Bebês

Índice de gestações de trigêmeos cai 41% nos Estados Unidos

Getty Images
Queda no número de múltiplos é atribuída a novas técnicas de fertilização Imagem: Getty Images

Nicholas Bakalar

The New York Times

01/06/2016 12h06

O índice de gestações com três ou mais bebês cresceu rapidamente durante os anos 1980 e 1990, mas essa tendência parece ter chegado ao fim.

De acordo com um novo relatório do Centro Nacional de Estatísticas de Saúde, o índice de gestações com três ou mais bebês caiu 41% de 1998 a 2014. Mais de 90% dessas gestações é de trigêmeos.

A maior parte do declínio ocorreu entre mulheres a partir de 25 anos, especialmente de mais de 45 anos, uma queda de 67%: passando de 2.326 a 769.9 a cada 100 mil partos. Mulheres brancas não hispânicas foram as que tiveram a maior queda, de cerca de 46%.

Entretanto, o total de gestações com três ou mais bebês ainda é 57% mais alto nesse grupo do que entre mulheres negras não hispânicas, e mais de duas vezes maior que o total entre mulheres hispânicas.

O declínio ocorreu em nível nacional. Apenas Oklahoma e Louisiana apresentaram um aumento no índice de trigêmeos, ainda que o aumento tenha sido pequeno – 8% em Oklahoma e 4% na Louisiana.

Mães mais velhas têm mais chance de apresentarem gestações de múltiplos e o aumento anterior a 1998 foi atribuído ao aumento da idade média das gestantes, de acordo com uma especialista na área, Joyce A. Martin, estatística da NCHS.

De acordo com ela, “a média de idade das gestantes continuou a crescer, então era de se esperar que o total de trigêmeos também crescesse. Dessa maneira, não se pode atribuir o declínio a mudanças na idade das gestantes”.

“Acreditamos que a queda se deva a mudanças nas terapias de fertilidade, especialmente nas tecnologias de reprodução assistida”, acrescentou.

Atualmente, os centros de fertilidade são orientados a não inserir muitos embriões em mulheres submetidas aos tratamentos.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Estilo
UOL Estilo
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
Gravidez e Filhos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Estadão Conteúdo
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Gravidez e Filhos
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
Topo