Moda

A poderosa imprensa de moda nos EUA é dependente dos famosos

17/01/2008 17h00

NOVA YORK, 17 Jan 2008 (AFP) - Cortejada pelos estilistas e mimada pelos agentes, a imprensa americana da moda é considerada muito poderosa num universo onde os famosos têm a última palavra e onde um vestido fotografado na cerimônia do Oscar, por exemplo, conta mais que uma coleção bem sucedida.

O cancelamento da cerimônia do Globo de Ouro por causa da greve dos roteiristas representou um revés para a indústria da moda, que já sofre com a queda de vendas constata pelos distribuidores nos Estados Unidos.

E como o Globo de Ouro é a prévia do Oscar, a imprensa especializada, que difunde as imagens das estrelas vestidas por uma Vera Wang ou um Oscar de la Renta começa a se preocupar.

"Hollywood e a indústria da moda tremem", escreveu o influente Woman's Wear Daily (WWD), um fenômeno editorial que há décadas é lido por milhões de mulheres e, principalmente, pelos profissionais em busca das últimas informações sobre fusões de empresas, transferências de figuras talentosas ou o lançamento de um perfume.

"É terrível que esse acontecimento tenha sido cancelado de último momento porque havíamos preparado vestidos fabulosos para várias clientes", explica a estilista Alice Temperley.

Vanessa Sewart, da maison Azzaro, que, no ano passado, vestiu a atriz Kate Winslet para os Globos de Ouro, insiste: "Para nós, esses eventos são muito importantes porque nos especializamos nos vestidos destinados ao 'tapete vermelho'".

"A indústria se apóia nos famosos porque eles ditam o mercado publicitário", afirmou, em uma entrevista à AFP, Eric Hertz, diretor-geral do Instituto da Moda de Nova York (FIT).

"O verdadeiro crítico de moda está desaparecendo", acrescentou. "O New York Times é um fenômeno excepcional entre os jornais, com uma equipe especializada", admite.

A chefe de redação da revista Vogue americana, Anna Wintour, imortalizada nas telas por Meryl Streep em "O Diabo Veste Prada", é outro exemplo de exceção, um verdadeiro mito do setor. "A Vogue é muito poderosa", afirma Eric Hertz.

"Os profissionais querem que os famosos usem suas bolsas e sapatos. A mídia carece de influência própria nos Estados Unidos, e as redatoras de moda não tomam a iniciativa de criticar", afirma, por sua parte, Jessica Siegel, professora da Universidade de Columbia, escritora e jornalista. "As cerimônias como o Globo de Ouro ou o Oscar marcam a tendência e a mídia a segue", afirmou.

Anna Wintour conseguiu há alguns meses convencer os desenhistas de Milão a concentar seus desfiles em apenas quatro dias, convertendo a semana de moda num desfile frenético.

Wintour escreveu uma carta aos modistas italianos: "Toda a equipe da Vogue Estados Unidos agradece a vocês pelo calendário desta semana. Pudemos reduzir ao mínimo nossa estada (em Milão) e isso foi útil pela fragilidade do dólar. Esperamos que o calendário milanês conserve essa modalidade no futuro."

Esse poder Wintour divide com Richard Blackwell, um estilista octogenário e aposentado, que, todos os anos, publica uma lista "dos famosos mais mal vestidos do ano" que repercute por toda a imprensa.

A vencedora de 2007 nessa malfada categoria, Victoria Beckham, é uma fanática pelas "semanas da moda".

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

do UOL
ANSA
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Ana Aoun
do UOL
do UOL
Estadão Conteúdo
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Mulher - Moda
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Ana Aoun
do UOL
UOL Mulher - Moda
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Mulher - Moda
do UOL
do UOL
do UOL
Topo