Adolescência

Cirurgia é etapa do tratamento da obesidade na adolescência, não solução

Getty Images
O pós-operatório do adolescente só é mais difícil do que o do adulto porque exige controle emocional Imagem: Getty Images

Do UOL

14/10/2016 07h25

Cerca de três milhões de jovens brasileiros, com idade entre 13 e 17 anos, estão com excesso de peso. Desse total, um milhão é obeso. Os dados são da Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar, divulgada em agosto pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Os números foram o ponto de partida para diversas discussões ocorridas durante o Simpósio da Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica, realizado no Rio de Janeiro, em setembro. Afinal, a redução de estômago é uma medida válida para conter a obesidade entre a população jovem do nosso país?

“Quando o médico e o paciente se convencem de que esgotaram todas as tentativas de tratar a obesidade exclusivamente com a mudança do estilo de vida, a alternativa mais eficaz é a cirurgia”, diz o médico Caetano Marchesini, presidente da Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica. No Brasil, de acordo com as diretrizes do Conselho Federal de Medicina, jovens entre 16 e 18 anos podem ser submetidos à intervenção.

O principal objetivo do tratamento é garantir a saúde. “Pacientes com IMC [índice de massa corporal] acima de 35, que tenham doenças secundárias à obesidade, como pressão alta, diabetes, apneia do sono e problemas de mobilidade, são candidatos à cirurgia, assim como jovens com IMC acima de 40”, afirma Marchesini.

Na avaliação do quadro, o impacto da obesidade na autoestima dos jovens é levado em conta, bem como os prejuízos à vida social, pessoal e escolar.

“O Conselho Federal de Medicina indica depressão e estigmatização social como critérios para a realização da cirurgia. Estamos falando de jovens que passam por intenso sofrimento psíquico e que enfrentam prejuízos sociais acarretados pela obesidade”, declara a psicóloga Nelia Mendes Fernandes, da equipe de cirurgia bariátrica do Hospital Federal dos Servidores do Estado, no Rio de Janeiro.

O durante e o depois

O cirurgião do aparelho digestivo Sidney Klajner, vice-presidente do Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo, explica que a técnica mais utilizada nessa faixa etária é a gastrectomia vertical, que diminui o tamanho do estômago para que a saciedade seja atingida rapidamente.

“É um procedimento que gera menos problemas de absorção de nutrientes, um ponto importante para o adolescente, que ainda não completou o crescimento”, fala Klajner, que acrescenta que com a técnica ocorre um emagrecimento mais saudável do ponto de vista nutricional.

Mas, mesmo após a realização da cirurgia, o adolescente precisa de acompanhamento nutricional e suplementação vitamínica. O cuidado deve ser mantido para o resto da vida. A assistência psicológica também é indispensável, pelo menos durante um período.

“Adolescentes anseiam por modificações corporais, pois acreditam que elas sejam o passaporte para uma vida mais plena e feliz. É como se ganhassem um convite VIP para uma festa muito desejada”, afirma Nelia.

Porém, sem ajustar as próprias expectativas à realidade, há o risco de que continuem insatisfeitos com a forma corporal, ainda que tenham realizado a intervenção. “As sobras de pele são as queixas mais recorrentes, assim como a dificuldade de reconhecer o próprio corpo”, diz a psicóloga.

O cirurgião Klajner afirma que o pós-cirúrgico do adolescente só é mais difícil do que o do adulto porque exige controle emocional, uma característica em desenvolvimento em uma pessoa em plena fase de transformação.

A psicóloga Andrea Levy, especializada em obesidade e cirurgia bariátrica pela USP (Universidade de São Paulo), concorda. Ela reforça que o paciente, apesar de novo, precisa ser maduro o suficiente para entender que a cirurgia não é o término do tratamento, mas apenas uma das etapas dele.

“Para emagrecer, é preciso seguir uma série de regras. Porque não há cura, mas controle da obesidade”, declara Andrea. Em outras palavras, não há como fugir da lição de casa: é fundamental se comprometer com uma mudança de estilo de vida, que inclui fazer atividade física regularmente e vigiar a qualidade e a quantidade dos alimentos ingeridos.

“Muitas vezes, os ambientes escolares, domiciliares e sociais não colaboram para a mudança de hábitos”, diz Caetano Marchesini. Por isso mesmo a participação e o interesse da família no processo de emagrecimento, mesmo após a cirurgia, são essenciais para o êxito.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

UOL Estilo
do UOL
do UOL
BOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Comportamento
ESPNW
Redação
Redação
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Gravidez e Filhos
do UOL
Vya Estelar
do UOL
do UOL
Revista Ana Maria
BBC
UOL Cinema
Folha de S. Paulo
UOL Educação - BBC
do UOL
Folha de S. Paulo
Folha de S. Paulo
Folha de S. Paulo
Disney Babble
BBC
do UOL
Folha de S. Paulo
do UOL
Redação
UOL Notícias - Educação - Enem
do UOL
Redação
do UOL
do UOL
Topo