Gravidez e filhos

Ver o filho sair de casa pode doer; conheça a síndrome do ninho vazio

Getty Images
Segundo a psicóloga Anna Frimm, é comum que pais com a síndrome evoluam para um quadro depressivo Imagem: Getty Images

Marcos Candido

Do UOL, em São Paulo

11/01/2018 04h00

A advogada Tânia Sanches, 53 anos, sempre estimulou os filhos a irem em busca de experiências inéditas na vida. “Eu eduquei para quem fossem aonde quisessem, fossem o que quisessem. Ensinei-os a irem atrás de liberdade.”

Acontece que, em 2010, todos os três filhos --de 32, 30 e 26 anos-- saíram de casa, quase de forma simultânea. Casaram-se, mudaram de cidade e de país.

Veja também:

Ao se ver naquela situação, o que Tânia sentiu foi contraditório com seus ensinamentos. “Não soube lidar. Vinha uma melancolia. Nos seis primeiros meses, não queria mais me relacionar com as pessoas."

O sentimento da advogada não é algo isolado e tem até nome: "síndrome do ninho vazio", uma tristeza que afeta pais que veem os filhos saírem de casa. O problema tem levado pais e mães a consultórios e até a grupos de internet em busca de apoio.

Saída do ninho acontece cada vez mais tarde

Segundo estimativa do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), atualmente, as pessoas têm abandonado o "ninho" cada vez mais tarde --entre os 25 e 34 anos--, já que costumam levar mais tempo para concluir os estudos e arranjar um emprego.

O tempo maior no lar significa que a relação, que pode ter mantido uma rotina por décadas, pode acabar da noite para o dia. 

Para a psicóloga Anna Frimm, especialista em casais e famílias, é comum que pais com a síndrome evoluam para um quadro depressivo.

Reprodução/Instagram
Tania, com o marido e os dois filhos Imagem: Reprodução/Instagram

“Geralmente, quem sofre mais é o cuidador que passou mais tempo com o filho e que, muitas vezes, tinha a maior parte do seu tempo voltado para ele”, explica Katty Kurozawa, psicóloga especialista em saúde emocional.

Buscando ajuda

No início, Tânia conta precisou de ajuda psicológica. Tomou remédios para reduzir a tristeza, mas abandonou o método. Com a ajuda do marido, que também sofreu no período, traçou alternativas. Começou a meditar e a enxergar o mundo de outra forma.

“Pela manhã, conversava consigo mesma em voz alta, na frente do espelho, para refletir sobre as dificuldades que estava enfrentando." Ela ainda passou a embarcar em viagens e a fazer novos amigos e a estreitar o relacionamento com os antigos.

“Foi muito difícil, mas pensei comigo mesma: por que ficar triste enquanto eles estão por aí, sorrindo?”

O que fazer quando bate aquela tristeza ao ver os filhos saindo de casa?

  • Aceitar que esse processo é natural e que os filhos continuarão sendo filhos, mesmo com a nova rotina. O “abandono do ninho” é um momento de recomeço e novas perspectivas para pais e filhos. E, como todo recomeço, exige muita coragem e apoio da família.
  • Não tome nenhuma decisão precipitada. Não queira logo vender a casa, o apartamento ou mudar de cidade. Amadureça as ideias. Procure pensar de cabeça mais fria.
  • Retome tudo aquilo que gostaria de fazer na vida e que ainda não fez por algum motivo. Busque um novo hobby que lhe interesse, cursos ou um trabalho voluntário.
  • Olhe os pontos positivos dessa mudança e não fique apegada aos aspectos negativos.
  • Mostre ao seu filho que sua casa continuará sendo uma base permanente, para quando ele quiser ou precisar retornar. Isso fornece a você e a ele um senso de pertencimento e segurança, que é muito positivo nesse momento de transformações.
  • Mantenha contato, com ligações, mensagens de texto, e-mail etc.. Mas esteja ciente que, à medida que o tempo passa, seu filho pode não responder tão prontamente quanto antes.
  • Dialogue sobre o que sente. Não esconda o sofrimento e aceite apoio e ajuda, se precisar. A sensação de tristeza, vazio, preocupação e angústia é normal em um primeiro momento, mas, se demorar a passar, é importante buscar apoio emocional e psicológico.
  • Compreenda que os filhos precisam viver novas experiências e evoluir. Confie na criação e educação que deu a eles e "solte-os", literalmente, da sua proteção.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Blog Lado B
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
ANSA
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
ANSA
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
Blog Lado B
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
Estadão Conteúdo
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
Topo