Gravidez e filhos

Xixi na cama depois dos 5 anos pode ser sinal de algum problema

Rogério Doki/Arte UOL
É comum a criança sonhar que está no banheiro e soltar o xixi na cama Imagem: Rogério Doki/Arte UOL

Melissa Diniz

Do UOL, em São Paulo

Após o desfralde e até que complete cinco anos, é comum que a criança tenha certa dificuldade para segurar a urina durante a noite. A fase é parte normal do desenvolvimento infantil e precisa ser encarada com naturalidade e paciência. Após essa idade, uma avaliação médica se faz necessária para verificar se o escape de xixi não é indicativo de algum problema de saúde, como infecção urinária ou insuficiência renal.

“Primeiro, aprende-se a controlar o xixi durante o dia e, depois, durante o sono. O controle esfincteriano noturno ocorre de seis a 12 meses após o diurno”, explica a pediatra Eliane Garcez da Fonseca, do Departamento Científico de Pediatria Ambulatorial da SBP (Sociedade Brasileira de Pediatria).

Não é raro que, nessa fase de aprendizado, ocorra a superficialização do sono sem haver o despertar, por isso acontece de a criança sonhar que está no banheiro e acabar soltando o xixi na cama.

Segundo a especialista, a incontinência urinária durante o sono depois dos cinco anos chama-se enurese noturna. “Após essa idade, se a criança se sente envergonhada e há repercussões negativas em sua vida social [como evitar convites para dormir na casa de amigos], existem boas opções de tratamento medicamentoso”, diz a médica.

Estima-se que 10% das crianças em idade escolar façam xixi na cama, sendo que 50% delas apresentam histórico familiar do problema. “Se um dos pais teve enurese, o risco de o filho também ter é de 44%. Se os dois pais tiveram, as chances aumentam para 77%.”

De acordo com Eliane, quando o quadro aparece isoladamente, denomina-se enurese noturna monossintomática. Mas também é possível que surja associado a outros sinais e sintomas, tais como incontinência diurna, aumento ou diminuição da frequência urinária, dificuldade para iniciar ou manter o jato, infecção urinária, alteração de marcha (dificuldade para andar), baixa estatura e vômitos frequentes.

“Esses sintomas são sinais de alerta para os pais. Uma avaliação médica é essencial para diferenciar um quadro mais simples de um mais grave”, diz.

A médica afirma que pesquisas recentes têm apontado uma maior prevalência da enurese entre pacientes com TDAH (Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade) e TOD (Transtorno de Oposição e Desafio), condição em que a criança tem um comportamento desafiador diante de figuras de autoridade. 

Porém, essa não é uma relação de causa e efeito, são considerados comorbidades (quando duas doenças ou distúrbios estão relacionados). Nesses casos, o tratamento de uma condição ajuda na resposta ao tratamento da outra.

Causas emocionais

Getty Images
Em situações de estresse, criança pode regredir, voltando a fazer xixi na cama Imagem: Getty Images

Para a psicoterapeuta junguiana Sâmara Jorge, especialista em orientação de pais, a forma como a família lida com o desfralde pode interferir negativamente no comportamento da criança. “Há pais que ficam bastante ansiosos com esse momento e cobram muito do filho e de si mesmos. Ficam bravos, repreendem ou colocam fraldas para não ter trabalho durante a noite. Isso confunde a criança e pode aumentar seu medo e ansiedade por não corresponder às expectativas.”

Sâmara explica que fatores emocionais costumam estar presentes, sobretudo na chamada enurese secundária, quando a criança já adquiriu o controle do esfíncter e regride, voltando a fazer xixi na cama. Mas podem também influenciar nos casos de enurese primária, quando a criança nunca adquiriu o controle.

“Não é raro que crianças apresentem a enurese em situações de estresse. Separação dos pais, morte de alguém querido, mudanças, entrada na escola, chegada de um irmãozinho e tantas outras circunstâncias podem acarretar o problema”, diz.

Antes de atribuir uma causa emocional, aconselha a psicoterapeuta, é preciso descartar a existência de problemas físicos por meio de uma avaliação médica minuciosa.

Lidar com a enurese pode ser uma tarefa difícil para a família. Por isso, informação e orientação são essenciais. “Em primeiro lugar é preciso saber que a criança não faz xixi na cama porque quer. É um sofrimento para ela e motivo de vergonha também. Castigos, punições e piadas são a pior abordagem. Só levam a criança a se sentir mais ansiosa, incapaz e sem autoestima”, diz Sâmara.

Para a psicóloga, o indicado é explicar para a criança o que acontece e buscar uma solução.  “Sentir o acolhimento e a empatia dos pais e familiares traz um alívio tão grande que, muitas vezes, já se percebem alguns sinais de melhora.”

Quando a situação não é bem conduzida pode levar a criança a desenvolver problemas de autoestima e socialização, tendendo ao isolamento. “É preciso tratar a questão com cuidado e delicadeza, evitando expor sua intimidade, contando para as pessoas que ela faz xixi na cama. Além disso, jamais compará-la com irmãos ou outras crianças.”

Outra dica da psicóloga é incentivar a criança a participar do processo de controle do xixi. “É importante que ela ajude a trocar a roupa de cama, sua própria roupa e ajude a colocar na máquina de lavar, por exemplo.”

Segundo a psicóloga, ao fazer isso, os pais devem ter cuidado para não dar a ideia de punição. “A criança precisa perceber que pode se cuidar, com a ajuda dos pais. Isso dará a ela uma sensação de autonomia e de que está crescendo e se responsabilizando por sua higiene, por si mesma, o que pode influenciar positivamente em sua autoestima.”

Medidas práticas para evitar que seu filho faça xixi na cama:

1 - Hidrate bem a criança durante o dia para que ela não sinta tanta sede à noite.

2 - Procure não dar muitos líquidos para a criança próximo da hora de dormir.

3 - Evite dar bebidas com cafeína à criança.

4 - Contribua para que a criança tenha uma alimentação saudável, rica em verduras, frutas e legumes, que melhoram o funcionamento do intestino. A constipação intestinal dificulta o controle urinário.

5 - Estabeleça uma rotina para a criança, incluindo uma ida ao banheiro para fazer xixi e escovar os dentes, imediatamente antes de deitar. Deitar de bexiga vazia aumenta capacidade de armazenar a urina produzida durante a noite.

6 - Reconheça e elogie os dias em que a cama amanhece seca, mas é preciso acolher e dizer que está tudo bem também nos dias em que isso não acontece.

7 - Se necessário, busque a ajuda de um psicólogo.

Fontes: Sâmara Jorge, psicoterapeuta, e Eliane Garcez da Fonseca, pediatra do Departamento Científico de Pediatria Ambulatorial da SBP (Sociedade Brasileira de Pediatria).

 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
BBC
do UOL
ESPNW
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Redação
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Redação
do UOL
UOL Estilo
do UOL
do UOL
do UOL
Redação
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Estilo
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo