Gravidez e filhos

Bebês veganos: mães contam como alimentam filhos sem nada de origem animal

Arquivo Pessoal
Romeo de 2 anos e 7 meses come lanches, pizza, doces, fast-food e até comida japonesa, tudo vegano Imagem: Arquivo Pessoal

Bárbara Therrie

Colaboração para o UOL

09/01/2018 04h00

Motivadas pelo respeito e compaixão aos animais, elas se tornaram veganas e estenderam a dieta sem derivado animal aos filhos. “A interação da minha filha com os animais não é no prato, mas brincando com eles”, diz a assistente parlamentar Mônica Buava. A veterinária Caroline Rodrigues Szulczewski afirma que o filho está crescendo saudável e “sabendo que animal sente igual a gente”. A seguir, as duas mães explicam como criam seus bebês veganos.

Veja também

Arquivo Pessoal
Caroline Rodrigues Szulczewski, 34, é vegana e mãe do Romeo, de 2 anos e 7 meses Imagem: Arquivo Pessoal
"Ele fala que vegano é amigo dos animais"

Caroline Rodrigues Szulczewski, 34, vegana, e mãe do Romeo, de 2 anos e 7 meses: “Sou vegetariana há mais de 15 anos e me tornei vegana quando o Romeo nasceu. Amamentei até 1 ano e 6 meses por livre demanda e iniciei a fase de introdução alimentar com frutas. As refeições dele incluem cereais e tubérculos, todos os tipos de feijões (principal fonte de proteínas) e vegetais, legumes e verduras. De vez em quando, ele come lanches, pizza, doces, fast-food e até comida japonesa, tudo vegano.

Do jeito dele, o Romeo entende a nossa alimentação e pergunta: ‘Esse é vegano? Tem leite da ‘Mu’? Tem ovo da galinha?’. Ele também fala que o leite é do bezerrinho e que vegano é amigo dos animais, eu me encho de orgulho. No ano passado ele começou a frequentar uma escola que, apesar de não ser vegana, foi bem receptiva e respeitou a nossa escolha. Quando algum coleguinha faz aniversário, eles me avisam e eu faço um bolo vegano para ele.

No dia a dia, preparo a lancheira dele com frutas, água de coco, castanhas, arroz integral com homus, biscoito de tapioca, pasta de amendoim e outros alimentos. Fazer tudo isso dá trabalho, tem que cozinhar, se organizar, ser prioridade, mas é muito mais fácil, simples e barato do que se imagina e vale muito a pena. 

Meu filho toma vitamina B12 por orientação médica e nunca teve problemas de saúde. Desde bebê é acompanhado por pediatra, nutricionista e nutrólogo. Romeo está crescendo saudável, bem nutrido. Eu e meu marido, Bruno, explicamos para ele que se ele ama os nossos cachorros tem que respeitar também a porquinha, a vaca e a galinha. Assim como os humanos, todos os animais merecem respeito, amor e liberdade”.

Arquivo Pessoal
Mônica Buava e Guilherme, pais da Marina, de 1 ano e 8 meses, que tem uma alimentação vegana Imagem: Arquivo Pessoal
"Não quero que ela veja as pessoas comendo animais e achar que é normal"

Mônica Buava, 32, vegana há 13 anos, e mãe da Marina, de 1 ano e 8 meses: “Não precisei fazer nada de diferente na minha gestação por ser vegana. Amamentei a Marina exclusivamente até os seis meses e ainda hoje ela mama leite materno, mas só na hora de dormir. Ela já tomou leites vegetais, de aveia, soja, avelã, arroz e castanha, não como substituto ao meu leite, mas como mais uma opção de bebida. Ela tem três refeições principais e adora feijão, sopa de abóbora e cogumelos. Sempre que saímos, levo uma marmita para ela.

Na educação, eu e meu marido Guilherme pensamos que seria positivo a Marina frequentar uma escola vegana para ela não ver as pessoas comendo animais e achar que isso é normal. Visitamos várias escolinhas, até gostamos de uma no nosso bairro, mas eles mantinham aves engaioladas e achamos que isso era demais. Acabamos encontrando uma escola vegetariana, cuja proposta pedagógica também nos agradou. Pretendemos matriculá-la lá esse ano, quando ela completar dois anos.

Nossa filha sempre esteve dentro dos parâmetros de crescimento e seu desenvolvimento cognitivo é ótimo. Com 11 meses ela começou a andar e com 1 ano e 4 meses a falar. Recentemente, começou a suplementar a vitamina B12 por prevenção.

A Marina ainda não entende que é vegana, mas já mostramos a ela o que é comida. Ela adora animais e, por enquanto, seria incapaz de compreender que uma parte da sociedade consome eles mortos. A interação dela com os animais não é no prato, mas brincando com eles. E esperamos que continue assim”.

O que dizem os pediatras

Segundo a pediatra da clínica Nutrindo Ideais Bianca Mello Soto, que é vegetariana estrita, é possível uma criança ou bebê ser vegano sem prejuízo para a saúde, desde que haja acompanhamento, orientação e suplementação adequados. “Eu fortemente recomendo a alimentação vegana, mas com cuidado de substituir corretamente as proteínas e suplementação, além de uma dieta baseada em alimentos integrais/naturais. Nenhuma criança precisa de leite de vaca para receber cálcio ou de carne animal para receber ferro. É um grande mito acreditar que precisamos de derivados animais para sermos saudáveis”, afirma a médica.

A pediatra Ana Zollner, do Departamento de Pediatria Ambulatorial da Sociedade de Pediatria de São Paulo, discorda. “Se tomarmos como base a ingestão de carne, temos a maior fonte de ferro conhecida. Existem outros alimentos, como os vegetais verdes escuros, que são fonte de ferro. Entretanto, o aporte adequado para a criança em crescimento exige a ingestão de uma quantidade muito maior para suprir a necessidade posta, quando comparamos a carne e os vegetais”, diz.

Ainda de acordo com Ana, toda dieta restritiva sem motivo de doença, intolerância ou alergia comprovada, deve ser evitada na infância pelo risco de desnutrição proteico-calórica, de macro e de micronutrientes. “Qualquer fonte nutritiva deficiente nos primeiros anos de vida pode causar problemas no crescimento e desenvolvimento da criança. Radicalismos de todas as formas devem ser evitados." 

Bianca, porém, vê benefícios desse tipo de alimentação na infância. “Uma dieta vegana bem orientada e balanceada diminui o risco de alergias, como dermatite, rinite, sinusite, bronquite, e doenças crônicas. Isso é facilmente notado na prática. Tenho algumas crianças alérgicas no consultório que melhoraram absurdamente ao excluir derivados animais da alimentação”.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Blog Lado B
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
ANSA
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
ANSA
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
Blog Lado B
do UOL
do UOL
BBC
Estadão Conteúdo
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo