Gravidez e filhos

Nem mal-educada, nem sem limite: veja como identificar a criança hiperativa

Getty Images
Imagem: Getty Images

Malu Echeverria

Colaboração para o UOL

02/06/2017 04h00

A pedagoga paulistana Ellen de Carvalho Alves sofria ao ver a fama que o filho tinha ganhado na escola. Guilherme, na época com 5 anos, era uma criança impulsiva e, às vezes, até agressiva. Mesmo quando não estava envolvido em brigas entre os coleguinhas, acabava levando a culpa. "Lembro de uma festa de aniversário de um dos meninos da classe em que saiu uma discussão por causa de um brinquedo. Uma das mães logo gritou o nome do meu filho, mas ele estava ao meu lado o tempo todo, longe da confusão", conta Ellen.

Embora o julgamento premeditado da outra mãe a tenha chateado, não a surpreendeu. Guilherme, em diversas ocasiões, fez jus ao rótulo de "o briguento do colégio". Depois de procurar muita ajuda para entender o comportamento do filho, a pedagoga finalmente obteve um diagnóstico. Guilherme sofria de transtorno do déficit de atenção e hiperatividade (TDAH).

Hoje, aos 7 anos e em tratamento, o garoto está se desenvolvendo muito bem, no mesmo ritmo de outras crianças de mesma idade. Mas, vez ou outra, a família ainda se depara com a discriminação. Crianças hiperativas muitas vezes são taxadas de mal-educadas e encrenqueiras. 

Primeiros sinais do TDAH

O TDAH se caracteriza por sintomas como desatenção, inquietude e impulsividade, ou um misto de todas essas características. Isso acontece porque o cérebro dessas crianças apresenta alterações na região frontal, responsável pela atenção, organização, memória e autocontrole, entre outras funções.

Normalmente, os sintomas se tornam evidentes por volta dos 5 anos e tendem a acompanhar o indivíduo pelo resto da vida. "Como é um transtorno neurobiológico, o paciente já nasce com ele. Os sinais se tornam mais pronunciados de acordo com as demandas que surgem ao longo dos anos", explica o neurologista Antônio Carlos de Farias, do Hospital Pequeno Príncipe, em Curitiba (PR).

É normal que tanto os professores quanto os pais percebam as primeiras dificuldades da criança para manter o foco no período em que se inicia a alfabetização e os exercícios escolares se tornam mais desafiadores. "Nessa fase, a escola começa a propor atividades que exigem questionamento e persistência. Ainda assim, a criança precisa ser avaliada dentro de um contexto e a longo prazo, para descobrimos se não há questões biológicas (como dificuldade para ouvir ou enxergar, por exemplo) e emocionais (como mudança de escola, nascimento de um irmão ou separação dos pais, entre outros) por trás desse tipo de comportamento", avalia a pedagoga Juliana Hanftwurzel, orientadora educacional da Escola Morumbi, em São Paulo (SP), que já recebeu diversos alunos com o transtorno.

Não é falta de limites

Por ser de origem genética, o TDAH independe do ambiente em que a criança nasceu e cresceu. O problema é que, ainda assim, ela pode ser taxada de mal-educada e os pais, de negligentes. "As pessoas, mesmo os mais próximos, acham que é falta de limites. Na minha casa, entretanto, sempre houve regras: tanto antes quanto depois do diagnóstico do meu filho. Cheguei mudá-lo de escola duas vezes, sendo que em uma delas sofri preconceito dos outros pais, até encontrar uma instituição que nos acolhesse e abraçasse a nossa causa", desabafa Ellen, que ainda hoje tem receio de que o filho vá brincar na casa de amigos sem ela por perto.

Por outro lado, o ambiente pode ser decisivo para o diagnóstico e tratamento do indivíduo com TDAH. Nos primeiros anos de vida, claro, as crianças geralmente são mais inquietas. Com o amadurecimento do cérebro, entretanto, vão adquirindo capacidades que facilitam a convivência social. As crianças com TDAH tendem a apresentar mais problemas nessa área, especialmente as impulsivas. Existem parâmetros de desenvolvimento, usados por pediatras e educadores, para determinar as aquisições normais esperadas para cada idade.

"Mas somente uma avaliação médica detalhada pode determinar se a criança, de fato, tem o transtorno", alerta o neurologista. Farias explica que o diagnóstico é clínico, ou seja, com base em uma análise detalhada do histórico da criança e alguns testes neuropsicológicos – levando-se em conta se há casos na família e a intensidade e a frequência dos sintomas, por exemplo.

Por isso, ainda que cada criança tenha um ritmo próprio, vale a pena investigar quando ela ficar muito aquém das expectativas para idade ou tiver dificuldades para se socializar. "Se não tratado, os sintomas do TDAH podem afetar o sono e o desempenho escolar. E, mais adiante, agregar comorbidades (ou seja, doenças relacionadas) como ansiedade e oscilações no humor. Por essa razão, adolescentes com o transtorno, quando não tratados, estão mais suscetíveis a evasão escolar e uso de drogas, por exemplo", explica o neurologista.

A criança pode ter uma vida normal

A dentista Amanda Abreu desconfiou que a filha Sofia, hoje com 7 anos, poderia ter TDAH há pouco mais de dois anos. "Como meu marido tem o transtorno, sabia que ela também poderia apresentá-lo", conta. Na época, a maior preocupação de Amanda, como de muitos pais, era certificar-se de que a menina teria uma vida normal ao crescer. "Será que vai conseguir estudar, ter uma profissão, ser independente?", questionou-se.

Em Sofia, o sintoma predominante é a desatenção, o que gerou insegurança na menina a princípio. "Ela tinha medo de não aprender a ler e acompanhar os colegas, mas atualmente se sente mais confiante", diz a mãe. De acordo com o neurologista Farias, não existe uma fórmula apenas para tratar a criança com TDAH. Em algumas crianças, é necessário trabalhar habilidades emocionais, enquanto em outras, questões de linguagem. Em alguns casos, também indica-se o uso de medicamentos à base de metilfenidato, entre outras associações.

"Tudo vai depender do tipo de sintoma, do grau do transtorno e do quanto ambos afetam a rotina da criança", resume o neurologista. A escola e a família, obviamente, também têm papel fundamental no tratamento: o mais comum é que algumas adaptações sejam feitas para ajudar a criança a superar suas dificuldades. "Podemos fazer provas orais ou em ambiente livre de distrações, assim como mediar a comunicação dela com os colegas e propor que ele auxilie o professor a fim de se manter ocupado, entre outras adaptações. Em resumo, o trabalho da escola é ensinar a criança a lidar com os recursos que têm e não com os que faltam e, assim, mostrar que ela também pode aprender", afirma a educadora Juliana.

O indivíduo com TDAH vai levar uma vida normal, sim. Os especialistas indicam uma boa dose de paciência para família, porém, isso não significa que a criança está livre de seguir as regras sociais. "Quando a Sofia está muito cansada, depois de um dia inteiro se esforçando para ser atenta e organizada, por exemplo, tende a desanimar. Mas aprendi que nessas horas o meu papel é 'cortar' o drama, pois deixar com que ela se faça de 'coitadinha' não ajuda em nada", diz a mãe.

Ellen, mãe de Guilherme, também concorda em agir com firmeza, sem perder a ternura. "Muitas vezes, quando pergunto por que ele fez algo que não aprovamos, ele não consegue responder ao certo. Ou seja, agiu por impulso mesmo e não por falta de educação. É muito difícil, mas deixamos claro que estamos contra o TDAH, e não contra ele".

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Gravidez e Filhos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Estilo
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo