Gravidez e filhos

Vídeo com bebê tendo orelha furada retoma polêmica. Colocar ou não brincos?

Juliana Simon

Do UOL

14/07/2017 14h07

O vídeo de uma bebê de 4 meses e meio está causando polêmica nas redes sociais. A briga não é nova: furar ou não furar as orelhas de bebês? Para muitos internautas, é uma espécie de mutilação como a circuncisão, por exemplo), para outros, é uma questão cultural que não deve ser levada de maneira tão radical.

Mas será que colocar brincos tão cedo é um risco para a saúde da criança? Em entrevista ao UOL, o médico José Gabel, da Sociedade de Pediatria de São Paulo, acredita que não há problema em furar as orelhas de uma criança, desde que se tenha alguns cuidados e algumas coisas em mente.

“No ponto de vista social e no ponto de vista cultural, o assunto de furar a orelha é sempre controverso. No sentido acadêmico, a prática é autorizada pela Anvisa e não é um problema, desde que seguidas normas de higiene”, diz.

Idade ideal

"A Associação Americana de Pediatria contraindica antes dos dois meses de idade e prefere que a criança esteja vacinada pelo menos com a antitetânica”

Criança sente dor, sim

Não se engane em achar que a criança não vai nem perceber que terá as orelhas furadas. Existem terminações nervosas até mesmo no lóbulo da orelha. A dor é menos intensa, mas inevitável. Em muitos casos, é aplicado um anestésico antes do furo para evitar isso.

Higiene é fundamental

Deve-se levar em conta se a pessoa que vai fazer o furo vai estar com luvas, se vai usar material estéril, se o local é limpo, se será feito o uso de pistola, somente do brinco, ou os dois. “É uma opção da família, mas deve-se reduzir ao máximo o risco de efeitos adversos, como alergias, dermatite e sangramentos, por exemplo”, lembra o médico

Não é qualquer brinco

As peças mais recomendadas são as de material puro, com preferência para ouro e aço cirúrgico. Mas não é só isso. Deve-se ficar atento se há tarracha ou pingentes e se estes ficam firmes na orelha da criança para que não exista o risco da criança engolir o brinco. Também é importante ficar atento a chances da peça enganchar em roupas ou cobertores.

Papo de família

Apesar de não haver problemas no ponto de vista médico e ser uma opção de cada família, vale pensar se é mesmo uma urgência. Será que não vale esperar um pouco para saber se a criança quer mesmo usar brincos?

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Estilo
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo