Gravidez e filhos

Por que 56% das crianças querem ser um celular? Não parece, mas é sério

Getty Images
Celular pode prejudicar a relação entre pais e filhos Imagem: Getty Images

Daniela Carasco

do UOL, em São Paulo

28/11/2017 04h00

“Sai desse celular!” Essa frase não sai da boca de pais e mães, mas muitos deles mereciam escutá-la, também. Apesar de as atenções estarem mais voltadas aos impactos negativos do uso da tecnologia pelas crianças, pouco se fala sobre o assunto quando se trata de adultos.

Luci Pfeiffer, pediatra, psicanalista e coordenadora do Programa DEDICA, trata da defesa dos direitos de crianças e adolescentes vítimas de violência grave e gravíssima. Ela diz que é preciso que os pais se debrucem cada vez mais sobre os próprios hábitos e percebam o quanto o convívio familiar tem sido negligenciado pelo vício na tecnologia.

Uma pesquisa global realizada pela AVG Technologies, que viralizou recentemente, mostrou o quanto os filhos estão invisíveis dentro de casa. Cerca de 83% das crianças entrevistadas disseram que se sentem trocadas pelo celular, 56% gostariam de ser um celular e afirmaram que confiscariam os aparelhos dos pais se pudessem.

Para o estudo foram ouvidos 316 brasileiros de um total de 6.117 entrevistados de países como EUA, Austrália, Canadá, República Tcheca, França, Alemanha, Nova Zelândia e Reino Unido.

“Vivemos uma realidade de violência virtual, que se dá por meio de abandono dos pais”, afirma Luci. “A negligência, que é a falta do cuidar, é uma das piores formas de violência. Ela é velada, não deixa marcas evidentes, mas destrói a estruturação de personalidade de uma criança. Por isso é grave.”

Veja também:

O impacto na formação de crianças e adolescentes

Segundo a especialista, até os seis anos, crianças constroem todos os valores éticos e morais, que são aprendidos por espelhamento e estímulo dos adultos. “Portanto, se o pai e a mãe não largam o celular em casa, é esse comportamento que estarão ensinando”, diz. “Isso tomará o tempo de atividades que valorizam o contato, gerando problemas como isolamento e vício.”

Luci critica ainda a maneira perversa como os desenhos atuais têm segurado a atenção das crianças, como se fossem os próprios pais. Os olhos grandes dos personagens, por exemplo, estão lá porque os bebês procuram o tempo todo o olhar dos adultos, as risadas recorrentes é o sinal de aprovação que eles sempre buscam nos responsáveis pela sua criação, as frases repetidas é o método mais eficaz de fazê-los aprender a falar.

“O problema é que nenhuma tecnologia substitui abraço, carinho, sorriso e olhar de aprovação”, conta. “O que está acontecendo é uma grave terceirização do cuidar, que não tem afeto nem calor.” 

Como droga ou sexo

Antes, Luci lidava com um barulho imenso no consultório, por conta das crianças brincando>. Agora, quando vai à sala de espera, cada pai usa seu smartphone e a criança fica no tablet. Em casa, os adultos interrompem qualquer brincadeira para se ocupar das mensagens que chegam por WhatsApp, e o celular está presente até na hora das refeições

E quando o aparelho por acaso é esquecido em casa? A pessoa volta para buscá-lo imediatamente. “Isso se chama nomofobia, uma consequência grave da dependência de eletrônicos”, conta.

Luli Radfaher, professor de Comunicação Digital da Escola de Comunicação e Artes da USP e autor do livro “Enciclopédia da Nuvem”, compara o vício em tecnologia ao de drogas. “Toda vez que o indivíduo atualiza as redes sociais atrás de novidades, por exemplo, ele recebe uma descarga de endorfina do cérebro e fica feliz. É o mesmo prazer depois de um orgasmo ou do uso de cocaína.”

Essa dependência é agravada pelo aumento da expectativa sobre a carga social implicada nessas ferramentas. “Acredita-se sempre que o próximo post receberá mais likes. Isso é um círculo vicioso, que mexe com a autoestima.”

Como agir no dia a dia?

Na prática, as associações de pediatria nacionais e internacionais recomendam mudanças por parte de todos os membros da família.

  • Aos filhos: até os dois anos, é aconselhado que a criança não tenha contato com nenhuma tela. Esse é o momento de aprender com o toque, o paladar e troca interpessoal. Dos 3 aos 6 anos, a recomendação de uso do aparelho eletrônico é de, no máximo, uma hora por dia. Dos seis em diante, os filhos devem usá-los até duas horas por dia.
     
  • Aos pais: se tiver na companhia dos filhos, deixe o telefone de lado, preste atenção no que ele tem a dizer e brinque o máximo possível. Além disso, dê preferência à comunicação oral. Levar trabalho para casa também não deve virar rotina. É preciso aproveitar as trocas e a vida em família.

Reproduza no mundo real as ações virtuais

Uma campanha batizada de “Conecte-se ao que importa”, criada pela Associação dos Amigos do Hospital das Clínicas do Paraná, sugere com simples conselhos que atitudes tão comuns ao ambiente virtual sejam transferidas ao dia a dia. São elas:

  • Tem gente solicitando a sua amizade dentro de casa
  • Quando você larga o celular, é o seu filho que vibra
  • Você não vai vê-lo crescer se continuar olhando para baixo
  • Seu filho passa muito tempo na TV? Pois é, crianças tendem a imitar os pais
  • A conversa em casa pode passar dos 140 caracteres
  • Ele só quer a sua curtida
  • Curta a vida dele como você curte a dos outros

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
Blog Lado B
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo