Pós-parto

Quarentena pós-parto não é lenda e colabora para o bem-estar da mulher

Getty Images
Corpo da mulher precisa de um tempo para voltar a ser como era antes da gestação Imagem: Getty Images

Beatriz Vichessi

Colaboração para o UOL

11/10/2016 12h02

Tenha sido o parto normal ou cesárea, o corpo da mulher precisa de um tempo para que suas funções fisiológicas voltem a ser como eram antes da gestação.

“Para ter uma ideia, o útero, antes de uma gestação, tem em média 50 gramas. Logo após o parto, chega a ter cerca de um quilo”, fala Alberto Jorge Guimarães, gerente médico do Cejam (Centro de Estudos e Pesquisas Dr. João Amorim), em São Paulo.

Quarenta dias –daí o nome quarentena-- é o tempo máximo exigido para esse descanso. O intervalo pode ser um pouco mais curto ou mais extenso, a depender de como foi o pré-natal, o parto e de como a mulher se sente com o passar dos dias.

Essa fase não exige grandes esforços nem que a mulher deixe de fazer coisas cotidianas, como lavar o cabelo, tal como se pensava no passado. A seguir, 13 informações importantes sobre a quarentena:

1 – É indicado não ingerir alimentos famosos por causar excitação, como café, chocolate e refrigerante, pois eles podem provocar cólica no bebê. Ainda é melhor evitar comer alimentos gordurosos e excesso de lactose, que também contribuem com o problema.

2 – Alimentação leve e nutritiva colabora com a recuperação da energia perdida no parto, nos primeiros dias com o bebê em casa e também com a perda do peso ganho durante a gravidez. Por conta disso é que a canja de galinha é um prato recomendado no período, por ser rico em carboidratos e proteína.

3 – A mulher não deve manter relações sexuais em que seja penetrada. Se tiver passado por uma cesárea, o intervalo é de 30 dias. O mesmo vale se o parto tiver sido normal sem laceração. No caso de laceração, é preciso avaliação do médico. Embora não exista risco de gravidez enquanto a mulher não ovular e menstruar pela primeira vez depois que o bebê nascer, manter relações não é indicado por questões relacionadas à recuperação do físico.

Assim que o médico liberar a retomada da vida sexual, é indicado usar lubrificante à base d’água nas primeiras relações sexuais para que a mulher não sinta dor e fique mais à vontade.

O parceiro precisa ter muita paciência: além de poder sentir algum desconforto durante a penetração por causa da baixa lubrificação na área, é bem provável que a libido da mãe esteja bem baixa, já que o hormônio estrogênio está em baixa quantidade no corpo, porque está sendo inibido graças à ação da prolactina, responsável pela amamentação.

4 – É possível e desejável fazer atividade física, retomando a prática ou começando com sutileza 30 dias após o nascimento da criança, desde que haja consentimento médico. O especialista vai avaliar a cicatriz da cesárea ou a condição do períneo, caso tenha ocorrido laceração, e a disposição da mulher. A preferência deve ser dada a exercícios de baixo impacto --como natação, hidroginástica e caminhada--, nada de investir em abdominais nessa fase. É importante ainda frisar que o objetivo da mulher não deve ser, em hipótese alguma, perder peso com a prática física. O foco deve estar na manutenção do bem-estar físico e emocional, ganhando assim algum tempo para ela ficar a sós consigo mesma, relaxar, espairecer, falar sobre outros assuntos que não a maternidade e se divertir.

5 – Se a gestação tiver sido tranquila e o parto também, é possível voltar a dirigir depois de 20 dias de o bebê ter nascido. O médico avalia se o corte da cesárea ou a laceração do parto normal está cicatrizando bem, entre outras coisas, e libera a paciente para guiar normalmente.

6 – Águas e outros líquidos com grande poder de hidratação (água de coco, isotônico, chás e sucos naturais) devem ser consumidos bastante para turbinar o período inicial da amamentação. Quanto mais o bebê puder mamar, melhor vai dormir. E consequentemente a mulher também terá tempo para repousar e se recuperar.

7 – É preciso ficar de olho nas emoções porque é na quarentena a maior chance de a mulher apresentar depressão pós-parto. Uma das dicas dos médicos é ser resiliente consigo mesma e entender, no caso das mães de primeira viagem, que tudo é muito novo e a mulher está em ritmo de aprendizagem, errar fazer parte, tal como demorar para cumprir as tarefas, e se atrapalhar com coisas aparentemente simples, por exemplo, dar banho no filho. 

8 – Não usar medicamentos contraindicados para o período da amamentação. Os obstetras costumam listar o que a puérpera pode tomar no caso de dor de cabeça e outros problemas corriqueiros. Caso ela sinta dores, coceira ou febre na região do corte da cesárea ou vaginal, é preciso consultar o médico rapidamente. 

9 – Gastar o mínimo de energia possível --física e mental-- é muito indicado pelos médicos. Em geral, a mulher deve se ocupar dos cuidados com o filho e com passar os dias sem se expor a grandes emoções e esforços. Isso significa dormir, sempre que possível. 

10 – Está liberado tomar banho e lavar o cabelo logo após o parto e nos demais dias da quarentena, se assim a mulher desejar. A recomendação feita por alguns povos e pessoas idosas de se privar desses hábitos de higiene tão rotineiros não tem fundamento científico.

11 – É interessante evitar pegar peso o máximo de tempo possível para não forçar o corte da cesárea nem o curativo da região do períneo, caso tenha havido laceração.

12 – Não usar absorventes internos para conter o sangramento pós-parto. Não se trata de uma proibição e sim de uma indicação inteligente já que os modelos maiores, como os geriátricos, costumam ser mais eficientes para absorver o fluxo. No mais, no caso de quem teve parto normal, a dica tem como foco manter a região vaginal, que já foi tão exigida, preservada.

13 – É perfeitamente possível sair de casa para passear. Tanto mãe quanto o filho não só podem como devem, se a mulher se sentir à vontade, respirar novos ares.

Consultoria: Alberto Jorge Guimarães, gerente médico do Cejam (Centro de Estudos e Pesquisas Dr. João Amorim); Luiz Fernando Leite, obstetra do Hospital e Maternidade Santa Joana, e Eduardo Zlotnik, ginecologista do Hospital Israelita Albert Einstein, todos em São Paulo.
 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

do UOL
UOL Estilo
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Guia do Bebê
Guia do Bebê
It Mãe
do UOL
Cenapop
Cenapop
It Mãe
Disney Babble
Guia do Bebê
Guia do Bebê
Disney Babble
It Mãe
Guia do Bebê
It Mãe
Folha de S. Paulo
Guia do Bebê
Harper's Bazaar
Maternar
Maternar
Guia do Bebê
It Mãe
RedeTV!

Saúde do homem também pode complicar gestações; veja entrevista

A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que 10% das mulheres grávidas e 13% das que acabaram de dar à luz sofrem algum tipo de distúrbio mental. Em países em desenvolvimento o índice sobe para 20%. A depressão seria o comportamento mais comum entre esses distúrbios e requer, na maioria das vezes, interferência psiquiátrica. Ela se difere de baby blues ou tristeza materna, que é uma situação considerada normal e temporária, e atinge cerca de 80% das mulheres. Depressão pós-parto e perda gestacional foi o tema da transmissão ao vivo da "TV Folha" nesta quarta-feira (27), com as participações da obstetra e ginecologista do Hospital das Clinicas de São Paulo Albertina Duarte e da especialista em cuidados com bebês e crianças Mariana Alves. A mediação é da blogueira Camila Appel, do "Morte Sem Tabu". Há alguns fatores de risco para se considerar, como passar por quebras de expectativas (ter imaginado o parto perfeito ou não sentir amor imediato pelo bebê), já ter tido depressões prévias e perdas gestacionais. O momento é de extremo cansaço para mãe, que pode sofrer de transtornos de humor normais em até um mês após o parto. Se o quadro se agrava depois do período, é recomendada a busca por ajuda médica. A perda gestacional impacta cerca de 10% das mulheres e é sentida como um luto profundo, por mulheres e homens. Entre as causas, Albertina destaca a má-formação do feto, infecções, falta de vitamina (D especialmente) e stress. Ressalta também que a perda pode acontecer devido a infecções presentes no esperma e por isso ser algo não apenas relacionado à saúde da mãe. Mariana fala em um aumento tanto de casos de depressão pós-parto quanto de perdas gestacionais. Albertina e Mariana concordam que sintomas da sociedade contemporânea estariam associadas a essa realidade, como o stress e a má alimentação.

do UOL
Gravidez e Filhos
Revista Caras
Gravidez e Filhos
do UOL
Revista Máxima
Maternar
do UOL
Maternar
do UOL
Revista Ana Maria
Guia do Bebê
do UOL
Topo