Gravidez e filhos

Brigas de irmãos: saiba como reduzi-las e aprenda a mediar os conflitos

iStock
Imagem: iStock

Patrícia Guimarães

Colaboração para o UOL, em São Paulo

06/08/2017 04h00

"Eles brigam o tempo inteiro. Não podem ficar um ao lado do outro". É assim que a educadora física Priscila Ferrer define a convivência entre os filhos, Arthur, 5, e Sofia, 8. A mãe é chamada porque os dois querem deitar no mesmo sofá; porque um pegou o controle da televisão sem a permissão do outro; porque querem se sentar perto do mesmo amiguinho; pelo lugar do carro; ou seja, por tudo. Algumas vezes a confusão deixa de ser apenas uma discussão e os dois se agridem, de fato.

Essa situação que se repete todos os dias na casa de Priscila é comum em muitas famílias. A questão é, por que as crianças continuam brigando por mais que os pais façam de tudo para evitar que isso aconteça?

Por que irmãos brigam?

Para a psicóloga especializada em atendimento de crianças e adultos Adriana Severine, as brigas ocorrem por disputa de espaço. "Eles querem ter a prioridade no carinho dos pais e aí a prioridade vale para tudo. Algo como se fosse 'eu sou mais especial porque eu vou tomar banho primeiro'. Porque quem pode mais, na cabecinha deles, é aquele que é mais amado. Então eles estão disputando o lugar deles frente às pessoas que eles amam."

Além dessas, existem outras explicações para os conflitos. "Essa disputa é puramente emocional. Ele ocorre, independentemente da faixa etária, quando a pessoa se sente ameaçada na suas capacidades, nas suas habilidades ou quando perde um pouco a noção de quem é em relação ao outro. Brigar e discutir é quase um comportamento compensatório", explica a psicóloga clínica e psicopedagoga Marisa Irene Siqueira Castanho.

O conflito entre irmãos é normal e pode ir até a fase da adolescência. É nessa fase que eles costumam ficar mais rebeldes e contestar mais as posições da família para testar os limites de cada um e de buscar também autorreconhecimento. Até lá, é necessário ficar atento aos motivos pelos quais as brigas ocorrem e mediar as confusões.

Como mediar ou reduzir os conflitos?

A primeira coisa a ser feita é entender os motivos da briga. Para isso, é importante observar os filhos. "Os pais têm de ter muito clara noção de justiça. E, talvez na hora da confusão, tende-se a querer superar pela ameaça, pelo castigo. Isso não vai resolver. Na mediação da disputa entre as crianças não deve ter essa de que o mais velho tem de entender o mais novo. A justiça é aquela em que se é capaz de compreender, independentemente da idade, quem é que está certo e quem está errado. Sempre tem um 'start' na situação. E quem fez isso não vai admitir nunca. E aí os pais têm que ser neutros", explica Castanho.

Quando o conflito já está instalado a melhor opção é observar até o momento em que se percebe que as crianças não terão capacidade de entrar em acordo. Quando a discussão evoluir para agressão, os pais devem interferir usado o senso de justiça e sempre dando explicações. "No momento da confusão é preciso que os pais tenham a clareza de, por exemplo, dizer 'não se pega a força. Deve-se pedir emprestado'. Claro que o outro vai dizer que não. Mas aí o adulto interfere também", ensina Castanho.

Severine, no entanto, ressalta que essa intervenção deve ser feita em momentos oportunos. "Se os pais interferirem sempre, as crianças não vão ter mais a capacidade de encerrar problema algum."

Outra dica valiosa é criar, com as crianças, combinados que previnam as confusões. Para situações em que todos queiram ir na janela do carro, por exemplo, deve-se acordar que um irá na ida e o outro, na volta. O mesmo vale para disputas de lugar no sofá ou sentados à mesa. Os pais devem estar sempre atentos para que os combinados não sejam descumpridos; pois assim estariam incentivando uma falta de reconhecimento do espaço de cada um.

"As coisas devem ser sempre determinadas de acordo com o que é lugar de cada um; a função e o espaço de cada um no intuito de diminuir as brigas. Mas nunca impedir. Porque faz parte do crescimento. Se você acaba não deixando a criança resolver as coisas dela por conta própria, você vai gerar um adulto incapaz de tomar iniciativas ou solucionar problemas", finaliza Severine.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Gravidez e Filhos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
Estadão Conteúdo
do UOL
BBC
Redação
Topo