Gravidez e filhos

Como contar aos filhos sobre o novo parceiro: dicas para evitar problemas

Getty Images
Imagem: Getty Images

Claudia Dias

Colaboração para o UOL

02/01/2018 04h00

Tempos depois de separada, a fotógrafa Lu Cristhovam encontrou uma pessoa legal e quis engatar uma relação mais séria. Antes, porém, teve a tarefa de contar aos filhos, de 4 a 7 anos, que havia uma nova pessoa em sua vida.

"Estávamos juntos havia uns cinco meses e as crianças já o tinham visto umas duas vezes, como um 'amigo da mamãe'. Um dia, fomos todos tomar sorvete e eu falei: 'Olha, o tio está pedindo a mamãe em namoro. O que vocês acham? Que a gente tem que namorar ou não? Elas ficaram superempolgadas e gritaram 'siiiiim, siiim' porque o adoravam. Só a partir daí começamos a namorar mesmo", lembra.

Abordagem estratégica

O engenheiro Wesley dos Reis teve o mesmo cuidado, em duas ocasiões. "Como tenho um filho de cada ex-casamento, usei estratégias parecidas, que me pouparam de maiores explicações e constrangimentos. Apresentei a namorada como 'amiga do papai', sem nenhuma demonstração explícita de relacionamento na frente deles", relata.

As namoradas, que depois viraram esposas, primeiro conquistaram a confiança dos filhos -- à época com menos de 6 anos. Só depois de o pai perceber que havia um carinho mútuo é que perguntou aos pequenos se eles poderiam namorar. "Apenas quando tive a aprovação deles é que passei a demonstrar que era uma namorada de verdade", relata.

Dicas de especialistas

Segundo a psicóloga Luciana Rocha, os dois agiram corretamente. "Quando o pai ou a mãe dá a oportunidade de a criança expor a sua opinião sobre algo como a chegada de uma outra pessoa, ela se sente importante e parte de um cenário. E isso reflete positivamente", afirma especialista.

Se você está passando por isso, lembre-se de jamais subestimar a inteligência das crianças, independente da idade delas. A regra de ouro é sempre falar a verdade, de maneira adaptada à faixa etária. E só abra o jogo quando tiver certeza sobre levar a relação adiante, para que as crianças não se apeguem à nova pessoa e depois sofram com um rompimento.

A seguir, listamos o que você não deve esquecer ao contar para os filhos sobre um novo relacionamento:

  • Com os mais novos, assegure-se de que estejam habituados com a rotina pós-separação (sobretudo se os pais optarem pela guarda compartilhada) antes de apresentar alguém. Por isso, após o casamento, tente dar um tempo para as crianças se organizarem emocionalmente e ter seus espaços seguros;
  • Sempre deixe claro que as crianças não têm culpa nenhuma pela separação dos pais -- é comum elas se sentirem responsáveis;
  • Antes de apresentar (ou mesmo existir) uma outra pessoa, é importante falar sobre a possibilidade de formar uma nova família e de ter outro namorado. Explique que o amor entre o papai e a mamãe acabou, mas que isso não significa que eles não podem amar e namorar outras pessoas;
  • Esclareça que, independentemente da separação e de outros parceiros de uma nova relação, vocês serão sempre os pais da criança e que o casal vai continuar sendo amigo, embora não morando na mesma casa. Apresentar fatos concretos ajuda na hora da conversa;
  • Fale sobre a nova pessoa apenas quando estiver segura sobre a relação. Mas não adianta esconder da criança o que está acontecendo, pois ela acaba percebendo algo diferente, só ao observar. Por essa mesma razão, esteja emocionalmente equilibrado. Seu filho vai perceber se você não estiver lidando bem com a situação;
  • Fale quantas vezes forem necessárias que amor de pai e mãe é diferente de amor de namorado e namorada. E que o sentimento entre um homem e uma mulher pode acabar (caso da separação), mas nunca o amor entre pais e filhos;
  • Comece dizendo sobre a existência de uma pessoa muito querida, comentando a respeito dela - sempre ressaltando que ela não substitui um dos pais, nem mesmo o amor pela criança;
  • Para filhos com menos de 5 anos, os pais podem optar por explicar usando exemplos da realidade deles, como dizer, por exemplo, que "a mamãe agora tem um novo príncipe e vai ser muito feliz". Isso fará com que eles entendam melhor o que está acontecendo e até o que está para acontecer;
  • Se o filho tiver algum amigo ou primo com pais separados, o exemplo pode servir como ponto de partida para uma conversa franca sobre o assunto;
  • Se a criança for mais velha e sentir a vontade de se expressar, dê oportunidade para expor seus sentimentos, dúvidas e tudo o que vier. Faz parte do processo de amadurecimento da notícia na cabecinha dela
  • Responda qualquer pergunta com a verdade, procurando adaptar o vocabulário e a profundidade da conversa à faixa etária. Crianças percebem quando há algo de diferente. Se perguntar se é seu namorado, explique que sim;
  • Aproxime gradativamente os filhos da nova pessoa. Apresente os filhos quando perceber que já existe um vínculo - mesmo sabendo que isso não é garantia nenhuma
  • O filho precisa concordar com a ideia de conhecer essa outra pessoa e, quando é ouvido neste sentido, automaticamente se sentirá importante, acolhido e com a sensação de que a chegada de outra pessoa não irá inferir negativamente na relação com o pai ou a mãe;
  • Com crianças acima de 10 anos, já na pré-adolescência, esteja pronto para esclarecer curiosidades. Então, quanto maior a autenticidade e a espontaneidade nesses momentos, maior também será o elo de ligação entre pais e filhos, bem como entre filhos e os novos pares;
  • É importante existir abertura para que os filhos possam tecer críticas aos novos pares, pois cria-se um espaço de confiança e liberdade com os pais.

Fontes: Camila Colla Duarte Garcia, psicoterapeuta infantil da Clínica Infantil Bem; Denise Miranda de Figueiredo, psicóloga, terapeuta de casais e família e cofundadora do Instituto do Casal; Isabela Cotian, psicóloga e coach de mães; Luciana Brites, psicopedagoga do Instituto NeuroSaber; Luciana Rocha, psicóloga especialista nos universos materno e infantil e educadora perinatal; Luiz Francisco, psicólogo, life coach e professor universitário da Fadisp.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Blog Lado B
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
ANSA
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
ANSA
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
Blog Lado B
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
Estadão Conteúdo
Topo