Estilo de vida

Infância

Não é mimimi: ação "Criança Não Namora" alerta pais sobre pular etapas

Imagem do post "Criança Não Namora" do Conselho Nacional de Justiça imagem: Reprodução/Facebook

Adriana Nogueira

Do UOL

18/04/2017 15h11

Em 8 de abril, o CNJ (Conselho Nacional de Justiça) fez uma publicação em sua página do Facebook com o objetivo de chamar atenção sobre a sexualização da infância. Com o mote “Criança Não Namora”, a publicação já alcançou 12 milhões de pessoas e foi compartilhada mais de 150 mil vezes, tornando-se a mensagem em rede social de maior repercussão do CNJ desde a sua fundação, em 2004.

A ideia do post veio da campanha “Criança Não Namora! Nem de Brincadeira”, criada pela Secretaria de Assistência Social do Estado do Amazonas. Entidades de psicologia também têm replicado a iniciativa.

Antes que se diga que a ação é mais um excesso de patrulha politicamente correta sobre uma brincadeira inocente, a educadora sexual Maria Helena Vilela, integrante do Instituto Kaplan, organização não governamental voltada à educação sexual, dá sua opinião.

“É claro que os pais não fazem de forma consciente para prejudicar o filho, mas tem efeitos negativos, porque cria expectativas que a criança não tem condição de lidar”, afirma a especialista, que já gravou em seu canal no YouTube vídeo sobre o tema.

Maria Helena exemplifica. “Há crianças que, ao não serem ‘correspondidas’, sentem-se ridicularizadas, ficam com baixa autoestima. Esse incentivo estimula uma erotização precoce, porque os adultos começam com ‘vai lá, dá um beijo no seu namorado ou namorada’.”

Criança brinca de namorar

A educadora sexual afirma que a criança pode, sim, brincar de namorar, mas que é tão somente a imitação de um papel como qualquer outro, como brincar de professor ou de casinha.
Não se trata de reprimir o filho que chegar em casa falando que tem um namorado, segundo a psicodramatista e terapeuta de família Miriam Barros.

“Basta conversar. Pergunte como é esse namoro. Os pais devem ouvir e pontuar com frases como ‘ah, você gosta de brincar com tal pessoa’, ‘é um amigo, não namorado. Só adultos namoram’”, explica Miriam.

A terapeuta de família fala que, mesmo que façam como uma brincadeira, os adultos que perguntam à criança quem é o namorado dela fazem com que ela desloque seu interesse para coisas que não combinam com a infância.

“O resultado aparece em meninas de nove anos preocupadas com aparência. Em crianças que não querem mais brincar”, afirma Miriam.

Vulnerabilidade

De acordo com a neuropsicóloga Deborah Moss, mestre em desenvolvimento infantil, ao tratar como natural o namoro entre crianças, os pais tornam o filho vulnerável ao crime de abuso sexual.

“A criança que cresce sabendo que namoro é coisa de adulto, que carinhos como beijo na boca só acontecem entre adultos, tem mais condição de estranhar contatos físicos indevidos. Ela é mais capaz de reconhecer o abuso como violência”, diz Deborah.

Comunicar erro

Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Obs: Link e título da página são enviados automaticamente ao

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!