Adolescência

Você pega no pé do seu filho adolescente?

Getty Images
Imagem: Getty Images

Acompanhar o desenvolvimento dele e intervir, para orientar e corrigir, é parte do processo educacional. Já o excesso de controle pode ser nocivo. Saiba em que grupo você se encaixa, avaliando as atitudes que toma com o jovem, no dia a dia.

  1. 210

    Vocês vão a uma festa de família e seu filho aparece na sala com uma combinação de roupas improvável. O que diz?

    Getty Images
  2. 710

    Em um almoço com amigos seus, o adolescente se distrai e derruba comida na roupa. Como você lida com a situação?

    Getty Images
  • Getty Images

    Sim, está exagerando

    Você é um pai ou mãe presente, mas peca por não dar ao adolescente a oportunidade de se expressar e por exercer um controle muito rígido. Com isso, pode tolher o desenvolvimento da autonomia do jovem. "Se os limites e regras são impostos sob uma relação de autoritarismo, a partir do medo ou da humilhação, há uma grande chance de o adolescente aprender a ser submisso, de se tornar rebelde e até mesmo mentiroso ou dissimulado. É preciso que o jovem compreenda os motivos das regras que lhe são impostas. Assim, mesmo na ausência dos pais, saberá o que fazer", afirma a psicopedagoga Luciana Maria Caetano, doutora em psicologia escolar e do desenvolvimento humano pela USP (Universidade de São Paulo)

  • Getty Images

    Sim, mas de forma saudável

    Você se esforça para acompanhar, diariamente, o desenvolvimento do seu filho. No entanto, a sua motivação não vem do desejo de controlar a vida do jovem, mas da intenção genuína de orientá-lo e, inclusive, de corrigi-lo, nas situações em que essa intervenção é realmente necessária. "Pegar no pé é uma forma de trazer noção de limites e responsabilidades. Mas é importante fazer isso e deixar o jovem viver, correr alguns riscos calculados, para que ele desenvolva o senso de autonomia. Se a atitude de pegar no pé não for excessiva, será até bem aceita pelo adolescente, que se sentirá amado e protegido", diz a psicóloga Maria Alice Fontes, doutora em saúde mental pela Unifesp (Universidade Federal de São Paulo)

  • Getty Images

    Não, chega a ser permissivo

    Você não está tão presente na vida do seu filho, talvez por receio de invadir a privacidade dele ou, então, por falta de tempo. Mas vale considerar que é importante para o adolescente perceber que tem alguém realmente preocupado com ele, o que implica em observar, conversar, orientar, corrigir e cobrar. "É positivo pegar no pé, mas com equilíbrio. Quem nunca pega no pé pode não estar notando o filho. O jovem poderá até apresentar comportamentos inadequados em razão disso, só para chamar a atenção. É bom estabelecer regras, desde que elas existam para proteger e não para privar. É interessante cobrar desempenho, estimulando a superação, mas sem esperar a perfeição", afirma a psicopedagoga Ana Cássia Maturano

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
UOL Estilo
do UOL
do UOL
BOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Comportamento
ESPNW
Redação
Redação
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Gravidez e Filhos
do UOL
Vya Estelar
do UOL
do UOL
Revista Ana Maria
BBC
UOL Cinema
Folha de S. Paulo
UOL Educação - BBC
do UOL
Folha de S. Paulo
Folha de S. Paulo
Folha de S. Paulo
Disney Babble
BBC
do UOL
Folha de S. Paulo
do UOL
Redação
UOL Notícias - Educação - Enem
do UOL
Redação
do UOL
Topo