Gravidez e filhos

Mãe diz em rede social que odeia o filho mais novo: "Me sinto culpada"

Getty Images
Imagem: Getty Images

Do UOL

02/10/2017 11h55

Amor de mãe é inquestionável? Uma usuária da rede social Reddit diz que não é bem assim. Em um post já deletado, mas reproduzido pelo jornal britânico "The Mirror", a mulher identificada como "dislikemythird" pede conselhos para superar seu sentimento em relação ao filho mais novo, de 3 anos.

Mãe de mais duas meninas de 6 e 8 anos, ela afirma que o garoto foi fruto de uma gestação não planejada - apesar do uso de anticoncepcional - que que só notou a gestação na 16ª semana, quando não poderia mais realizar o aborto - que, infere-se, é legal em seu país.

"Me sinto terrível falando isso, mas me flagrei desejando que a gestação tivesse um problema sério, que possibilitasse o aborto. Mas eu estava bem e tinha que disfarçar quando me davam 'parabéns'. Me senti em uma sinuca de bico", disse.

Na 36ª semana, apesar de ser ilegal, ela foi demitida do seu trabalho e afirma que, graças ao bebê, hoje trabalha em um ofício que detesta.

Com muitas cólicas e dificuldade para dormir, o bebê era visto como um fardo. "Eu honestamente odiava ele nos primeiros 18 meses. Não quero ser insensível, mas para ser honesta, eu e meu marido tivemos um período em que se ele tivesse morrido durante o sono, teríamos ficado aliviados", conta.

Hoje, ela diz que cuida do garoto "porque é obrigada". "Quando ele fala comigo, não me interesso. Quando ele me abraça, eu não sinto nada", diz a mulher, que afirma ter procurado tratamento psiquiátrico mais de uma vez para contornar o problema.

"Me sinto culpada e é por isso que estou aqui. Não quero julgamento, quero alguém que me ajude a tentar e a não me sentir assim", disse.

Outros usuários contaram disseram que já sofreram com o mesmo problema e relataram que, talvez, o sentimento nunca passe. "Minha falha no anticoncepcional tem 14 anos agora e o aborto era ilegal no meu país na época", declarou uma das pessoas.

Qual a razão para este sentimento?

Apesar de não deixar claro se foi diagnosticada, a mulher apresenta sinais do que poderia ser uma depressão pós-parto, causada por uma alteração hormonal, e agravada por fatores psicológicos, como pela gestação ter sido acidental. 

O estigma da depressão pós-parto ainda resiste em todo o mundo. No Brasil, uma a cada quatro mulheres sofre com este quadro e nem sempre consegue ajuda para contorná-lo.

O tema já foi abordado, inclusive por mães famosas, como a cantora Alanis Morisette, que passou por um tratamento apenas no 16º mês de vida do seu segundo filho.

 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
Redação
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Gravidez e Filhos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Gravidez e Filhos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Redação
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
Topo