Gravidez e filhos

Seu filho é mimado?

Reflita sobre o assunto, a partir do teste elaborado com a consultoria da neuropsicóloga especialista em comportamento e desenvolvimento infantil, Deborah Moss, mestre em Psicologia do Desenvolvimento pela USP (Universidade de São Paulo).

  • Sim, precisa de limites

    Você tem dificuldade de contrariar seu filho, pois teme as reações dele. Às vezes, sente-se cansado demais para lidar com conflitos. "Por conta da ausência em função do trabalho, muitos pais tentam compensar a criança satisfazendo todos os desejos que ela tem. Eles alimentam um círculo vicioso, pois quanto mais a criança consegue o que deseja, mais quer", diz a neuropsicóloga Deborah Moss. A especialista sugere ter mais pulso firme e persistir. "Os pais que não fazem isso criam um filho pouco tolerante às frustrações, que poderá ter dificuldade de convivência", afirma Deborah.

  • Não, recebe limites e afeto

    Você permite que seu filho sinta raiva e/ou tristeza ao ser contrariado, que expresse isso e ainda dá a ele o apoio necessário para lidar com esses sentimentos. Assim, provavelmente vai criar um filho equilibrado, pronto para responder aos desafios da vida de maneira adequada. "Vivenciar situações negativas faz com que a criança valorize ainda mais as conquistas. Ao ouvir um 'não', ela perceberá que precisa se esforçar e criar novas estratégias para obter o que deseja", diz a neuropsicóloga Deborah Moss. Um aprendizado essencial para o amadurecimento.

  • Não, mas precisa de atenção

    Segundo a neuropsicóloga Deborah Moss, ter uma postura segura de autoridade é muito melhor do que mostrar-se um adulto inseguro nos momentos de confronto. No entanto, é importante que limite e afeto andem juntos, que a criança sinta-se à vontade para expressar o que sente e, em algumas situações, até para negociar com os pais. Caso contrário, ela poderá ter uma postura de passividade e aceitação sempre, pois não saberá como colocar-se adequadamente, nas mais diversas situações da vida.

  • Sim. E precisa aprender a tolerar

    Ao que parece, seu filho é quem dita as regras. Você apenas evita contrariá-lo. Porém, segundo a neuropsicóloga Deborah Moss, o resultado da falta de limites na educação é extremamente nocivo: "A criança que não aprende a esperar a vez, a controlar as suas vontades e a colocar-se no lugar do outro provavelmente verá o mundo lá fora como um lugar muito frustrante e ameaçador". Ela ainda ressalta a dificuldade de socialização que a criança poderá ter: "Na escola, no clube, na família, os colegas dificilmente suportarão uma criança inflexível, intolerante e centrada em si mesmo".

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
Blog Lado B
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Blog Lado B
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo