Gravidez e filhos

Tabelas e desapego: pais de gêmeos dão dicas para Beyoncé cuidar dos bebês

Reprodução/Instagram/beyonce
Beyoncé anuncia segunda gravidez em foto publicada no Instagram Imagem: Reprodução/Instagram/beyonce

Vivian Ortiz

Do UOL

02/02/2017 11h15

Beyoncé surpreendeu seus fãs na última quarta-feira (1º) ao anunciar que está grávida de gêmeos. A cantora, de 35 anos, publicou no Instagram uma foto em que aparece segurando a barriga, usando lingerie e véu em meio a flores. Na rede social, agradeceu as mensagens de carinho dos fãs e celebrou sua segunda gestação.

Apesar das alegrias, criar dois ao mesmo tempo pode ser um tanto quanto confuso. Afinal, são bem mais fraldas para trocar, além de crianças chorando ou fazendo bagunça em dobro. O UOL conversou com pais de gêmeos para contar os truques que elas aprenderam nessa jornada. Confira!

Tabelas

Arquivo pessoal
Imagem: Arquivo pessoal

Quando nossas filhas eram bebês, fazíamos uma planilha com o nome da criança e quantas vezes cada uma fazia cocô em um dia. Não queríamos correr o risco de uma delas estar sem fazer cocô há dias e não percebermos, afinal, de qualquer forma as fraldas eram trocadas diariamente, mas poderíamos não notar que era de apenas uma delas.

Fazíamos o mesmo com remédios: quando dava para uma, anotava, pois elas acordavam em horários diferentes. Assim, quando a outra despertava, olhava na tabela para ter certeza de qual das meninas eu já havia medicado."
Carla Pestana Nóbrega, 31, e Alex Nóbrega, 40, pais de Tarsila e Manuela, de 7 anos

Carrinhos separados

Arquivo pessoal
Imagem: Arquivo pessoal

"Existem várias fases quando você cria gêmeos: a das cólicas, a de não dormir a noite inteira, a de nascerem os dentes. Era bem difícil de noite e de madrugada, porque eu as acordava de três em três horas, só que uma de cada vez, para conseguir dar de mamar, trocar e fazer dormir.

Se fosse hoje, eu compraria o carrinho que vai um atrás do outro, pois os de lado ocupam muito espaço e não passam nos lugares. Tanto que tínhamos carrinhos separados, e cada um levava uma das meninas cada vez que a família saia de casa."
Adriana Brolio Panachi, 46, e Ronie Panachi, 47, pais de Ana Luísa e Vitoria, de 9 anos

Cores diferentes

Arquivo pessoal
Imagem: Arquivo pessoal

"A rotina era parecida para os dois. Geralmente tratava de um e depois do outro, mas acontecia de chorarem ao mesmo tempo e então ambos mamavam juntos no peito. Depois, eles faziam tudo meio em parceria: era uma colherada para um e depois para o outro, na hora da comida.

Não visto os meninos com roupas idênticas, mas acontecia bastante de colocar peças iguais com cores diferentes, pois facilitava bastante quando eram bebês. Copinhos, escovas, utensílios em geral eram similares, mas o de um era verde e do outro azul. Hoje já misturo um pouco mais, o de um pode ir para o outro, mas ainda aplico a técnica."
Thais Bianca Padin, 36, mãe de Théo e Bruno, de 5 anos, e de Pedro, de 10 meses

Dormir juntos

Arquivo pessoal
Imagem: Arquivo pessoal

"Tivemos uma situação bastante interessante quando as meninas tinham cerca de um mês. Elas simplesmente não dormiam e choravam a noite inteira. Chegava a ficar mal de tanto sono. Minha mãe falava para eu colocar as duas juntas no mesmo berço, mas eu não acreditava que ajudaria. No entanto, certa vez estava tão exausta que acabei colocando. Foi como um milagre, e a primeira vez que dormi bem depois que as meninas nasceram.

Até hoje, quando se sentem inseguras, elas dormem juntas. Naquela época, inclusive, chegamos a desmontar um dos berços. Depois, compramos uma cama de casal e as duas continuaram a dormir juntas, às vezes até na mesma posição e de mãos dadas. Um amor. De tão unidas, nossas filhas têm até um canal no Youtube, chamado 'A Vida das Gêmeas'."
Rochelen Jardim, 32 e Rafael Veriato, 33 , pais de Vitória e Valentina, de 9 anos

Precisar desapegar

Arquivo pessoal
Imagem: Arquivo pessoal

"Tem histórias que só acontecem com mãe de gêmeos. Sempre fui muito tranquila, mas haja bom humor com as adversidades. Em um dia de folga no trabalho, decidi fazer um super almoço para as crianças, naquela versão totalmente saudável. Após três horas na cozinha, servi o almoço em forma de pic nic, com direito a toalha sob o tapete de sala e todos em volta. Deu tudo errado.

As crianças não ficaram sentadas e, enquanto um deles cuspia toda comida que eu dava, o outro pedia para comer. Tentei novamente com o primeiro, que saiu correndo e pisou no prato da mais velha, começando uma gritaria. Depois de 12 minutos limpando a sujeira, decidi dar comida só para o que estava chorando de fome, e alimentar o outro só com uma mamadeira. Ou seja: melhor entender o que cada um quer naquele momento que está tudo certo."
Flávia Silva Costa, 45, mãe de Pedro e Felipe, de 2 anos, e de Ana Clara, de 9 anos

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Gravidez e Filhos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo