Gravidez e filhos

Drinques semanais podem afetar a fertilidade de homens e mulheres

Getty Images
Não importa o tipo de bebida alcoólica consumida, mas sim a quantidade ingerida Imagem: Getty Images

Do UOL, em São Paulo

26/04/2016 07h15

Consumir álcool com frequência pode ser um problema para casais que querem engravidar. A principal razão para isso é a influência que a bebida alcoólica exerce na produção de hormônios femininos e masculinos.

“Nas mulheres, o álcool em excesso altera o processo ovulatório e a qualidade dos óvulos. Já nos homens, reduz os níveis de testosterona e modifica o volume, concentração e mobilidade dos espermatozoides”, diz o ginecologista e obstetra Mario Cavagna, diretor do Centro de Reprodução Humana do Hospital Pérola Byington e presidente da SBRH (Sociedade Brasileira de Reprodução Humana).

Pesquisas internacionais confirmam a fala de Cavagna. Um estudo de 1998, divulgado no “British Medical Journal”, avaliou, durante seis meses, 430 casais com idades entre 20 e 35 anos que desejavam engravidar pela primeira vez. Após descartar outras variáveis do processo, como peso, hábito de fumar, concentração de esperma e doenças nos órgãos reprodutores femininos, verificou-se que mulheres que ingeriam de um a cinco drinques por semana tinham 39% menos chance de engravidar do que as que não bebiam. Quando esse número aumentava para mais de dez drinques semanais, a chance tornava-se 66% menor. Nesse estudo, não houve relação entre a ingestão de álcool e a fertilidade dos homens.

Outra pesquisa mais recente, publicada em 2014, no mesmo veículo médico, apontou a influência do álcool na qualidade e na quantidade do sêmen. O estudo analisou amostras de 1.200 homens entre 18 e 28 anos. Os efeitos foram evidentes a partir do consumo de cinco latas de cerveja por semana e preocupantes para os que consumiram mais de 25. Os que chegaram a 40 latas no período tiveram uma contagem de espermatozoides 33% mais baixa do que os que tomaram menos de cinco. No primeiro grupo, mais da metade das amostras de esperma também tinham aparência diferente da considerada normal.

Não é o que, é quanto

De acordo com especialistas, o tipo de bebida não influencia. No primeiro estudo, por exemplo, as mulheres consumiam vinho, cerveja e destilados. O que importa mesmo é a quantidade. “Se o consumo for de um a dois drinques por semana, o álcool vai possuir discreta ou nenhuma ação sobre as funções reprodutivas sexuais”, diz o médico Arnaldo Schizzi Cambiaghi, diretor do Centro de Reprodução Humana do IPGO (Instituto Paulista de Ginecologia e Obstetrícia).

O ginecologista Luiz Fernando Dale, diretor do Centro de Medicina da Reprodução no Rio de Janeiro, concorda e alerta que, para mulheres, o prejuízo pode ser maior. “Os hormônios da mulher dependem de um ajuste fino para que a ovulação aconteça. Se algo interrompe a produção ou se o metabolismo está alterado por qualquer fator, ela pode não ovular”, declara. “Já no homem, ainda que a produção de espermatozoides diminua, ela dificilmente fica prejudicada, já que são fabricados milhões. E basta que um espermatozoide chegue às trompas e encontre o óvulo para fecundá-lo”, fala.

A recomendação de uma dieta sem nem uma gota de álcool só é feita a casais que buscam tratamento para engravidar . “Nesse caso, são pessoas que já têm problemas e o consumo de álcool, em qualquer quantidade, apenas representaria mais um”, diz Cavagna. Quando o álcool altera somente os óvulos e os espermatozoides, a abstinência por três meses pode ser suficiente para normalizar os níveis hormonais, afirma Cambiaghi. 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Moda
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Beleza e maternidade
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo