Gravidez e filhos

Vida sexual depois do parto passa por adaptação com corpo e paciência

Getty Images
Imagem: Getty Images

Gabriela Guimarães e Marina Oliveira

Colaboração para o UOL

26/04/2017 04h00

A blogueira Maria Cristina Bernardo, 36 anos, fundadora do Mães Empreendedoras, sentiu a vida sexual mudar após o nascimento do primeiro filho, Guilherme, hoje com 9 anos. “Eu estava tão ligada a ele que não conseguia pensar em qualquer outra coisa. Na verdade, eu chegava a me sentir culpada por pensar em algo que não fossem as necessidades do meu filho”, diz Maria Cristina, que também é mãe de João, 5 anos, e de Júlia, de apenas 2 meses.

Havia também o desgaste físico causado pelo aumento de tarefas diárias, pela privação de sono e pelo processo de adaptação aos novos papéis familiares. “Eu precisava cumprir horários com o bebê e isso afetou a rotina da casa, do trabalho e também a vida sexual. No fim do dia, eu ficava muito cansada”, explica.

Não bastassem tantas mudanças do lado de fora, o corpo da mulher também sofre modificações que colaboram para que a vida sexual seja colocada em segundo plano logo após o parto. Durante a amamentação, o que estimula a produção de leite é o hormônio prolactina. “Esse hormônio inibe o desejo e a excitação sexual”, explica a ginecologista e obstetra Carolina Rossoni, do Hospital e Maternidade São Luiz.

É fato que o desejo não é influenciado somente pelos hormônios e que os pensamentos eróticos também contam. Contudo, assim como aconteceu com Maria Cristina, é bem difícil a mulher pensar em sexo com um bebê precisando de cuidados quase que o tempo todo. “Normalmente, a retomada da vida sexual acontece após quatro a seis meses do nascimento da criança, quando a amamentação e a rotina familiar estão estabelecidas”, diz Carolina.

O corpo ainda está sofrendo mudanças

O período de ajustes na cama e adaptação com o corpo é normal. “O que mais interferiu na minha sexualidade foram os seios, porque estavam sempre cheios de leite e vazando. Eles não eram mais uma zona erógena”, diz a dona de casa Camila Battistini, 35 anos, mãe de quatro filhos, sendo o mais novo, Bento, de 1 ano.

O ressecamento vaginal também é comum no pós-parto. “Nas primeiras relações sexuais pode haver um certo desconforto, mas é possível amenizá-lo com lubrificante à base de água”, diz a ginecologista.

O desejo aparece aos poucos

O casal vai precisar retomar a intimidade. Voltar a namorar ao sentir-se confortável, sem o propósito de evoluir para o sexo, é uma estratégia que ajuda nessa fase, segundo o ginecologista e obstetra Luiz Fernando Carvalho, especializado em Reprodução Humana. “Quanto menos você faz sexo, menos tem vontade de fazer. No começo, é preciso estimular, criar algumas brincadeiras entre o casal. Daí o desejo vai aparecendo”, explica.

Um pensamento que também pode ajudar é o de que sexo nem sempre é sinônimo de penetração. “Mesmo durante o resguardo, fazíamos tudo fluir naturalmente. Rolavam beijos quentes, carícias, sexo oral e masturbação mútua”, diz Camila. Para o ginecologista e obstetra Alberto Guimarães, mestre pela Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), dar apoio e carinho também ajuda a estimular a relação. “Cuidar do bebê para o outro dormir é uma forma de incentivar a sexualidade”, diz.

Ser paciente também faz parte

O par deve ser paciente porque, além de todas as mudanças que a mulher está vivendo, há a questão da autoestima. Com o corpo completamente diferente, muitas passam a não reconhecer a própria imagem no espelho. “Eu nunca tive alteração de peso mas, na minha primeira gestação, engordei bastante. O estar gorda não é um problema, a questão é mudar o seu referencial. Isso afetou a minha autoestima”, conta Maria Cristina.

O que a ajudou a superar a fase foi sentir-se amada mesmo nos dias em que ela se via “mais descabelada do que o normal”. “Se você não está se valorizando e tem um companheiro que coloca a sua autoestima lá embaixo, associando um determinado tipo de corpo com prazer, o período se torna mais difícil”, diz. Guimarães concorda. “O parceiro precisa estar atento às mudanças emocionais da mulher, porque ela pode ter a sensação de que não desperta mais o desejo dele. Essa percepção pode retardar a retomada das relações”, explica o médico.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Estilo
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Gravidez e Filhos
Topo