Adolescência

Pai coxinha e filho mortadela: quando a treta política começa em casa

Julia Guglielmetti/UOL
Mariana, 18, e o pai Vitor, 46, não concordam quando o assunto é política, mas mantêm boa relação Imagem: Julia Guglielmetti/UOL

Natália Eiras

Do UOL

06/12/2016 07h05

As famílias não estão imunes ao clima de Fla x Flu que paira no ar. Por isso, para que uma divergência de opiniões de pais e filhos não ganhe contornos de guerra doméstica, os adultos precisam fazer uso da maturidade conquistada com a idade para entender o adolescente e não impor a própria visão.

Marisol Sendin, pediatra e psicoterapeuta do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas de São Paulo, fala que o embate faz parte de um período muito importante para o desenvolvimento do adolescente: o questionamento das ideias vindas dos pais para formar uma opinião própria. "É preciso tolerar essas visões opostas sem levar para o lado pessoal."

Na casa do advogado Vitor Alessandro de Paiva Porto, 46, basta um comentário mais indignado da filha, Mariana Muçouçah Porto, 18, para a sala de estar se tornar palco de um debate. Ambos têm muitas opiniões parecidas, mas divergem quando o assunto é o impeachment de Dilma Rousseff. Para Mariana, foi golpe, para Vitor, a democracia foi exercida.

Julia Guglielmetti/UOL
O debate político na casa de Vitor e Mariana acaba quando um dos dois perde a paciência Imagem: Julia Guglielmetti/UOL
O advogado diz que os debates param no momento em que um dos dois perde a paciência.

"Nunca brigamos porque não faz parte da minha natureza. Encerramos a discussão quando vemos que um não vai convencer o outro de nada", declara o pai. "Ele é muito compreensivo. Se fosse menos centrado, a gente entraria em discussões mais pesadas", fala Mariana.

Segundo a professora Leila Tardivo, do Instituto de Psicologia da USP (Universidade de São Paulo), o respeito mútuo é o segredo para manter uma relação harmoniosa dentro de casa. Os jovens têm de respeitar a experiência dos adultos e estes, a juventude dos filhos.

Opinião: cada um tem a sua?

Vitor diz acreditar que o debate político é fundamental para qualquer família e para a relação que tem com a filha. "Preciso aprender a ouvi-la e defender o direito dela falar o que acha", diz o pai.

A psicóloga Graça Maria Ramos de Oliveira, do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas, defende que essas discussões podem mesmo reforçar o vínculo entre pais e filhos. "Permitir que o jovem tenha pensamentos diferentes e estimulá-lo a ter senso crítico o ajuda a se interessar verdadeiramente por diversos temas e favorece o raciocínio. Essas conversas aproximam e permitem que todos conheçam o que cada um pensa", afirma a especialista.

O cuidado, no entanto, reside na forma como serão abordados os assuntos "quentes". "É para falar se for para conversar e não brigar. Muitas vezes, as pessoas puxam o tema como uma forma de provocar o outro", declara Leila Tardivo.

Invadir escola x manifestação

Mas há momentos em que as discussões acabam se tornando planos de ação, como é o caso das invasões de escolas públicas em protesto à PEC (Proposta de Emenda à Constituição) 241 --que estabelece um limite para o aumento de gastos públicos pelos próximos 20 anos-- e manifestações de rua.

Segundo Leila, concordando ou não com o filho, é importante deixá-lo ir para a rua. "Permita que o adolescente pense, proteste, mas tudo dentro do limite da legalidade."

Graça lembra que os pais serão responsabilizados pelos atos ilícitos dos filhos. Caso o menor de idade seja preso por vandalismo, são os adultos que terão de enfrentar a Justiça. "Os pais precisam estar cientes que, ao permitirem que os filhos permaneçam em um ambiente sem uma estrutura que possa assegurar segurança e bem-estar, como uma invasão de escola, eles podem estar sendo negligentes a cuidados básicos."

Mesmo quando a filha era menor, Vitor nunca impediu que Mariana fosse a passeatas, mas não a deixaria participar da ocupação de uma escola. De qualquer forma, ele fala que essa negociação, sobre como ela pode exercer sua cidadania, é importante para todo mundo. "Respeitar o crescimento dos nossos filhos também é uma forma de proteger."

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
UOL Estilo
do UOL
do UOL
BOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Comportamento
ESPNW
Redação
Redação
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Gravidez e Filhos
do UOL
Vya Estelar
do UOL
Revista Ana Maria
BBC
UOL Cinema
Folha de S. Paulo
UOL Educação - BBC
do UOL
Folha de S. Paulo
Folha de S. Paulo
Folha de S. Paulo
Disney Babble
BBC
do UOL
Folha de S. Paulo
do UOL
Redação
UOL Notícias - Educação - Enem
do UOL
Redação
do UOL
Topo