Moda

Peças islâmicas de grifes "escravizam" as mulheres, diz co-fundador da YSL

Divulgação
A grife Dolce & Gabbana lançou coleção com roupas islâmicas e foi alvo de crítica de Pierre Bergé Imagem: Divulgação

30/03/2016 17h19

O mercado fashion está cada vez mais se voltando para as mulheres muçulmanas. O fenômeno começou com o lançamento da grande maison italiana Dolce & Gabbana de uma coleção composta por luxuosos hijabs, os véus islâmicos, e abayas, vestidos longos que só não cobrem as mãos e os pés. 

Agora, grandes capitais europeias como Londres e Paris estão lotadas de vitrines com looks islâmicos, o que já começou a exaltar os ânimos de muitas pessoas, pelos mais variados motivos.  

Entre elas, está o co-fundador da grife francesa Saint Laurent Pierre Bergé que condenou o crescente surgimento de novas coleções destinadas a esse setor, dizendo a um programa no canal de rádio "Europe 1" que esse tipo de moda ajuda a "escravizar" as mulheres.  

Getty Images
Pierre Bergé disse em estação de rádio que moda serve para "libertar" mulheres Imagem: Getty Images
"Estou escandalizado. Fiquei cerca de 40 anos ao lado de Yves Saint Laurent e sempre acreditei que um estilista deve ter a função de embelezar as mulheres, de libertá-las e, em qualquer caso, de não ser cúmplice de uma ditadura que impõe que as mulheres fiquem escondidas", afirmou Bergé à emissora.  

"E tudo isso para fazer dinheiro! Desculpe-me, mas eu acho que as convicções devem vir antes do dinheiro. Não é porque as mulheres são vestidas dessa maneira pelos seus maridos que devemos incentivar isso. Elas precisam aprender a se divertir e a se libertar", continuou o empresário francês.  

A tendência das coleções islâmicas, no entanto, cresce a cada dia. Em 2019, por exemplo, o mercado da moda para mulheres muçulmanas deve representar um lucro de US$ 500 bilhões, o dobro se comparado com os dados de 2013.  

Entre as marcas que já entraram no setor estão a sueca H&M, a japonesa Uniqlo e a britânica Marks & Spencer, que produzem abayas, hijabs e até os "burquinis", palavra que une burca com biquíni e que se equivale aos trajes de banho das mulheres muçulmanas.  

Enquanto algumas pessoas concordam com Bergé, outras criticaram a posição "islamofóbica" do francês e dizem que o motivo pelo qual não gostam dos novos modelos é que são muito detalhados e luxuosos, uma concepção que vai contra à ideia de que essas peças de roupa devem passar modéstia e simplicidade. 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Opiniões Estilo
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Estilo
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Mulher - Moda
do UOL
UOL Mulher - Moda
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo