Gravidez e filhos

Aversão ao chuveiro é um dos atos de rebeldia da adolescência; saiba lidar

Getty Images
Jovens chegam a ligar o chuveiro e ficar do lado de fora, só para contrariar os pais Imagem: Getty Images

Do UOL, em São Paulo

19/02/2016 07h15

Muitos pais acreditam que a luta para o filho pequeno tomar banho acabará quando ele crescer. No entanto, na adolescência, a fase de resistência para entrar no chuveiro retorna. E há um agravante: não é mais possível atrair o jovem com a ajuda de brinquedos. 

“Quando criança, são os pais que banham. Mas, nessa nova fase, o adolescente descobre que tem poder sobre o próprio corpo. Então quer decidir quando e como cuidar dele”, afirma a pedagoga Larissa Fonseca, especializada em comportamento e desenvolvimento infantil pela USP (Universidade de São Paulo). A recusa a tomar banho também é uma forma dos adolescentes se oporem aos pais, um ato de rebeldia em busca de autoafirmação.

Para a psicóloga Maria de Melo, coordenadora do Núcleo de Psicologia Integrada de São Paulo, não querer tomar banho indica uma questão emocional e existencial a ser resolvida. “O banho é um momento muito íntimo, que leva a contatar o próprio corpo e a sexualidade. Ao evitar esse momento, o adolescente pode se recusar a lidar com as mudanças corporais típicas da fase”, diz.

Por isso, as especialistas não recomendam forçar a barra e obrigar o filho a se banhar. Até porque não são poucos os adolescentes capazes de entrar no banheiro, ligar o chuveiro e se manterem do lado de fora, só pelo prazer de contrariar os pais.

O melhor é ressaltar a importância do banho para a saúde e o prazer que ficar embaixo da água proporciona. “O filho deverá entender que certas coisas são obrigações sociais e que a própria execução é a recompensa. Ficar limpo, cheiroso e agradável para os outros deve ser um estímulo”, afirma Maria.

Os pais também podem usar argumentos científicos para explicar por que tomar banho é tão importante quanto se alimentar e dormir. “É durante o banho que eliminamos cerca de 1,5 gramas de pele por dia, além de substâncias gordurosas fabricadas pelo corpo e uma grande quantidade de elementos presentes no meio ambiente, como poeira, terra, pólen e restos de insetos”, explica o biomédico Roberto Martins Figueiredo, conhecido como Dr. Bactéria. “Na adolescência, por conta dos hormônios, o corpo produz ainda mais substâncias oleosas”, fala o especialista.

Sem barganha ou brincadeiras

Para a pedagoga Larissa, as chuveiradas não devem ser negociadas. “Ceder a chantagens ou barganhar é uma opção que pode parecer mais fácil, porém não é nem construtiva nem educativa. O filho deve tomar banho para sua higiene, bem-estar e saúde, e não para agradar aos pais”, diz.

Também não é uma boa opção tirar sarro da aversão do filho ao chuveiro, humilhá-lo em público ou inventar apelidos que tenham a ver com personagens "sujinhos", como o Cascão, da "Turma da Mônica". “Isso vai reforçar o comportamento dele e gerar mais conflito entre pais e filho. Corre-se o risco de o jovem assumir o apelido e agir como um adolescente sujo mesmo”, afirma Larissa. 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Moda
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Beleza e maternidade
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo