Pós-parto

Baby blues ou depressão pós-parto? Saiba qual é a diferença

Getty Images
Com o nascimento do bebê, a mulher sofre uma queda nos hormônios que pode levar ao baby blues imagem: Getty Images

Thamires Andrade

Do UOL, em São Paulo

A maior parte dos hormônios da gravidez é secretada pela própria placenta. Portanto, logo que o bebê nasce, o nível de hormônios no corpo da mãe cai 200 vezes. Essa diminuição repentina desestabiliza os neurônios e provoca o baby blues ou blues puerperal.

Trata-se de um estado de tristeza ou irritação leve que acomete 85% das mulheres no pós-parto. Durante esse período, a mãe se sente bem e feliz com o nascimento do filho, mas, mesmo assim, tem rompantes de choro. Ao ser questionada sobre o porquê de estar chorando, ela não consegue elaborar o motivo.

O normal é que o baby blues desapareça 15 dias após o parto. Caso os sintomas persistam ou se acentuem, é provável que a mulher esteja com depressão pós-parto, doença que acomete 15% das mulheres no puerpério.

Neste quadro, a mulher pode tanto rejeitar o bebê quanto superproteger a criança, não deixando que ninguém a toque, nem mesmo o próprio pai. É papel, tanto dos obstetras durante as consultas de rotina quanto dos familiares, identificar essas mudanças no humor da mãe para encaminhá-la a um especialista.

Os pediatras também são profissionais capacitados para observar sinais de alteração nos campos emocional e psicológico da mãe.

É importante obter um rápido diagnóstico para que a gestante possa se tratar, dar conta de cuidar do bebê e aproveitar esse momento precioso.

O tratamento para a depressão pós-parto é medicamentoso e compatível com a amamentação. Os especialistas também indicam psicoterapia para que a nova mãe aprenda a lidar com a culpa.

Um dos fatores de risco para a depressão pós-parto é o confinamento das mães em casa com os bebês. Para evitar isso, os médicos recomendam que elas saiam para tomar sol e que tirem pelo menos uma hora do dia para si.

Mas o risco da depressão não se limita aos dias após o parto. Até o segundo ano de vida do bebê as mães são mais suscetíveis a ter a doença.

Consultoria: Carolina Ambrogini, ginecologista e obstetra; Ana Merzel Kernkraut, psicóloga e coordenadora de Psicologia no Hospital Albert Einstein, em São Paulo; Moises Chencinski, pediatra e membro do Departamento de Aleitamento Materno da SPSP (Sociedade de Pediatria de São Paulo).

 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Guia do Bebê
Guia do Bebê
It Mãe
do UOL
Cenapop
Cenapop
It Mãe
Disney Babble
Guia do Bebê
do UOL
Guia do Bebê
Disney Babble
It Mãe
Guia do Bebê
It Mãe
Folha de S. Paulo
Guia do Bebê
Harper's Bazaar
Maternar
Maternar
Guia do Bebê
It Mãe
RedeTV!

Saúde do homem também pode complicar gestações; veja entrevista

A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que 10% das mulheres grávidas e 13% das que acabaram de dar à luz sofrem algum tipo de distúrbio mental. Em países em desenvolvimento o índice sobe para 20%. A depressão seria o comportamento mais comum entre esses distúrbios e requer, na maioria das vezes, interferência psiquiátrica. Ela se difere de baby blues ou tristeza materna, que é uma situação considerada normal e temporária, e atinge cerca de 80% das mulheres. Depressão pós-parto e perda gestacional foi o tema da transmissão ao vivo da "TV Folha" nesta quarta-feira (27), com as participações da obstetra e ginecologista do Hospital das Clinicas de São Paulo Albertina Duarte e da especialista em cuidados com bebês e crianças Mariana Alves. A mediação é da blogueira Camila Appel, do "Morte Sem Tabu". Há alguns fatores de risco para se considerar, como passar por quebras de expectativas (ter imaginado o parto perfeito ou não sentir amor imediato pelo bebê), já ter tido depressões prévias e perdas gestacionais. O momento é de extremo cansaço para mãe, que pode sofrer de transtornos de humor normais em até um mês após o parto. Se o quadro se agrava depois do período, é recomendada a busca por ajuda médica. A perda gestacional impacta cerca de 10% das mulheres e é sentida como um luto profundo, por mulheres e homens. Entre as causas, Albertina destaca a má-formação do feto, infecções, falta de vitamina (D especialmente) e stress. Ressalta também que a perda pode acontecer devido a infecções presentes no esperma e por isso ser algo não apenas relacionado à saúde da mãe. Mariana fala em um aumento tanto de casos de depressão pós-parto quanto de perdas gestacionais. Albertina e Mariana concordam que sintomas da sociedade contemporânea estariam associadas a essa realidade, como o stress e a má alimentação.

Gravidez e Filhos
Revista Caras
Gravidez e Filhos
do UOL
Revista Máxima
Maternar
do UOL
Maternar
do UOL
Revista Ana Maria
Guia do Bebê
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Gravidez e Filhos
Gravidez e Filhos
UOL Mulher - Gravidez e Filhos - Álbuns
UOL Mulher - Gravidez e Filhos - Álbuns
UOL Mulher - Gravidez e Filhos - Álbuns
UOL Mulher - Gravidez e Filhos - Álbuns
Topo