Infância

Publicidade velada de youtubers mirins leva crianças ao consumismo

Arquivo pessoal
Aos três anos, Clarissa adora assistir a desenhos e a vídeos sobre brinquedos no YouTube Imagem: Arquivo pessoal

Melissa Diniz

Do UOL

Há quatro meses, Clarissa decidiu o quer ganhar de Natal: uma boneca que mama, faz xixi e pode ter a fralda trocada como um bebê de verdade. Esse não é o primeiro presente que a menina, de três anos, pede aos pais após ver vídeos em que crianças apresentam brinquedos no YouTube.

“Ela sempre me pede produtos da Disney e ovos de chocolate com surpresas. Nem sempre compro. Prefiro dar em datas especiais, mas já cedi por ficar com dó e já comprei um ou outro item, mesmo sem ela estar junto. Algumas coisas não estão à venda onde moramos, então, explico e ela entende”, afirma a mãe de Clarissa, Juliana Martins, 44, diretora de uma escola de idiomas em Goiânia (GO).

Hábil em usar o tablet, Clarissa começou a acessar o site para assistir a desenhos animados e passa até duas horas por dia com o aparelho. “Tudo começou quando eu precisei fazer um MBA em Campinas (SP) e a levava comigo. Essa foi uma maneira de distraí-la nas longas viagens de carro. Mas, entre uma animação e outra, aparecem novidades sobre brinquedos e ela adora ver”, diz.

Produzidos por youtubers mirins (crianças que têm canais próprios no site), os tais vídeos mostram uma prática que ficou conhecida como “unboxing” e consiste em abrir caixas de brinquedos e guloseimas na frente da câmera.

Assédio emocional

Você acha que a internet e a TV estimulam seu filho a pedir presentes?

Resultado parcial

Total de votos
Total de votos

Para Ana Olmos, psicoterapeuta de crianças, adolescentes e famílias, mais do que publicidade, esse tipo de material funciona como uma espécie de assédio. “Na vida mental das crianças e adolescentes, os youtubers são como amigos, pessoas próximas nas quais elas confiam. A comunicação que exercem tem um impacto violento sobre a criança, pois é direta e testemunhal, já que o apresentador experimenta o produto”, diz.

A psicóloga explica que, ao assistir ao vídeo, a criança tem a necessidade de ter o objeto mostrado para se sentir igual ao ídolo. “Quem não tem se sente inferiorizado, excluído do grupo. Isso mexe com a autoestima dos jovens e faz com que utilizem um mecanismo psíquico não intencional chamado identificação projetiva sobre os pais. Trata-se de uma forma de chantagem emocional, uma maneira de fazer com que se sintam obrigados a comprar o que querem por culpa, medo ou pena.”

Nesse momento, é comum que a criança venha com o discurso de que todo mundo na escola tem determinada coisa, menos ela. “Nenhum pai quer que o filho se sinta excluído, mas é importante entender que ceder a todos os pedidos é muito pior para a criança, que cresce achando que o outro só serve para gratificá-la.”

De acordo com a psicoterapeuta Ana, quando o filho ganha tudo o que pede, perde a capacidade de sentir desejo e de valorizar suas conquistas, tudo para ele perde a graça logo. “Conquistar algo por merecimento e em uma data que demorou a chegar é muito mais gostoso e faz a criança dar mais valor ao esforço dos pais para adquirirem o que pediu.”

A psicoterapeuta recomenda que os pais não deixem o filho ter acesso livre à internet, nem mesmo quando está assistindo a desenhos. “A criança não consegue distinguir o que é bom ou ruim. Principalmente nas fases iniciais de seu desenvolvimento cognitivo e emocional, por isso, é facilmente manipulada. Os adultos devem limitar o acesso, filtrar o que é visto, lembrando que ela precisa de vínculo com pessoas para se desenvolver, esse é o melhor alimento pedagógico.”

Com o passar do tempo, diz Ana, a criança frequentemente gratificada se torna vulnerável e pode vir a sofrer de ansiedade e depressão no futuro. “Ela se torna um jovem que têm uma fragilidade de ego. Não sabe lidar com a realidade e com a frustração, pois confunde ter objetos com ser alguém e não está acostumada a ouvir não.”

Prática abusiva

Reprodução/YouTube
Vídeo no YouTube mostra "unboxing" de boneca que vem com acessórios Imagem: Reprodução/YouTube

Na opinião de Ekaterine Karageorgiadis, advogada do Instituto Alana, ONG que criou o projeto "Criança e Consumo" para debater a publicidade dirigida a crianças e o consumismo infantil, a publicidade velada em vídeos de internet é ilegal e abusiva.

“Chama a nossa atenção a quantidade de grandes empresas que enviam produtos a esses youtubers para que mostrem em seus canais. São roupas, sapatos, brinquedos, doces. Trata-se de uma tática mais barata do que a publicidade convencional e também mais eficaz, pois as crianças confiam umas nas outras.”

Segundo a advogada a lei estabelece na Constituição Federal, no Código de Defesa do Consumidor, e no ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente) que o público infantil é mais vulnerável, não tem capacidade de julgamento nem experiência de vida e, por isso, precisa ser protegido contra esse tipo de assédio.

Em 2014, foi publicada a Resolução 163 do Conanda (Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente), que estabelece como abusivo o conteúdo que apresentar, com a finalidade mercadológica, desenhos, músicas, personagens ou apresentadores com apelo ao público infantil, promoções e prêmios voltados para crianças, bonecos ou similares. Trata-se, entretanto, de uma recomendação que não tem força de lei.

Por conta da propaganda velada feita pelos youtubers mirins, o Ministério Público Federal entrou com ação civil pública em setembro deste ano contra o Google Brasil, empresa responsável pelo YouTube no país. Na ocasião, o Google informou, por meio de nota, que o site é uma plataforma destinada a adultos e que seu uso por crianças deve ser mediado pelos pais ou responsáveis.

“Temos feito denúncias, proposto debates e buscado mobilizar a sociedade e outros atores sociais no sentido de alertar sobre os perigos desse tipo de vídeo, mas ainda não houve grandes mudanças. É preciso que Estado, família e sociedade se unam para que possamos obter um resultado melhor”, afirma Ekaterine.

Em seu site, o Instituto Alana publicou uma lista dos malefícios que a publicidade dirigida pode causar às crianças, como engordar, causar erotização precoce, distorcer valores, predispor ao consumismo e estressar as famílias.

 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
Revista Ana Maria
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Gravidez e Filhos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Notícias - Cotidiano
do UOL
UOL Notícias - Cotidiano
do UOL
do UOL
Gravidez e Filhos
Disney Babble
BBC
Gravidez e Filhos
Gravidez e Filhos
Folha de S. Paulo
do UOL
Gravidez e Filhos
Gravidez e Filhos
Ana Maria
Gravidez e Filhos
do UOL
It Mãe
Vya Estelar
UOL Notícias - Educação - Redação
BBC
Público
Revista Ana Maria
Disney Babble
do UOL
BBC
do UOL
Topo