Moda

Da luta à moda: camisetas feministas ganham as ruas e conquistam as famosas

Roberto Filho/Brazil News
Isis Valverde investiu na camiseta feminista da Dior para a coletiva de imprensa da novela "A Força do Querer" Imagem: Roberto Filho/Brazil News

Patrícia Colombo

Do UOL, em São Paulo

Feminismo é o novo preto. Ou melhor, a nova camiseta branca. Depois de ganhar as redes sociais, a luta pela igualdade de gêneros amplia seu alcance popular e é abraçada pela moda. Frases-manifesto estampadas em t-shirts básicas estão ganhando as ruas e fazendo a cabeça das famosas que querem passar uma imagem mais engajada.

Isis Valverde usou uma onde se lia "We Should All Be Feminist" ("Todos nós deveríamos ser feministas", em tradução livre) no lançamento da novela "A Força do Querer", na semana passada. Antes dela, Rihanna e Natalie Portman usaram a mesma peça na Marcha das Mulheres, nos Estados Unidos, em janeiro. Simone de Beauvoir ficaria orgulhosa... 

A tendência fashionista-feminista nasceu na Semana de Moda de Paris, em setembro passado. Durante o desfile da Dior, a estilista italiana Maria Grazia Chiuri colocou na passarela a camiseta que foi parar no guarda-roupa de Isis, Rihanna e Natalie meses depois. Não à toa a peça estava ali: Maria Grazia é a primeira mulher comandar a direção criativa da grife francesa em 70 anos de história. A frase vem direto do livro homônimo da escritora nigeriana Chimamanda Ngozi Adichie, amiga de Beyoncé, e uma das "caras" do novo feminismo.
 
No entanto, atenção: o preço do engajamento é para poucos. A camiseta da Dior custa US$ 710 (cerca de R$ 2.200). Mas como ditadora de tendências que é, a camiseta da Dior já inspirou diversas marcas a lançarem suas versões, a custos mais acessíveis (confira no álbum abaixo).
 
Feminista desde criancinha
Dois anos antes de Maria Grazia, o estilista alemão Karl Lagerfeld havia promovido na passarela da Chanel, em Paris, uma espécie de passeata feminista das modelos. Gisele Bündchen estava entre as tops, que desfilavam empunhando cartazes com dizeres a favor da liberdade das mulheres. Na época, o "kaiser da moda" foi bastante criticado por querer surfar na nova onda feminista que brotava nas redes sociais.
 
"Minha mãe era uma grande feminista e achei que era o momento certo para abordar o tema", disse ele, na época, para o site Fashionista. "Não estou preocupado se as pessoas estão contra ou a favor."
 
Getty Images
Look hi-lo composto por camiseta básica e saia transparente delicada e sofisticada, direto da passarela da Dior Imagem: Getty Images
João Braga, professor de História da Moda da FAAP, vê a moda com simpatia. "A mensagem escrita na camiseta é um grito seu estampado no peito", explica. "É uma defesa pública de uma bandeira, você torna explícito um valor pessoal por meio da roupa."
 
Braga compara as atuais camisetas feministas à outras mensagens que já estamparam a peça. É só pensarmos no movimento hippie durante a década de 60 com suas mensagens de "Paz e Amor" e "Faça Amor, Não faça Guerra", e na luta pela igualdade racial nos Estados Unidos com os dizeres "Negro é lindo". "Nos anos 60 e durante os anos 70, em consequência desses movimentos, o elemento da camiseta com frase acabou se tornando também parte da linguagem de moda", explica João. 
Reprodução
A estilista Katharine Hamnett e Margaret Thatcher em evento em 1984 Imagem: Reprodução
 
Liberdade de expressão
Outra "explosão" de camisetas com mensagens aconteceu na metade dos anos 80, quando a politizada estilista Katherine Hamnett resolveu fazer um protesto antinuclear e foi de encontro à então primeira-ministra britânica Margaret Thatcher com uma peça que dizia "58% Don't Want Pershing" (58% não querem mísseis"), posicionando-se contra um decisão do governo na época. Na virada da década para os anos 90, ela criou as chamadas "slogan t-shirts", com frases como "Clean up or die" ("Desintoxique-se ou morra") e "Choose life" ("Escolha a vida").
 
"As mulheres cada vez mais gostam de peças que traduzam o que elas querem falar, sempre relacionadas a mensagens firmes e de atitude, comenta a jornalista de moda e escritora, Heloísa Marra. João complementa: "Vivemos um período de liberdade de expressão, e a moda é uma forma de ativar isso. Então, é natural que as pessoas queiram apostar em uma peça que tenha apenas uma frase bem-humorada ou que defenda alguma questão social."
 
Como ditadoras de tendências que são, as camisetas da Dior e da Chanel já inspiraram diversas marcas a lançarem suas versões. Confira algumas delas no álbum abaixo.
 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Moda
do UOL
UOL Mulher - Moda
Moda
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Estilo
do UOL
Moda
do UOL
Moda
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Estilo
do UOL
Moda
do UOL
do UOL
do UOL
Moda
do UOL
Moda
UOL Mulher - Moda
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Folha de S. Paulo
do UOL
Redação
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Moda
do UOL
UOL Mulher - Moda
AFP
Estadão Conteúdo
Topo