
do UOL
Blog Lado B
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Blog Lado B
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo