Moda

Yves Saint Laurent, o gênio da moda do século XX que deu poder às mulheres

01/06/2008 20h47

PARIS, 1 Jun 2008 (AFP) - O estilista Yves Saint Laurent, que morreu na noite deste domingo, deu poder às mulheres ao criar para elas um vestuário contemporâneo, com peças de corte masculino e emancipador.

Este príncipe da moda, cuja arte repousava em sua audácia, deu adeus à alta-costura em 2002, depois de 40 anos de criação pujante porque "já não se reconhecia nessa profissão".

O homem dos óculos de armação grossa ficará nos anais da história da moda como um dos grandes estilistas do século XX e como um libertador que deu poder às mulheres, que ousou vesti-la com trajes masculinos.

No sacrossanto altar da moda francesa, esse gênio alcançou maestria própria, junto com outros do porte de Paul Poiret, Christian Dior ou Coco Chanel.

O estilista, que nasceu como Yves-Mathieu Saint-Laurent em 1o. de agosto de 1936 em Oran (Argélia), dedicou 40 anos de sua agitada vida a embelezar as mulheres vestindo-as com peças que lhes deram confiança a si mesmas e muito brilho.

Aquele que seria chamado de o "Príncipe da moda", o perfeicionista, o criador de um estilo, chegou com 17 anos a Paris com os esboços de seus desenhos e um talento transbordante.

Um ano depois virou herdeiro de Christian Dior e simplificou seu nome, passando a se chamar Yves Saint Laurent, com o qual triunfou a partir de 1957, primeiro como diretor artístico da casa Dior, depois da morte de seu fundador, e mais tarde com sua própria maison.

Seu primeiro desfile, em 30 de janeiro de 1958, fascinou os clientes e a imprensa, que cairam aos pés daquele jovem míope e tímido e de suas criações. Sua coleção "Trapézio", em ruptura com as cinturas de vespa, o catapultou ao sucesso.

A partir de 1960 Yves Saint Laurent passou a sofrer muitas crises de depressão. Nessa época, a maison Dior decidiu substituí-lo por outro jovem, Marc Bohan.

Saint Laurent resolveu, então, lançar-se em vôo solitário, com a ajuda de seu amigo Pierre Bergé. Juntos, o criador e administrador, construíram um império do luxo, que abrangeu da alta-costura e do prêt-à-porter aos perfumes.

Ficou conhecido então como o estilista que proporcionou uma nova liberdade às mulheres através de suas criações, especialmente o terninho com calça comprida e o famoso "Le Smoking", apresentado pela primeira vez em 1966.

No início, depurou as peças do supérfluo e se refugiou no negro até que, um dia, viajou a Marrakesh, de cujo colorido se embriagou até dominar os jogos de cores. Em algumas de suas coleção, chegou a prestar homenagem a pintores de renome universal como Mondrian (1965), Picasso (1979), Matisse (1981) e Van Gogh (1988).

"Se Chanel libertou as mulheres, Saint Laurent lhes deu poder com peças masculinas", afirmou Pierre Bergé. Peças indispensáveis no guarda-roupa feminino, como jaquetão, o smoking e o terninho com calça comprida, acrescido de blusas transparentes.

Em 1971, sua coleção inspirada nos anos 40 foi um escândalo. A referência aos sombrios anos da guerra e da ocupação foi criticada por uma conhecida cronoista americana. No entanto, o público gostou e acabou virando um de seus maiores êxitos comerciais.

Nesse mesmo ano posou nu nos anúncios de seu perfume "Homme". Seis anos depois, lançou "Opium", outro escândalo, outro triunfo.

Mas o mestre, que se autodefinia como "um provedor de sonhos e de beleza", vivia no desassossego, afastado do mundo. "Ele nasceu com uma depressão nervosa e congênita", comentou Bergé em uma ocasião.

Yves Saint Laurent se despediu do glamouroso mundo da moda em 7 de janeiro passado com uma coletiva de imprensa, a única de sua carreira.

Disse então adeus à alta-costura com o orgulho de ter "sempre colocado acima de tudo o respeito em relação a esta profissão que não é de todo uma arte, mas necessita de um artista para existir".

Em sua mensagem de despedida, declarou sem puder que havia "conhecido o medo e a terrível solidão. Os falsos amigos que são os tranqüilizantes e os entorpecentes. A prisão da depressão e das casas de repouso".

Confessou que, como Marcel Proust, pertencia à "magnífica e lamentável família dos nervosos (que) é o sal da terra". Também se orgulhava de ter "participado na criação de (sua) época".

Yves Saint Laurent colocou sua arte à serviço do teatro, criando figurinos e cenários.

E vestiu, como não podia ser de outra forma, estrelas como Catherine Deneuve, Zizi Jeanmaire e Claudia Cardinale.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

do UOL
do UOL
do UOL
Opiniões Estilo
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Estilo
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Mulher - Moda
do UOL
UOL Mulher - Moda
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo