Gravidez e filhos

Pais listam vantagens e desafios de ter filhos com idades próximas

Getty Images
Imagem: Getty Images

Gabriela Guimarães e Rita Trevisan

Colaboração para o UOL

28/04/2017 04h00

Depois da novidade do primeiro filho, alguns pais costumam ter dúvidas se já é hora de ter o segundo bebê. Vai dar muito trabalho? Vamos dar menos atenção para um deles? Os irmãos vão se dar bem? Essas são algumas dúvidas que rondam a decisão. 

A incerteza não foi problema para a assessora de imprensa Gabriella Santana Caldeirão, 28, que já se casou com a decisão tomada: queria ter dois filhos, um na sequência do outro. O desejo passa pela experiência que teve com o seu irmão, 12 anos mais velho. Não que a relação fosse distante, mas, de fato, ambos sempre estiveram em fases de desenvolvimento muito diferentes e, portanto, cultivavam interesses diversos.

A natureza favoreceu os planos dela, que hoje é mãe de Leonardo, 4, e Lorenzo, 3. Como Gabriella previa, a relação de companheirismo entre dois se estabeleceu e se consolidou com o tempo. “Os dois fazem tudo juntos, até dormem no mesmo quarto por opção. Não conseguem ficar longe, chegam a chorar de saudades quando têm que se separar por algum motivo”, conta.

Na família da terapeuta sistêmica Ana Ariel, 36, a diferença de um ano e meio entre os filhos foi igualmente planejada. “Minha intenção foi a de que eles crescessem próximos e amigos, que tivessem sempre companhia para brincar”, diz Ana, mãe de Catarina, 8, e João, 6.

Com o passar dos anos, ela percebeu que a cumplicidade entre os dois também favorecia a troca de experiências e o aprendizado. “Foi muito mais fácil desfraldar o segundo, por exemplo”, afirma. E não foi só a experiência da mãe que fez a diferença no processo. Ana conta que a disponibilidade do mais novo para a transição era muito maior. “Ele queria ter a mesma autonomia do irmão”, diz.

O trabalho em casa também dobra

Para proporcionar uma convivência tão intensa entre irmãos, é preciso que os pais estejam preparados para as mudanças na rotina. “No planejamento do segundo filho, os pais devem se questionar se estão preparados para fazer com duas crianças o que estão fazendo, no momento, com apenas uma. Por mais que tenham experiência prévia, precisam estar cientes de que um novo filho trará novas solicitações e desafios”, afirma a psicóloga Juliana Germinari, pós-graduada pela Faculdade de Saúde Pública da USP (Universidade de São Paulo).

Ter duas crianças pequenas em casa significa assumir um dia a dia repleto de tarefas, que vão exigir bastante dos pais. “Pelo menos nos primeiros anos de vida dos filhos, será preciso dedicar quase que 100% do tempo livre a eles”, diz a psicóloga Marilena Bigoto, especialista em desenvolvimento humano.

Para dar conta de tudo, não é raro que um dos pais tenha que desacelerar a carreira. Na família do analista judiciário Jamil de Sousa, 51, foi a esposa quem abandonou a vida profissional para dar uma atenção maior aos filhos, Gabriela, 7, e Nicolas, 5.

Ele conta que a relação do casal passou por transformações profundas a partir do nascimento das duas crianças. “A gente realmente ficou sem tempo para nada. Além disso, enquanto as crianças são pequenas, elas exigem muitos cuidados. Então, interferem a todo momento”, diz.

Do lado dos filhos, também podem surgir dificuldades. Nos primeiros anos de vida, o mais velho pode se ressentir de não ter o colo da mãe sempre à disposição, se ela estiver muito dedicada ao bebê. “Pode ser que a criança projete essa carência no irmão e passe a ter raiva dele”, explica Marilena. É daí que surgem os primeiros episódios de ciúmes, que precisarão ser mediados pelos pais. 

Pais precisam ter tempo para relaxar

Lidar com todo o tipo de contratempo fica mais fácil quando o casal dialoga e toma as decisões em consenso. “Ter filhos é uma escolha, que deve ser tomada de forma consciente. É preciso ter em mente que ambos precisarão dar atenção e estar presentes na educação das crianças durante toda a vida delas”, diz Marilena.

Contar com uma rede de apoio – formada por profissionais, amigos ou familiares – também é uma forma de garantir uma transição mais suave na rotina, depois da chegada dos filhos. “Se os pais tiverem um tempo para si mesmos e para a relação, também estarão mais relaxados e seguros nos momentos de interação com as crianças”, diz o psicólogo Yuri Busin, mestre em Emoções Humanas pela Universidade Presbiteriana Mackenzie.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
Opiniões Estilo
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Estilo
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo