Adolescência

Após 4 negativas, casal gay batiza filhos na igreja; "não desistimos fácil"

Reprodução/Facebook
Toni Reis e David Harrad conseguiram batizar Alyson, 16, Jéssica, 14, e Filipe, 12, na Igreja Católica 22 Imagem: Reprodução/Facebook

Thamires Andrade

Do UOL

28/04/2017 16h57

Toni Reis e David Harrad estão acostumados a lutar pelos seus direitos. Juntos desde 1990, o casal é reconhecido pela luta a favor da causa LGBT: batalharam por anos para oficializarem a união, que só foi possível em 2011 com a decisão do STF de reconhecer a união estável entre pessoas do mesmo sexo, e também foram protagonistas de uma decisão do STF de reconhecer o direito de adoção a casais homossexuais.

Pais de Alyson, 16, Jéssica, 14, e Filipe, 12, eles encontraram uma nova barreira quando quiseram batizar seus filhos na igreja católica. Depois que quatro igrejas da cidade se recusaram a fazer a cerimônia, Reis buscou o arcebispo da cidade, Dom José Antonio Peruzzo, que aceitou batizar os três.

Situações delicadas

“Durante essa peregrinação pelas igrejas, passamos por algumas situações delicadas. Quando contei para a secretária de uma das paróquias que era casado com outro homem, ela pulou da cadeira e gritou ‘nãããão’. Outras vinham com a desculpa de que a igreja é regida pelo código canônico e que só podia batizar bebê ou que não dava para batizá-los, pois não éramos casados na igreja. Aí eu falava, então eu caso, sem problemas, e a resposta era que pessoas do mesmo sexo não podiam”, relembra Reis.

Mas para Reis, o importante foi que a família não desistiu de realizar a cerimônia. “Sou católico e o David é anglicano, que é a igreja católica dos ingleses. Os rituais são os mesmos. As crianças também queriam ser batizadas e ficaram empolgadas. Não desistimos fácil. Para gente, problema é para ser solucionado e qualquer barreira se torna indignação”.

Processo de batismo

O arcebispo dom Peruzzo foi solícito com o casal e orientou que os padrinhos das crianças precisavam ser católicos e fazer um curso. Reis também conta que eles enviaram a documentação para a catedral e os três filhos fizeram a catequese a pedido do bispo. “Era para ter certeza de que eles queriam mesmo e conhecer todos os sacramentos. Eles toparam e adoraram”, conta.

“Acho que os pais têm que incentivar os filhos a seguirem com uma religião ou estudarem muito para pensar em uma inteligência transcendental. Eles vão fazer crisma e depois se não quiserem mais seguir a vida religiosa é uma escolha deles”, explica.

Cerimônia

O batizado dos três foi realizado no último domingo (23) na catedral Nossa Senhora da Luz dos Pinhais, na capital do Paraná, e a cerimônia foi celebrada pelo padre Elio Dall’Agnol. “Sempre digo que é nos caminhos mais difíceis, achamos as melhores frutas. No fim, eles acabaram sendo batizados na basílica, uma das igrejas mais lindas”, fala.

A cerimônia foi um momento de muita emoção para a família e os amigos. “Chorei em alguns momentos. Quando o padre anunciou logo no início que o Alyson, a Jéssica e o Filipe seriam batizados, chorei, lembrei-me do passado, da minha mãe e da minha primeira comunhão”, conta.

Reprodução/Facebook
Filipe, Alyson e Jéssica ficaram felizes de pertencer a uma religião Imagem: Reprodução/Facebook
Quando postou as fotos do batismo dos filhos em sua página do Facebook, Reis não esperava a repercussão obtida. “Muita gente escreveu admirado para a gente: ‘nossa, vocês são gays e cristão’. Lembro muito de uma frase do Clodovil: 'Religião é que nem roupa intima. Você tem que vestir e ter e não ficar esfregando na cara dos outros'. Então, nós temos a nossa religião e temos essa privacidade sobre isso e também respeitamos as outras religiões”, fala.

Sensação de pertencimento

Empolgado, Alyson contou que adorou a catequese e que está animado para fazer o curso de crisma. “Foi muito importante para mim a cerimônia do batismo. Gostei muito de ter uma religião”, conta.

Jéssica acredita que o batismo foi um marco que renovou sua vida. “Gostei muito de ter feito a catequese, aprendi coisas novas que não fazia a menor ideia e acho isso muito legal”, disse.

Filipe também ficou feliz por se sentir parte de uma religião. “Foi muito legal passar por tudo isso. O  padre da catequese foi muito gentil com a gente. Adorei a experiência", fala.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

UOL Estilo
do UOL
do UOL
BOL
do UOL
do UOL
do UOL
Comportamento
ESPNW
Redação
Redação
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Gravidez e Filhos
do UOL
Vya Estelar
do UOL
do UOL
Revista Ana Maria
BBC
UOL Cinema
Folha de S. Paulo
UOL Educação - BBC
do UOL
Folha de S. Paulo
Folha de S. Paulo
Folha de S. Paulo
Disney Babble
BBC
do UOL
Folha de S. Paulo
do UOL
Redação
UOL Notícias - Educação - Enem
do UOL
Redação
do UOL
do UOL
Topo