Moda

Moda migra do mercado de luxo para o "fast fashion"

02/07/2010 12h30

A moda se adapta à crise global, que modificou a maneira de considerar o luxo, um valor em baixa junto ao status no mundo das passarelas, segundo as novas tendências na Itália.

"Os valores como luxo e status estão em baixa, ao contrário de outros como família e lar", sustentou Antonio Achille, sócio e diretor do The Boston Consulting Group.

Uma pesquisa do grupo indica que "o consumidor está mais cético e exigirá da moda um controle de custos". Enquanto isso, as campanhas das principais empresas mais importantes tentam reduzir a distância entre o luxo e o "fast fashion" -- moda com produção rápida e contínua de novidades.

Alguns compararam o estilo do "fast fashion" ao estilo do "fast food" por ser um comportamento de compra por um bom preço de peças de coleções do momento.

Na Itália, na Espanha e em vários outros países existem marcas exclusivas de "fast fashion" que, em razão da crise econômica que afeta vários países europeus, tem crescido cada vez mais.

"Fica mais coerente [comprar] um produto menos ostentoso, mas que possa ser utilizado mais e é mais adequado à época", disse o estilista e presidente da italiana Câmera Nacional da Moda, Mario Boselli.

Para o estilista, a receita justa "parte do belo bem feito" e não pode prescindir do "made in Italy" porque "foram melhores naqueles mercados que não jogaram com os consumidores".

Após 20 anos de crescimento, o mercado de luxo ficou no vermelho pela primeira vez em 2009, com uma queda nas exportações italianas no setor da moda em 19%.

Boselli afirmou que para superar o problema faz falta apontar para novos mercados, como Rússia, China, Índia e Brasil, favorecer a substituição sucessiva nas casas de moda e ampliar a gama de preços.

Os empresários do setor se reuniram em Milão para participar da "Luxury Summit: Le frontiere del nuovo Lusso" ("Conferência do Luxo: A fronteira do novo luxo"), organizado pela imprensa italiana.

O encontro analisa os mercados de luxo e neste ano indica a necessidade das antigas empresas em se transformarem em modelos novos de negócios. De acordo com os organizadores, "o luxo acessível experimenta novos canais como a Internet para aproximar os consumidores a um ambiente exclusivo e oferece a eles uma experiência única de personalização".(ANSA)
 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Mulher - Moda
Ana Aoun
do UOL
do UOL
do UOL
Moda
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Mulher - Moda
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Mulher - Moda
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Mulher - Moda
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Ana Aoun
do UOL
UOL Mulher - Moda
Topo