Moda

Justiça paralisa obra de shopping na zona sul de SP

28/04/2009 15h14

São Paulo - A Justiça Federal concedeu liminar para a paralisação da obra de um shopping no sítio arqueológico Itaim, localizado no quarteirão compreendido pelas ruas Horácio Lafer, Iguatemi, Áspora e Avenida Brigadeiro Faria Lima, no Itaim Bibi, zona sul de São Paulo. A liminar é do dia 23 de abril e o Ministério Público Federal tomou conhecimento da decisão na tarde de ontem. Segundo a liminar, a obra só poderá ser retomada após a contratação de um programa de salvamento arqueológico. Caso as empresas responsáveis pelo empreendimento não cumpram as determinações, terão de pagar multa diária de R$ 50 mil a ser revertida ao Fundo de Direitos Difusos.

Segundo o MPF, a decisão foi tomada pela 12ª Vara Federal Cível de São Paulo, que concedeu a liminar em ação cautelar movida pelo MPF determinando a paralisação imediata da construção de um empreendimento imobiliário que prevê um shopping e duas torres de escritórios, pelas empresas Maragogipe Investimentos e Participações, Company e Brascan, no terreno onde está o sítio arqueológico Itaim. As empresas compraram o terreno no início de 2008 por cerca de R$ 440 milhões e começaram a obra sem a comunicação prévia e sem pesquisa e resgate arqueológico impostos por lei federal, de acordo com informações do MPF. O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), depois de uma vistoria, pediu que a obra fosse suspensa, o que não foi cumprido pelos empreendedores.

O Sítio Itaim tem aproximadamente 22 mil metros quadrados e dentro do terreno está a Casa do Itaim-Bibi, imóvel bandeirista tombado pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico (Condephaat) e Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural (Conpresp), órgãos estadual e municipal de patrimônio histórico, respectivamente, segundo o MPF.

Depois de comunicado pelo órgão federal, o MPF realizou, em dezembro de 2008, perícia no local e verificou que grande parte da camada arqueológica estava sendo destruída. Na última vistoria realizada, este mês, a procuradora da República Ana Cristina Bandeira Lins, autora da ação, constatou no local a destruição de grande parte do patrimônio arqueológico devido à obras feitas a mais de 20 metros de profundidade. As áreas no entorno da Casa do Itaim-Bibi eram as únicas que ainda estavam parcialmente preservadas.

Com a liminar, fica impedido qualquer movimento de massa na área já escavada até que o Iphan autorize a perícia e a realização de vistoria. Além disso, foi determinado que as empresas procedam a imediata realização de perícia arqueológica para que, dentre outras exigências do órgão, identifique a área escavada, mapeie as vias de acesso, analise os perfis geotécnicos e o projeto do empreendimento, elabore matriz de impacto e qualifique os danos ocorridos.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Mulher - Moda
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Moda
Moda
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Mulher - Moda
Topo