Moda

Na casa Guy Laroche, sedução e pragmatismo assinados por Marcel Laroche

22/01/2008 12h35

PARIS, 21 Jan 2008 (AFP) - "A roupa é sedução", afirma o estilista franco-sueco Marcel Marongiu, decidido a refletir esta convicção em sua primeira coleção para a Casa Guy Laroche, apresentada nesta segunda-feira em um evento paralelo ao calendário oficial dos desfiles da alta-costura parisiense.

Desde a morte de seu fundador em 1989, a casa Guy Laroche teve uma sucessão de diretores artísticos, e sua imagem "foi um tanto flutuante" nos últimos anos, reconheceu Marcel Marongiu, de 45 anos, diretor artístico da empresa desde novembro passado.

De jeans e jaqueta escura, o novo estilista mal esconde seu nervosismo pouco antes do desfile que começa a redefinir a identidade da casa. "É importante que a Guy Laroche volte a ser o que seu nome ainda representa", ou seja, "certa elegância", afirmou.

A chegada a casa Guy Laroche é um novo desafio para Marcel Marongiu, cuja carreira iniciada há quase 20 anos já passou por altos e baixos.

Nascido em Paris em 9 de fevereiro de 1962, filho de um engenheiro francês e de uma aeromoça sueca, Morongiu passou metade de sua vida em Estocolmo, onde fez seus estudos.

"A pintura e o desenho foram meus primeiros amores", disse. Não sabendo o que fazer, o estilista estudou economia antes de freqüentar a Escola de Belas Artes.

"Mas eu também não a terminei, porque foi lá que eu decidi estudar moda".

Marcel Marongiu estudou moda na Suécia, depois em Paris com France Andrévie, e voltou a Estocolmo, onde apresentou, em 1989, sua primeira coleção.

Mas a Suécia era "muito pequena e estava muito longe", para o estilista que queria "estar entre os grandes". Marcel Marongiu decidiu se instalar em Paris em 1991 e criou sua própria marca.

Cinco anos mais tarde, apesar de suas coleções terem sido bem recebidas, ele faliu. Associado a investidores japoneses, voltou a lançar uma coleção feminina, uma masculina e desenhou uma coleção de porcelana.

Tudo ia bem até que, em 2006, seus sócios decidiram "parar tudo". "Depois, vieram as dificuldades", lembrou o estilista, que se contentou em ser consultor de moda para marcas asiáticas.

Com Guy Laroche, voltou à criação, mas "de maneira muito pragmática", ressaltou. "A moda é feita para ser lúcida" e "se pode ser criativo, sem deixar de ser comercial", acrescentou.

Para este estilista, que afirma trabalhar suas coleções "como quadros", "o mais importante é a silhueta, o corpo", muito mais do que "cores, estampados, detalhes".

Ele prefere "não romper a harmonia", para que a roupa nunca esconda quem a usa.

Marcel Marongiu tem um só objetivo: permitir que mulheres"se vistam com elegância, se vistam com o novo, se afirmem e sejam mais sedutoras".

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

UOL Mulher - Moda
do UOL
do UOL
do UOL
ANSA
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Ana Aoun
do UOL
do UOL
Estadão Conteúdo
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Mulher - Moda
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Ana Aoun
do UOL
UOL Mulher - Moda
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Mulher - Moda
Topo